Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Em 1960, a CIA queria assassinar Raul Castro – Ultima Aura

(ANSA – Agência Francesa de Imprensa) – Washington, 16 de abril – A CIA tentou matar Raúl Castro em 1960 em sua primeira tentativa de assassinar o líder da revolução cubana, oferecendo US $ 10.000 a um piloto que levaria o irmão de Fidel de Praga a Havana Em um “acidente”: Isso foi revelado por meio de documentos desclassificados, agora publicados pelo Arquivo de Segurança Nacional em Washington.

O piloto José Raul Martinez, que havia sido recrutado pela CIA, havia pedido em troca da agência que ele daria educação universitária para seus dois filhos caso ele morresse durante a operação. Depois que Martinez partiu para Praga, a sede da CIA nos Estados Unidos decidiu cancelar a missão. “Não se comunique com o plano”, diz uma carta enviada a Havana. No entanto, Martinez nunca recebeu esta mensagem e agora saiu e não pode ser localizado.

No entanto, foi ele mesmo quem não cumpriu a ordem: voltando a Cuba, o piloto disse ao seu oficial de ligação que “não teve a oportunidade de causar um acidente como dissemos”.

Peter Kornbluh, analista do National Security Archive, disse à AFP que a história lança uma nova luz sobre “um passado sombrio e sinistro das operações dos EUA contra a revolução cubana”. “Com o fim oficial da era Castro se aproximando, os políticos americanos têm a oportunidade de deixar essa bagagem histórica para trás e se engajar no futuro da Cuba pós-Castro.”

O próprio Fidel Castro desafiou 11 presidentes americanos e sobreviveu a várias conspirações para assassiná-lo, 638 de acordo com o Livro de Recordes do Guinness, além de uma tentativa fracassada de derrubar os Estados Unidos na Baía dos Porcos, 60 anos atrás. (ANSA – Agência Francesa de Imprensa).

READ  Greenville foi destruída por um incêndio movido a vento, uma cidade inteira transformada em cinzas [FOTO & VIDEO]

A reprodução é reservada © Copyright ANSA