Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Em Portugal, ocorreu um erro na investigação do primeiro-ministro

Em Portugal, ocorreu um erro na investigação do primeiro-ministro

Bruxelas – Uma viragem dramática e inesperada menos de uma semana após a eclosão do caos político em Portugal, causado pela demissão do Primeiro-Ministro, António Costa, devido a alegações do seu envolvimento na investigação de casos de corrupção relacionados com alguns projetos de transformação verde e digital no país. Presumivelmente, mas agora quase certamente não um envolvimento real, a partir do momento em que o Ministério Público encarregado da investigação admitiu ontem (12 de novembro) que cometeu um erro ao registrar a objeção: Nome do primeiro-ministro foi confundido com o do ministro da Economia, António Costa Silva.

Primeiro-ministro demitido de Portugal, António Costa

Como mencionado Pelo advogado do Conselheiro do Primeiro Ministro, Diogo Lacerda MachadoO próprio suspeito denunciou o erro nos autos ao Ministério Público durante o seu interrogatório, “e o Ministério Público o identificou”. A questão diz respeito a uma contestação entre Lacerda Machado e o Gerente Geral do Start Campus (data center no Cines), Afonso está seguroEste último teria sugerido ao conselheiro do primeiro-ministro que falasse com “alguém do governo” para pedir à Comissão Europeia que alterasse os códigos de atividade económica dos centros de dados. “Lacerda Machado diz que se for ao Ministério da Economia, “vou dar um jeito de conversar”. – E isto está escrito – com António Costa.” “Isto é ridículo”, porque Lacerda Machado “se queria falar com António Costa, pegou no telemóvel e ligou-lhe”, mas “tratava-se de falar com o ministro da Economia, António Costa Silva”, ouvimos. E em outras passagens de objeções.

Falando sobre o erro do procurador, o advogado sublinhou que “quando é involuntário, claramente não é perigoso do ponto de vista subjetivo, mas é perigoso do ponto de vista objetivo”. Porque depois da notícia do alegado envolvimento do líder socialista e do primeiro-ministro do país desde 2015 no caso de corrupção relacionado com operações de lítio, hidrogénio verde e data center Sense, veio a demissão imediata e a decisão do Presidente da República , Marcelo Rebelo de SouzaPara retornar às eleições antecipadas em 10 de março. Em mensagem à nação na última terça-feira (7 de novembro), Costa disse que não poderia permanecer no cargo, mas Ele afirmou sua inocência de “qualquer ato ilegal ou repreensível”.. Depois de aceitar a demissão do Primeiro-Ministro, o Presidente Rebelo de Sousa decidiu não atribuir a liderança do novo governo a um membro do Partido Socialista no poder, mas sim dissolver o Parlamento após a aprovação final da lei orçamental de 2024 (prevista para o final do ano). mês) e convidando os eleitores às urnas no início do próximo ano.

READ  Notícias na publicação de receita

A situação política em Portugal

Governos da União Europeia da direita para a esquerda 12/10/2023A Constituição portuguesa confere ao Presidente da República o direito de nomear um novo primeiro-ministro sem necessariamente convocar eleições antecipadas, mas Rebelo de Sousa esclareceu na passada quinta-feira (9 de novembro) em Declaração à nação Qual “É fundamental” que não haja dúvidas sobre a legitimidade do novo primeiro-ministroDepois “do vácuo que surpreendeu e perturbou os portugueses”. A verdadeira questão é se existem outras ideias por parte do Chefe de Estado português, não sobre a demissão de Costa – que já foi aceite – mas sobre a possibilidade de nomear o antigo Ministro das Finanças (de 2015 a 2020) e o antigo Ministro de finanças. Antigo presidente do Eurogrupo (2018 a 2020), Mário Centenoliderando o governo sem passar por eleições antecipadas, como propôs o então ex-primeiro-ministro no momento do recuo.

Mas se continuarmos no caminho de volta às urnas, Costa permanecerá primeiro-ministro interino até 10 de março de 2024. O Partido Socialista – que hoje controla 120 dos 230 assentos na Assembleia Nacional e governa sem aliados – deve procurar um candidato capaz de estancar a potencial hemorragia de votos dos eleitores portugueses. Quem deverá beneficiar de eleições antecipadas sem surpresas? Partido Social Democrata O centro-direita (pertence ao Partido Popular Europeu), embora não seja certo que consiga obter uma percentagem de preferências suficiente para obter a maioria absoluta dos assentos no Parlamento. É por isso que temos que prestar atenção ao crescimentoExtrema direita ChigaHoje, a terceira força no Parlamento com 12 assentos: mesmo sendo o líder do centro-direita, Luís MontenegroAté agora, ele se opõe a qualquer tipo de aliança com os nacionalistas extremistas, e não se pode descartar que será o chefe do partido e o candidato de Chiga. André VenturaPoderá tornar-se a ponta da escala para formar ou apoiar o próximo governo em Portugal.

READ  Um carro-chefe da Toyota de € 150.000 é melhor que um Rolls Royce | É por isso que é tão caro