Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Como as mudanças climáticas afetam as epidemias

Como as mudanças climáticas afetam as epidemias

Um estudo publicado na Nature nos diz como um efeito do aumento da temperatura é que a transmissão de vírus entre espécies é maior do que nunca em contato próximo. É por isso que precisamos investir no controle de patógenos e também na biodiversidade

Quem vê a mudança climática como a catástrofe mais grave e iminente tende a culpar esse fenômeno em qualquer direção em que se agrave nos mais diversos setores. Um exemplo disso é a previsão de que devido ao aquecimento global seremos mais afetados por patógenos e, portanto, o número de epidemias que podemos esperar aumentará, além do que é causado pelo mero aumento numérico e nossas invasões de ambientes naturais. Mas é realmente possível prever tal efeito do aquecimento global contínuo?

Tente responder a esta pergunta um secente trabalho publicado na Nature em abril deste ano. Os autores deste trabalho primeiro tentaram modelar a mudança na distribuição causada pelo aumento projetado da temperatura para 3.139 espécies de mamíferos terrestres. O calor, previsivelmente, levará de fato todas as espécies a se deslocarem em busca do clima mais adequado ao seu nicho ecológico, dado o efeito da temperatura na sobrevivência de muitas espécies; Os autores tentaram modelar essas mudanças, juntamente com as mudanças correspondentes no uso da terra pelos humanos, entre agora e 2070..

Os cenários derivados desta análise permitem-nos destacar a aglomeração das espécies consideradas em novos grupos em altitudes elevadas, em novos hotspots de biodiversidade e, sobretudo, em regiões densamente povoadas, tanto na Ásia como efeito da alta temperatura Calor.. na África. Em contraste, escrevem os pesquisadores, isso resultaria na transmissão interespecífica de vírus que nunca estiveram em contato próximo, para um total de aproximadamente 4.000 eventos de transmissão em excesso no período considerado pela análise.

READ  Remedios Faro, pintor espanhol de magia, misticismo e ciência

Além disso, devido à sua capacidade de se espalhar rapidamente por longas distâncias, os morcegos em cenários típicos representam a fonte da maioria das espécies cujos vírus saltam e provavelmente guiarão os vírus ao longo de caminhos evolutivos que facilitarão seu futuro. em humanos. Por fim, os pesquisadores alertaram que, pelo que pode ser inferido de seus modelos, uma transição ecológica e epidemiológica causada pelo aquecimento global já está em andamento e que manter o aquecimento abaixo de 2°C até o século 21 não reduzirá significativamente o envolvimento viral no futuro.

Neste ponto, algumas considerações devem ser feitas. Em primeiro lugar, como sempre neste tipo de estudo, os detalhes da previsão – o número de eventos indiretos, por exemplo, bem como a velocidade com que eles aumentarão – estão intimamente relacionados às variáveis ​​cuja estimativa, bem, sofre muito: A distribuição de novos nichos ecológicos, por exemplo, é fundamental, assim como a modelagem correta do compartilhamento de vírus entre espécies hospedeiras compatíveis ou a previsão do uso futuro da terra por humanos.. Após esta consideração de precaução ter sido feita, no entanto, ainda há uma tendência que é difícil de contestar: uma redução geral dos habitats de muitas espécies levará a uma maior sobreposição entre espécies não humanas e a área com maior densidade de organismos. população.
Qualquer que seja a taxa de derramamento produzido, inevitavelmente aumentará em maior extensão do que já teria ocorrido devido à superpopulação humana e à invasão ambiental: Então sim, a previsão de quem vai levar ao aquecimento global também está correta.

Há também mais a considerar. O trabalho se concentra em observar eventos de dispersão humana começando com mamíferos terrestres; Mas antes de tudo, existem outras classes de vertebrados que são capazes de nos infectar, começando com as aves, em segundo lugar, os vírus também podem cuidar de espécies de mamíferos domésticos que são muito importantes para nós e, finalmente, não existem apenas patógenos virais, mas também patógenos bacterianos ou núcleo verdadeiro. Em todos os casos, aplicam-se as mesmas influências e o mesmo tipo de considerações presentes na obra citada pelos autores; Assim, os riscos são geralmente maiores do que os discutidos nesse artigo e podem ser expandidos para considerar patógenos em nossas plantas nativas. Que conclusão deve ser tirada? Conforme declarado pelos pesquisadores: Os resultados destacam a necessidade urgente de vincular a vigilância de patógenos emergentes com investigações de biodiversidade, levando em consideração as mudanças na distribuição e densidade de espécies, particularmente nos trópicos que contêm os patógenos mais potencialmente zoonóticos e sofrem. aquecimento rápido; Somente esta vigilância é capaz de permitir uma possível reação mitigadora; Porque as mudanças climáticas já chegaram e os efeitos esperados já começaram.

READ  Prêmio Nacional Mulher da Ciência, dia 9 de novembro na EXMA