Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

É verdade que os italianos apontam mais: a ciência diz isso

É verdade que os italianos apontam mais: a ciência diz isso

estrada gesto As pessoas mudam durante a história dependendo de sua personalidade nacionalidadePortanto, é razoável supor que as culturas pensam sobre as narrativas de forma diferente. Isto, em resumo, é o que resultou de um estudo publicado na revista Frontiers in Communication, conduzido por cientistas do Laboratório de Ciências Humanas da Universidade de Lund, onde a equipa liderada por Maria Graziano e Marianne Gollberg examinou os gestos de 12 italianos e suecos. . Participantes contando a um amigo o conteúdo de um clipe de 90 segundos do desenho animado Pingu.

Quando falamos – explicam os especialistas – muitas vezes usamos as mãos para enfatizar certos conceitos. Embora esse fenômeno seja observado em todo o mundo, acredita-se que algumas culturas utilizem mais gestos do que outras. “De acordo com o estereótipo comum – Golberg comenta – o Os italianos tendiam a gesticular em maior medida Comparado com os suecos. O interessante é que as duas culturas Eles usaram as mãos de maneira diferenteseguindo diferentes métodos retóricos e de construção narrativa.”

No Cartoon Pingu, os personagens não falam, então os participantes podem contar a história usando suas próprias palavras, sem a influência ou preconceito associado à exibição dos clipes. Como mostra a pesquisa, os italianos, em média, usaram 22 gestos para cada 100 palavras, Embora os suecos tenham conseguido aproximadamente 11. “Quando contamos histórias – acrescenta Graziano – Comunicamos diferentes tipos de informações, que incluem, por exemplo, a introdução de personagens, a descrição de ações e cenários e muito mais. Quando falamos sobre uma ação específica, muitas vezes acompanhamos as palavras com um gesto que nos lembra disso.”

Como parte do trabalho, constatou-se que os italianos tendem a usar as mãos de forma mais realista para comentar a história e apresentar novos aspectos ao ouvinte. Em contraste, os participantes suecos gesticulavam de forma mais representativa, narrando eventos e ações da história. “Esses resultados – Graziano confirma – Podem sugerir que a cultura desempenha um papel essencial na influência das técnicas retóricas associadas à conceptualização das histórias. “Podemos supor que as pessoas atribuem valores diferentes às narrativas, que podem estar diretamente relacionados e influenciar o conteúdo do discurso.”

Dada a amostra limitada desta investigação, os autores sublinham que futuras pesquisas sobre este tema terão que recrutar um maior número de voluntários, incluindo também pares de estranhos, uma vez que a familiaridade com o entrevistador pode influenciar as escolhas retóricas. «O fenómeno do gesto – conclui Graziano – Tem sido observado em todo o mundo, em todas as línguas e culturas, e está intimamente ligado ao que dizemos e como queremos dizê-lo. Esperamos que o nosso trabalho leve o público a olhar para os gestos de uma perspectiva diferente e a ir além das visões estereotipadas dos gestos.“.

READ  Cuidado com a dor no braço ou no cotovelo, pois pode ser um sintoma dessa doença cardíaca, que não afeta apenas o tórax

Continue lendo no MeteoWeb