Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Giorgio Calabrese: “O jejum intermitente não é para todos. Tornou-se uma tendência prejudicial”

Giorgio Calabrese: “O jejum intermitente não é para todos. Tornou-se uma tendência prejudicial”

O jejum intermitente aumenta o risco de morte por doença cardíaca em 91%. Este é o resultado que ele alcançou estudar Um estudo preliminar foi apresentado recentemente nas Sessões Científicas de Epidemiologia e Prevenção da American Heart Association│ Estilo de Vida e Cardiometabólico 2024 e foi conduzido em mais de 20.000 adultos nos EUA. Uma análise que suscita muito debate, dada a crescente popularidade deste tipo de dieta e os benefícios que sempre lhe estiveram associados. Na verdade, a alimentação com restrição de tempo envolve definir uma janela de horas em que você pode comer, que pode variar de 4 a 12 horas em um período de 24 horas. Muitas pessoas que fazem dieta com restrição de tempo seguem o plano alimentar 16:8, onde comem em um período de 8 horas e jejuam pelas 16 horas restantes todos os dias. Pesquisas anteriores descobriram que a alimentação com restrição de tempo melhora vários indicadores da saúde cardíaca e metabólica, como pressão arterial e níveis de glicose e colesterol no sangue.

“Se eu jejuar por 16 horas, tiro energia do corpo para me livrar da gordura existente. Na primeira fase funciona muito bem, pois praticamente pulo o jantar e o café da manhã. Mas só pode ser usado no começo”, Professor Giorgio conta ao HuffPost Calabrese, nutricionista e presidente do Comitê Nacional de Segurança Alimentar. “No entanto, sempre deve haver acompanhamento clínico. O que aconteceu é que a dieta do jejum intermitente virou tendência: você pula o jantar, se livra da inflamação, perde peso, e no começo é só assim porque na verdade você está pular uma 'refeição'. Mas ninguém diz o que comer e quantas calorias consumir nas refeições incluídas na janela de 8 horas. Porque eles entendem muito bem que se eu comer 5.000 calorias não vou perder peso. “E ninguém diz o que acontece a longo prazo: o corpo sofre”.

READ  Se você consumir esses produtos, terá 80% de chance de evitar doenças graves

“Os efeitos a longo prazo da alimentação com restrição de tempo para a saúde, incluindo o risco de morte por qualquer causa ou doença cardiovascular, são desconhecidos”, diz o autor sênior do estudo, Victor Wenzhong, Ph.D. Este estudo deve esclarecê-lo. Então o que acontece?

Acontece que a princípio começa a perda de peso, depois o metabolismo para, a tireoide não queima mais e então é necessário integrar os nutrientes. Quando você se priva constantemente de nutrientes, a certa altura, o que foi a perda de peso inicial não só leva ao reganho de peso, mas o coração entra em crise, os pulmões não funcionam mais bem, o fígado carece de nutrientes, os rins sofrem sobrecarga e assim ter mais doenças cardíacas e derrames. O jejum intermitente é válido se for acompanhado de uma dieta de duas refeições, se for seguido por um médico que saiba determinar quando interrompê-lo: não é necessário fazê-lo durante 3, 6, 9 meses. Somente o médico que examina o paciente uma vez por mês pode avaliar se é necessário combinar, e assim adicionar ou retirar.

Alguns disseram isso Este estudo não está completoNão, porque as 414 pessoas que comeram num período de 8 horas foram entrevistadas apenas duas vezes com duas semanas de intervalo e acompanhadas dos 8 aos 17 anos. Não se sabe realmente que tipos de alimentos comeram, nem se foram forçados a comer É devido ao estilo de vida de pular refeições ou comer de forma irregular, nem se já estiverem com a saúde debilitada. Em suma, esta investigação não mostra se o jejum intermitente é realmente prejudicial, nem explica de forma alguma porquê. o que você acha?

Devo fazer uma pergunta ao contrário? Você sabe o que comem as pessoas que seguem o jejum intermitente na Itália? O que dizem os especialistas sobre esta dieta? nada. É a mesma coisa. A regra é que o jejum funciona para quem pesa 290 kg, e o médico não sabe como começar então decide fazer jejum, com dieta semilíquida e tenta ajudar os pacientes a segui-la. Assim que o médico percebe que o paciente não tolera mais esse tipo de dieta, ele começa a restabelecer a ingestão alimentar.

READ  Nanopartículas magnéticas, um diálogo entre arte e ciência na Galeria Transizioni do Palazzo Reale

O jejum intermitente é adequado apenas para alguns pacientes?

Sim, são para algumas doenças. Quando prescrevemos jejum intermitente é porque temos um paciente que sofre de doenças neurológicas como epilepsia ou sofre de diabetes grave. Na primeira fase funciona e na segunda já não funciona. Já para uma pessoa saudável e normal, é prejudicial. Porque isso levará a todos os desequilíbrios que mencionei antes.

Tudo isso sempre sob o mesmo acompanhamento médico?

Um médico, na verdade. Porque muitas vezes essa administração é feita por biólogos nutricionais e farmacêuticos que não possuem cultura clínica. Faço uma palestra científica: visito o paciente, olho para ele, pego seu prontuário e peço para ele fazer os exames que preciso. Então determinei o tamanho e a dieta a seguir. Cada paciente é diferente e a dieta deve ser adaptada à pessoa e não apenas ao método.