Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Esta é a verdadeira face do Talibã

Estátuas foram demolidas, tiroteios indiscriminados contra civis, pinceladas para cobrir o rosto de mulheres em cartazes publicitários e um perímetro de aeroporto controlado para impedir, em muitos casos, as pessoas de fugirem do país. A máscara caiu. O mundo levou 4 dias para conhecer a face autêntica do Talibã. Um rosto reconhecível como um rosto de mulher que ninguém vê porque está coberto por uma burca imposta pela violência. Iniciado pela Sharia que, como ele mesmo disse ontem TalibãSeria a lei básica do Estado e, portanto, não seria democrático. A lei islâmica não escrita que torna as mulheres da série ‘z’ cidadãs mundiais e aquelas que criticam ou se opõem às pessoas que merecem morrer. Na mesma linha, o cônsul Tommaso Claudi, que permaneceu na capital afegã para administrar os retornos a Roma, deu o alarme: “Temos evidências de 20 cidadãos sendo repatriados não apenas em Cabul, mas também em outras províncias.”


Os fundamentalistas, com base no pragmatismo político inteligente no contexto internacional, procuram encobrir, dar uma nova imagem. Um exemplo é a entrevista transmitida pela televisão pública do jornalista afegão Beheshta Arghand com um porta-voz do Talibã. Era um comercial para uso e consumo de ocidentais para expressar que eles são ‘eles, eu’ TalibãEles não são fundamentalistas como há vinte anos. ” Uma operação que pode ter persuadido alguém na Europa ou nos Estados Unidos, mas não os próprios afegãos que invadiram o Aeroporto Internacional Hamid Karzai (Cabul) aos milhares a tentar entrar, embarcar em um avião e escapar do novo “Emirado Islâmico”. A resposta dos fundamentalistas, no entanto, é a explosão de balas nos civis amontoados.

READ  Uma luta está acontecendo na Espanha por uma estátua de um soldado

Como relatou a CNN, “Há combatentes por todo o aeroporto, nós os vimos fisicamente tentando trazer as pessoas de volta. Nós os vimos e ouvimos atirando na multidão para dispersá-los.” eles não estão tentando matar pessoas, mas de Obviamente, goste ou não, quando há muitos civis na rua e nos veículos, pessoas se ferem. ”No total, foram registrados 17 feridos.

Enquanto isso, o cônsul Claudie e sua equipe estão trabalhando duro no aeroporto para permitir que os afegãos que cooperaram com o Ministério da Defesa e Relações Exteriores voltem a Roma. Os sortudos que passarem pelo controle externo do Taleban, se entrarem na lista italiana, partem. Ontem foram organizados vários voos para 600 pessoas. “Estamos testemunhando uma grande tragédia humana – disse Claudie – e estamos fazendo o nosso melhor, colocando todo o nosso coração e todo o profissionalismo que podemos fazer”. “Infelizmente, tivemos que testemunhar cenas dramáticas”, mas “em condições de extrema emergência, pudemos trazer nossos cidadãos e alguns colaboradores locais para casa”.

Em Jalalabad atira

Em Jalalabad, por outro lado, ele atirou na multidão. 3 mortos durante os protestos contra o Talibã. Mas as vítimas são provavelmente mais, estamos falando de 34 pessoas, mas não há certeza disso. Sky TG24 citou um depoimento como dizendo: “Hoje, as pessoas que vivem na província afegã chamada Nangarhar (e sua capital é Jalalabad) saíram para a rua carregando as velhas bandeiras do Afeganistão. Para detê-los, o Talibã atirou e matou trinta e cinco pessoas ”. no novo Afeganistão Não é apenas sangue que flui. As estátuas também foram decapitadas, assim como há 20 anos. É um pesadelo que reaparece em Bamiyan, onde dois colossais Budas foram destruídos em março de 2001, e desta vez os milicianos derrubaram a estátua de Abdul Ali Mazari, o herói xiita anti-Talibã. Em tal clima, horror é o clima que atravessa o país.

READ  Nova Zelândia, cigarros proibidos para os nascidos após 2004: projeto governamental

Assim, em Cabul, antes do domingo, dia em que os novos mestres entraram no país, muitos decidiram evitar qualquer tipo de reação. Conhecendo bem as regras que os puristas seguiam, pôsteres retratando algumas mulheres em vestidos de noiva do lado de fora de uma loja foram apagados com tinta. Uma foto publicada em vários jornais imortaliza a cena: um pintor de paredes em trabalho cobrindo o rosto dessas mulheres com inúmeras pinceladas e evitando a vingança das milícias islâmicas. Uma imagem simbólica antecipando a vontade da nova classe dominante que invadiu o país.

© Reprodução reservada