Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Espaço Itália. Simonetta Chile vai chefiar o centro da Agência Espacial Europeia em Frascati

Depois de correr ao topo da Agência Espacial Europeia, a Itália alcançou a meta da vitória liderando os Programas de Observação da Terra e o Centro Esrin em Frascati. Simonetta Cheli foi indicada para o cargo vago por Josef Aschbacher. Traz o número de tendências lideradas por italianos para duas, no momento da reforma da ESA

“Um resultado importante da representação italiana em instituições internacionais que também atesta o excelente trabalho em equipe que o governo está fazendo em cooperação com a Agência Espacial Italiana para o crescimento deste setor, que é estratégico para o nosso país”. É assim Giorgio Sacuccia, Presidente da ASI, saudou a nomeação de Simonetta Chile Novo Director dos Programas de Observação da Terra da ESA, era responsável pelo Centro Esrin em Frascati, cargo que deixou Joseph AschbacherDiretor-Geral da Agência desde fevereiro passado.

Depois da corrida à cimeira da ESA, foi para o Lazio Center que foi considerado o mais importante para a Itália, por óbvias razões geográficas e pelo papel do país no domínio da observação da Terra. Sacuccia disse que a nomeação do Chile “é mais importante porque o centro Esrin não está apenas localizado em território nacional, mas também dirige um setor, como o setor de Observação da Terra, que a Itália sempre considerou muito estratégico e importante para o futuro de nosso planeta . ”

Cheli conhece bem o clipe. Atualmente dirige o escritório de Estratégia, Programa e Coordenação do Esrin, coordenando as relações com diversos parceiros internacionais e a União Europeia (que tem ambições crescentes neste setor). Ele trabalha para a Agência Espacial Europeia há quase trinta anos. Para dirigir os programas Earth Watch, ela também foi responsável pelo Escritório de Coordenação e Relações Públicas e Corporativas Dedicadas. Ele estudou direito e economia na Yale University antes de se formar em ciências políticas e se formar em direito internacional na Cesar Alfieri University em Florença. Ele também obteve um diploma em estudos avançados do Centro de Estudos Diplomáticos e Estratégicos (Ceds) em Paris.

READ  1200 euros em salários | Pesadelo de ar condicionado

Para Cheli, esta é uma das três nomeações feitas pelo Conselho de Administração da ESA, que se reuniu pela 300ª vez entre ontem e hoje. O primeiro diz respeito à nova direcção “Marketing, Indústria e Compras”, que foi confiada à francesa Geraldine Naga. “A sua missão – explica a nota da agência – será ajudar as empresas espaciais europeias a melhorar a sua posição, e contribuir para uma forte recuperação económica, em nome da protecção do ambiente e do digital”. É também assim que a Agência Espacial Europeia pretende apoiar o “novo espaço” do velho continente, numa clara tendência de marketing em todo o mundo. Naga também tem décadas de experiência na agência.

O espanhol Francisco Javier Benedicto Ruiz foi nomeado Diretor de Navegação. Atual chefe do departamento de programas do Galileo na mesma diretoria, ele substituirá o holandês a partir de fevereiro próximo Paul Verhoff, no cargo desde 2016. A nomeação de Cheli conduziu a duas direções para a ESA lideradas pelos italianos. Franco Ungaro Ele é Chefe de Tecnologia, Engenharia e Qualidade, e é responsável pelo Centro Estec em Noordwijk, Holanda.

Desde agosto, a responsabilidade pela política aeroespacial italiana está nas mãos do Ministro Vittorio ColaoSob a autoridade do Primeiro Ministro Mario Draghi. Poderá começar a surgir no domínio da ESA nas próximas semanas, altura em que os ministros intermediários se reúnam em Portugal, dada a nomeação mais importante no final do próximo ano. Entre os aspectos mais relevantes está a mudança Governando no antigo continente, em resultado do papel reforçador que a União Europeia se atribuiu. Em Bruxelas, o arquivo é tratado pelo comissário francês Thierry Britton, em que o programa é de sua competência espaço 14,8 mil milhões de euros nos próximos sete anos, e para a sua implementação foi também criada uma nova agência, a Euspa.

READ  Escândalo do Fed pode desencadear onda de otimismo nas bolsas de valores

A Agência Espacial Europeia, que inclui 22 países como organização internacional (não pertencente à UE), teve de tomar medidas com esta ambição. Portanto, o gerente geral Ashbakar lançou sua agenda para 2025. No nível de julgamentoDe acordo com a nova abordagem, a União Europeia terá a gestão estratégica do espaço continental nos próximos anos, deixando o papel de executor para a Agência Espacial Europeia. Em 22 de junho, Britton e Ashbaker assinaram o “Financial Framework Partnership Agreement” (Ffpa), ou seja, o marco regulatório no qual as duas organizações deverão colaborar para programas futuros.

(Foto: Isso é incrível)