Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Biden abraça Zelensky em Kiev, ‘Putin falhou’ – O Mundo

O presidente dos EUA, Joe Biden, chegou a Varsóvia após uma visita histórica a Kiev.

(Escrito pela repórter Ana Lisa Rapana)

A sirene de Kiev soa no final da manhã, enquanto Joe Biden e Volodymyr Zelensky atravessam a praça em frente à Abadia de Saint-MichelNo coração da capital ucraniana.

O Presidente dos Estados Unidos acaba de chegar à cidade para uma visita surpresa que surpreende a todos. E foram justamente esses assobios que interromperam o momento histórico, lembrando que sob um céu azul e um sol quente, quase de inverno, Biden veio abraçar o líder de um país em guerra. O Comandante-em-Chefe veio reiterar o “apoio inabalável” dos Estados Unidos, “para sublinhar o nosso compromisso inabalável com a democracia e a soberania e integridade territorial da Ucrânia”.

Para confirmar que a América permanecerá ao lado de Kiev “enquanto for necessário”, na véspera do aniversário da agressão russa, 24 de fevereiro de 2022. Um evento muito simbólico, além da imagem simbólica deste evento histórico. Hoje o abraço entre Biden e Zelensky permanecerá diante de uma parede de rostos: centenas e centenas de fotos, de homens e mulheres, de ucranianos que morreram em batalha desde 2014. Este dia também marca o nono aniversário da Revolução de Maidan e o comemora-se o dia dedicado aos “heróis”, vítimas da repressão daquela revolução. .


O carinho dos dois líderes Perceptível ao caminhar no centro de Kiev. Então, no Palácio Mariinsky, Biden anuncia um novo pacote de ajuda de meio bilhão de dólares: incluirá mais equipamento militar, incluindo munição de artilharia e mais dardos e obuses. Ele revela que eles conversaram com Zelensky sobre “armas de longo alcance e armas que ainda podem ser fornecidas à Ucrânia”. Mas, acima de tudo, elogiou o heroísmo e a coragem dos ucranianos, lembrando aquele telefonema com Zelensky há um ano, quando as forças russas sitiavam Kiev e tudo parecia perdido: “Você me disse que podia ouvir explosões ao fundo. Eu nunca vou esqueça isso.” Eu perguntei a ele: O que posso fazer? Fazer? E você me respondeu: Reúna os líderes para apoiar a Ucrânia, diga-lhes para apoiar a Ucrânia. Um ano depois, Kiev está resistindo, resistindo à democracia, e o mundo está resistindo Você. Putin achava que a Ucrânia era fraca e o Ocidente estava dividido.

READ  Este é meu pônei Draghi

Ele pensou que poderia nos vencer. Mas ele estava muito errado e agora está falhando.” O rosto de Volodymyr Zelensky mostra a consciência da magnitude do momento: “Esta visita nos aproxima da vitória,” ele diz, “É a visita mais importante em toda a história do relações entre a Ucrânia e os Estados Unidos.” Seus resultados serão mostrados no campo de batalha”, diz ele. Ele acrescenta: “Esperamos que este ano de 2023 seja um ano de vitória.” Zelensky desejava desesperadamente este momento: Kiev solicitou uma visita de Biden, que, segundo fontes do governo ucraniano, foi preparada em pouco tempo, cerca de uma semana, no mais estrito sigilo, pelos canais dos colaboradores mais próximos do presidente, seu chefe de gabinete Andrei Yermak e o ministro das Relações Exteriores Dmytro Kuleba. Washington pensou no resto de sua parte para reduzir os riscos a um nível “administrável”.

O Conselheiro de Segurança Nacional dos EUA, Jake Sullivan, sublinhou que a missão é “histórica e sem precedentes nos tempos modernos”, mas também “arriscada”, revelando que os russos foram avisados ​​com apenas algumas horas de antecedência para evitar “acidentes” que pudessem levar a um ataque directo confronto entre as duas potências nucleares. No entanto, valeu a pena, se é que alguém poderia comparar esta visita à sua visita ao Muro de Berlim em 1961, em plena crise com a então União Soviética, pelo seu poder simbólico.

Depois, há o valor desse esforço por um caminho para a paz – não confirmado oficialmente, mas dado como certo por muitos neste momento – se for verdade, como Sullivan relata novamente, que os dois líderes em conversa confrontam o assunto “os próximos meses de guerra”, sobre o que a Ucrânia precisa para se defender, “mas também sobre o processo” para uma paz justa e duradoura.

READ  Kiev corre o risco de ser demitida pelos russos - Corriere.it

O calendário dos próximos dias define melhor a importância da missão de Biden: nas próximas horas haverá o tão esperado discurso de Vladimir Putin ao Parlamento sobre o que Moscou descreve como uma ‘operação militar especial’ na Ucrânia, enquanto os EUA líder, pouco depois, Ele se dirigirá ao mundo inteiro do castelo em Varsóvia. As expectativas também estão crescendo para os esforços de mediação da China: amanhã, o enviado de Pequim, Wang Yi, aparecerá no Kremlin para falar sobre o plano de paz de Xi Jinping, e o próprio presidente chinês falará no primeiro aniversário do conflito. Tudo fica claro em Kiev quando a coletiva de imprensa conjunta de Biden e Zelensky termina, que durou uma hora e meia no total. Pouco tempo depois, o presidente dos EUA deixa DC. Faltam menos de seis horas, mas a marca deixada na história pode ser indelével. Enquanto no “Beco dos Bravos” de Kiev, há uma placa com o nome do presidente americano junto com a data de início da invasão russa e a data de hoje.