Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Contas de eletricidade. A autoridade rejeita o mercado livre: “Não há poupança”.

Contas de eletricidade. A autoridade rejeita o mercado livre: “Não há poupança”.

Controle de carvão

Contas de luz, o mercado livre não funciona. “Não há ofertas especiais e os seus preços são, em média, mais elevados”, disse o presidente da autoridade, Stefano Bisighini, no seu relatório anual. Com tudo isto, os italianos voltaram a pagar as contas mais caras da Europa, com exceção da Grécia e dos países do Oriente.

A electricidade e os processos de liberalização não foram bem sucedidos e a concorrência continua a ser uma ilusão. As associações de consumidores mais “irritadas” não o dizem. Foi o que disse no Parlamento Stefano Bisighini, presidente da ARERA, órgão que regula todos os serviços energéticos.

Enel Antitruste

As ofertas no mercado livre costumam ser caracterizadas por preços mais elevados.

“E hoje – revelado na apresentação do relatório anual – As ofertas disponíveis no mercado livre parecem pouco atrativas em comparação com vários serviços regulamentados, Geralmente é caracterizado por preços elevados.

Mais do que um relacionamento, é uma frase. Da condenação: A abertura do mercado deveria ter levado os operadores a competir entre si, tornando os serviços mais eficientes para que ofereçam preços progressivamente mais baixos para ganhar quotas de mercado. Isso não aconteceu, segundo Bisgeni.

Qual julgamento pesa mais, dado que Chega uma semana após a transição para o mercado livre para todos os consumidores que permaneceram no mercado “protegido”.“. Uma opção que atualmente não parece muito útil para as famílias italianas.

E por que não existem ofertas vantajosas oferecidas pelas operadoras no mercado livreou? Também neste caso a resposta de Bisighini no Parlamento foi clara: os operadores preferem “uma narrativa capaz de valorizar elementos adicionais no preço em relação ao fornecimento de energia, Fazer escolhas que nem sempre são economicamente racionais.

READ  Mudanças significativas no uso e valor do título da casa a partir de 2023

As operadoras preferem se concentrar em serviços adicionais em vez de proporcionar economias tarifárias

Por outras palavras, as empresas que vendem fornecimento de electricidade preferem concentrar-se em serviços adicionais que podem nem sequer ser utilizados. Cobrando taxas de juros muito baixas.

Tudo isto enquanto no primeiro semestre de 2024 os italianos voltaram a pagar as contas mais caras da Europa em países com economias mais avançadas. Os dados pioram para 2023 – como enfatizou Bisighini no seu relatório – já que a Alemanha pelo menos nos ultrapassou.

Outro elemento também aparece. Os consumidores (além de mal informados) não recebem assistência na escolha entre tarifas fixas ou variáveis. Sempre de acordo com Arera em 2023 Dois em cada três consumidores (66,8%) prefeririam, num mercado livre, um contrato de preço fixo Comparado aos 33,2% que escolheram a variável.

Mas nos últimos anos, incluindo 2023, As ofertas mais vantajosas foram aquelas com preços variáveis (que acompanham a tendência do mercado atacadista) em relação aos fixos. Os clientes nacionais pagaram em média 150 euros por megawatt hora menos do que em 2022.

Somente no início de 2024 surgiram também as primeiras exibições distintas do fixo em relação à variável. Conseguirão as empresas “convencer” os clientes de que é melhor gastar mais alguns euros mas saber quanto gastam por mês? É uma sabedoria que ainda não deu frutos, exceto para as empresas de energia.

– Assine nossa newsletter e nosso canal YouTube