Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Da bomba atômica à inteligência artificial, é assim que a ciência é negligenciada na obra de Labatut

Da bomba atômica à inteligência artificial, é assim que a ciência é negligenciada na obra de Labatut

No dia 1º de outubro, na Certosa di San Giacomo de Capri, Benjamin Labatut recebeu o Prêmio Malaparte, um dos mais importantes prêmios literários italianos para personalidades internacionais, que já está em sua vigésima sexta edição. Labatut nasceu na Holanda, mas obteve a cidadania chilena e foi selecionado pelo júri para Quando paramos de entender o mundo (Adelphi), traduzido por Lisa Tobey, L idiota (Adelphi Again), este último foi lançado na Itália em conjunto com a entrega do Prêmio, com curadoria de Gabriella Bontempo e apoio da Ferrarelle Società Benefit.

O fio condutor que une as duas obras, ambas na fronteira entre a história da ciência e a narrativa, é que, parafraseando o título da gravura mais famosa de Goya, não só o sono, mas também o sonho da mente gera monstros. Em outras palavras: os monstros mais terríveis e perigosos, os verdadeiros monstros, não são aqueles criados pela imaginação, mas aqueles produzidos pela ciência moderna.

“O que estamos criando é um monstro cujo impacto mudará o curso da história, enquanto a história continuar!” John von Neumann (1903-1957), herói do romance idiota, sobre a bomba atômica. “Mas – acrescenta o matemático de origem húngara, apelidado de “gênio do mal” – será impossível não avançar. Não só por razões militares, mas também porque seria antiético, do ponto de vista científico, não fazer o que sabemos que somos capazes de fazer, por mais terríveis que sejam as consequências. E isso é apenas o começo!

Vá até o fim. A qualquer preço. Além do bem e do mal. Este é o pecado original da ciência moderna que Labatut denuncia, tornando-o ao mesmo tempo divino e demoníaco. “Com a invenção da bomba atômica, os físicos aprenderam sobre o pecado, um conhecimento que não podiam mais perder”, lemos novamente em idiota. Desta vez é dito por Robert Oppenheimer (1904-1967), celebrado pelo mais recente filme de grande sucesso de Christopher Nolan. “Se nós, físicos, já descobrimos o pecado, descobrimos a maldição da bomba de hidrogênio.” Para piorar a situação, está sempre lá idiotaRichard Feynman (1918-1988), para quem a bomba de hidrogénio “não era apenas uma bomba maior, mas um verdadeiro horror, algo que não poderia ser justificado de forma alguma, um mal absoluto, uma arma muito longe da plausibilidade e da racionalidade”. “Foi como se tivéssemos nos empurrado voluntariamente para os períodos mais sombrios do inferno.”

READ  Escher em Ducale de Gênova, a exposição mais completa - Beleza

Arrogância E a consequente “condenação” de físicos e matemáticos Quando paramos de entender o mundo Antes e de idiota Portanto, é igual ao Fausto de Marlowe, ou mais ainda, ao Frankenstein de Mary Shelley, que não é por acaso citado em ambos os livros. Tal como Shelley, Labatut pretende alertar-nos “contra o avanço cego da ciência, a mais perigosa de todas as artes humanas”.

Falando dos riscos associados ao progresso científico e tecnológico, não é surpreendente que a última parte do idiota, traduzido por Norman Gobbetti, é dedicado a um tema de excepcional importância: a inteligência artificial (IA), que, segundo Labatut, nos aponta para um futuro que “inspira esperança e admiração: alguns acreditam que devemos recebê-lo de braços abertos, enquanto muitos acreditam que deveríamos “de braços abertos”. Outros estão convencidos de que devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para garantir que este sonho louco permaneça fora do nosso alcance, para sempre fora do nosso alcance.

Se for no fim do mundo Terminação Por James Cameron O ponto sem retorno é a criação da Skynet. Para Labatut, “quando os futuros historiadores olharem para o nosso tempo tentando identificar o primeiro vislumbre da verdadeira inteligência artificial”, eles serão capazes de encontrá-lo em um movimento muito específico feita durante uma partida de Go, que aconteceu no dia 10 de março de 2016, entre o campeão Lee Sedol e AlphaGo. Este é o 37º passo através do qual, segundo o escritor chileno, os dois atores – humanos e não humanos – conseguiram “ultrapassar os limites do ir, criando uma beleza nova e terrível, uma lógica mais forte que a razão, a cujas repercussões chegarão a todos os lugares.”

READ  Cistite e azia, você pode finalmente combatê-las bebendo esta mistura diariamente

Mas esta é apenas uma das histórias fascinantes e perturbadoras contadas por Labatut nas suas duas “obras de ficção baseadas em factos reais”, como ele próprio as define, que conseguem transferir o melhor do romance gótico para um novo género híbrido.