Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Depois de golpear submarinos, Macron levanta a voz para esconder sua impotência

Agência Anadolu por meio do Getty Images

PARIS, FRANÇA – 16 DE SETEMBRO: O Presidente da França, Emmanuel Macron, recebe a Chanceler Alemã, Angela Merkel, em um almoço de trabalho no Palácio Elysee em Paris, França em 16 de setembro de 2021 (Foto por Julian Mattia / Agência Anadolu via Getty Images )

bateu e se afogou. É assim que a estratégia geopolítica do presidente francês Emmanuel Macron se resume nas águas do Indo-Pacífico após o cancelamento da “Década do Século” pela Austrália, que previa o fornecimento de doze submarinos por 56 bilhões de euros. Um revés diplomático que o inquilino do Elysee não esperava, e certamente não ajuda sua imagem, apenas sete meses antes da próxima eleição presidencial.

Paris tenta responder, levante sua vozEla pede esclarecimentos, reclamando que não foi avisada. Mas a sensação de impotência é especialmente forte em relação ao aliado americano. O presidente dos EUA, Joe Biden, é visto como o arquiteto da parceria anti-China de Aukus com o Reino Unido e a Austrália, que levaria Washington a fornecer a Canberra submarinos com propulsão nuclear, construídos em cooperação com os britânicos. Assim a França se vê sitiada, sem entender como chegou lá.

Após o choque inicial, o Elysee correu para se proteger tentando pelo menos salvar as aparências aos olhos dos franceses. Primeiro, a condenação de uma “facada nas costas”, depois a retirada dos embaixadores de Washington e Canberra e, finalmente, ameaças sobre possíveis repercussões dentro da OTAN. O ex-sócio australiano inicialmente disse que “entende” a raiva francesa, mas depois ficou impaciente e admitiu que havia “reservas profundas e sérias” sobre os submarinos de Paris. Por outro lado, Biden está mais disponível e pede a Macron uma entrevista por telefone para esclarecer a situação.

READ  Mesma vacina, mas você não pode entrar: aparece com listras amarelas

Enquanto isso, na França, os oponentes da corrida do Elysee começaram a atacar. Marine Le Pen pediu uma comissão de inquérito para lançar luz sobre um “desastre triplo” econômico, militar e político, enquanto o ex-republicano Xavier Bertrand pede explicações a Macron e pede uma “cúpula extraordinária da OTAN”. À esquerda, o capitão do France Insoumise, Jean-Luc Melenchon, tira a bola e a poeira de seu grupo antiamericano evocando a saída da Otan.

Mas o presidente Macron não é Charles de Gaulle. A saída da França do comando integrado da OTAN decidida pelo general em 1966 é impensável hoje, especialmente do ponto de vista de Macron. O chefe de Estado francês queria desestabilizar a aliança denunciando sua “morte encefálica” em 2019. Na ocasião, o presidente usou palavras duras para acordar seus parceiros, mas certamente nem remotamente imaginou tal retorno no cenário internacional. Os Estados Unidos após o arco isolacionista de Donald Trump. O tapa de Biden é um “tapa diplomático” que coloca a França de volta no lugar, depois dos muitos esforços de seu presidente para cavar um “lugar sob o sol” no Indo-Pacífico, onde fica com alguns territórios ultramarinos. O contrato com a Austrália poderia ter levado à vitória da política externa de Macron na campanha eleitoral, a fim de cobrir outros arquivos em que os resultados foram mais modestos, como a reforma da União Europeia.

O dano diz respeito principalmente à imagem do presidente francês. Apesar do dinamismo que aparece no cenário internacional, Macron aparece apenas aos olhos dos eleitores, incapaz de se opor ao gigante americano, um aliado fundamental com o qual certamente não se pode abrir uma crise bilateral muito profunda.

Na Europa, ninguém se posicionou abertamente ao lado de Paris, enquanto o almirante Rob Bauer, chefe do Comitê Militar da OTAN, disse claramente que o episódio “não teria efeito sobre a coesão” da aliança.

READ  O Ministro da Defesa disse que a Rússia retirará as suas forças que se mobilizaram perto da fronteira com a Ucrânia

Somados a esses aspectos estão os aspectos econômicos. A Austrália terá que pagar uma indenização que será quantificada nas próximas semanas, mas não fazê-lo é um duro golpe para o Grupo Naval, que tem contado com esse lote de submarinos para reanimar suas exportações.

Todos os elementos com os quais Macron terá de lidar nos próximos meses. O perigo é a manipulação de opositores, principalmente de direita, que estão prontos para denunciar a escravidão da França contra os Estados Unidos.