Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Empresas retêm trabalhadores redundantes

Empresas retêm trabalhadores redundantes

Christine Lagarde falou abertamente sobre isso em seu discurso na semana passada em uma reunião dos principais banqueiros centrais do mundo em Sintra, Portugal. Esperávamos que a desaceleração da expansão econômica no ano passado reduzisse um pouco o crescimento do emprego. No entanto, principalmente nos últimos três trimestres, o mercado de trabalho tem se saído melhor do que a regularidade baseada na lei de Okun (que relaciona a taxa de crescimento econômico com a taxa de desemprego) sugeriria – como disse o chefe do BCE -. Essa desconexão se deve, em parte, ao aumento do uso de estratégias de retenção de mão de obra pelas empresas no contexto de escassez de mão de obra, conforme refletido na atual lacuna entre o total e a média de horas trabalhadas.

Em essência, Lagarde reconheceu que o BCE ficou um tanto surpreso com os desenvolvimentos recentes no mercado de trabalho da zona do euro. Uma tendência de emprego também tornaria a trajetória descendente da inflação mais complexa (e mais lenta). Em particular, o chefe do Instituto de Frankfurt observou O fenômeno de “açambarcamento de mão de obra”, que se traduz literalmente como “açambarcamento de mão de obra” e, na prática, refere-se à tendência das empresas de reter empregos (mesmo aqueles considerados redundantes para as necessidades de produção), possivelmente reduzindo horas.

Na Zona Euro, número de trabalhadores a 3 anos aumentou 2,3%, mas não a jornada média de trabalho (-1,6%) devido a menores despedimentos, mais faltas por doença e maior recurso ao trabalho a tempo parcial

Esta tendência deve ser inserida no quadro geral da mercado de trabalho na zona do euro, onde o número de trabalhadores aumenta, mas não o número de horas trabalhadas. A situação emerge de um relatório do início de junho do Banco Central Europeu, citado por Lagarde em Sintra, com o título óbvio: “Mais empregos, mas menos horas(Mais empregos, mas menos horas).

READ  Mutui "facili" e rischio bolla? Lo cenário na Europa

A pesquisa mostra que, após um declínio inicial no início da pandemia, o emprego se recuperou rapidamente. Entre o quarto trimestre de 2019 e o quarto trimestre de 2022, o número de trabalhadores na zona euro aumentou 2,3%, “o que é impressionante dada a gravidade do choque económico”, nota o BCE. Isso significa que cerca de 3,6 milhões de pessoas encontraram trabalho durante o período de três anos analisado. Mas, no mesmo período, a jornada média de trabalho diminuiu 1,6%. Segundo os autores do estudo, “isso representa uma diminuição de seis horas por trimestre por pessoa desde antes da pandemia”. A diminuição da jornada média de trabalho foi particularmente perceptível no início da Covid, também devido ao uso massivo de redes de segurança social pelos governos. mas, Três anos após o choque pandêmico, a jornada média de trabalho permaneceu bem abaixo da tendência de empregoo que limita o crescimento global do total de horas de trabalho na área do euro em quase todos os principais setores industriais e de serviços.

Isso também aconteceu porque As empresas relutam em demitir trabalhadores, apesar dos ventos econômicos contrários. Esta retenção de mão-de-obra, ainda que nem sempre estratégica para a atividade da empresa, pode ser explicada pelas dificuldades sentidas em encontrar pessoal especializado no mercado (o chamado desfasamento entre a oferta e a procura). «Outro impacto significativo advém do aumento do recurso a licenças médicas, que, de acordo com os indicadores dos quatro principais países da zona euro (Alemanha, França, Itália e Espanha), aumentaram em 2022 entre 10% e 30% face ao “ ano anterior”, diz o relatório.

Alcance “europeu” do fenômeno acumulação de mão de obra Também é confirmado por Andrea Garneiro é economista da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. No dia 11 de julho, o organismo internacional publicará uma nova atualização sobre o mercado de trabalho dos países que o integram, ou seja, os mais desenvolvidos. “Na área da OCDE, assim como na área do euro, também encontramos o nível médio de jornada de trabalho abaixo dos níveis pré-Covid”, observa Garneiro. Além de questões mais “estruturais”, por exemplo Aumento do absentismo por doença e aumento da utilização do trabalho a tempo parcial (também devido ao aumento do emprego feminino)E Essa tendência de entesouramento de mão de obra também está afetando a queda da média de horas trabalhadas nas economias avançadasEstamos num contexto em que as empresas estão mais criteriosas na contratação de novos colaboradores pela dificuldade em encontrar perfis disponíveis e adequados às funções pretendidas – afirma Garnero – pelo que, O ponto de partida é ficar perto da equipe existente, incluindo aquela força de trabalho que é apenas parcialmente necessária».

READ  Teste de estrada e comentários Kia Picanto, Toyota Yaris, Mazda2 Comparação de 3 carros compactos de 15 mil euros

No entanto, o economista desconfia que esta tendência de açambarcamento de mão de obra não seja muito “italiana”, dado que “a jornada média de trabalho em nosso país é maior do que antes da pandemia”.