Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Escravidão nos EUA por uma Lei de Compensação Afro-Americana – Mundo

Ele pediu desculpas oficialmente à comunidade afro-americana por sua vergonhosa história de escravidão e compensou por séculos de abuso e discriminação. Um legado pesado cujas consequências são ainda mais evidentes hoje em uma sociedade mais do que nunca atravessada por tensões étnicas. Portanto, o Congresso deu um passo histórico em direção a uma lei que restaura o senso de justiça, ao votar pela primeira vez a favor de uma comissão de estudos. Sua missão será lançar as bases para uma provisão que é esperada desde a época da Guerra Civil Americana.

Na época, um texto em negrito exigia que os escravos ou seus descendentes fossem indenizados com “40 acres de terra e uma mula”. Mas a promessa não foi cumprida. Assim, em décadas e décadas, todas as tentativas de apresentar lei ao Congresso falharam, devido à oposição dos republicanos (que ainda existe hoje) e de parte dos democratas. Mas agora o clima parece ter mudado, mesmo em comparação com os oito anos que Barack Obama, o primeiro presidente afro-americano da história, governou. O Congresso está nas mãos dos democratas, e a nova Casa Branca de Joe Biden colocou a luta contra a injustiça racial no centro de sua agenda política interna. Por esta razão, incluí dezenas e dezenas de bilhões de dólares no Plano de Emprego Americano a serem investidos na comunidade afro-americana, em benefício de agricultores, empresários, estudantes e os setores mais desfavorecidos da população.

Mas a favor das reparações para a comunidade afro-americana hoje estão todos os líderes do Partido Democrata, desde a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, até o líder da maioria no Senado, Chuck Schumer. Conseqüentemente, a comissão de estudos exigida pelo Congresso deve trabalhar em um relatório detalhando todas as consequências econômicas, sociais e de saúde dos anos de escravidão e do apartheid, e herdadas até os dias atuais. O grupo terá então de propor medidas legislativas para enfrentar a discriminação que ainda existe hoje e as possíveis formas de compensação. As hipóteses são várias: desde os montantes concedidos às famílias à concessão de empréstimos e hipotecas sem juros, à abolição das altíssimas propinas universitárias que pagam os estudantes.

READ  Gaza, foguetes e bombas: a luta continua até o amargo fim. Israel: "A eliminação dos principais líderes do Hamas." Di Maio: "Precisamos de moderação. O lançamento de foguetes é inaceitável."

No entanto, a histórica votação do Congresso chega no dia em que chega a notícia do Texas, causando ainda mais raiva e choque. Um grupo de alunos do ensino médio organizou algum tipo de “comércio de escravos” virtual no Snapchat, estabelecendo um preço para cada um de seus colegas afro-americanos de vez em quando. Um aluno tinha o preço de “$ 100” (coloquialmente, $ 100), enquanto outro menino só tinha o preço em dólares: “O preço seria melhor se ele não absorvesse seu cabelo.” um policial branco apontando uma arma para um fazendeiro afro-americano. O diretor puniu o grupo de 15 anos, mas considerou os fatos um “incidente de cyberbullying” e desencadeou a raiva de muitos pais que falaram abertamente sobre o ódio racial.

De outra escola perto de Chicago, chega outro vídeo chocante em que um grupo de alunos força um colega de time de futebol afro-americano a entrar em um armário cheio de bananas: “Venha ou vou quebrar seus joelhos”, é ouvido entre as risadas de todos. Apenas a América pode se questionar.

A reprodução é reservada © Copyright ANSA