Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Banco de alimentos infeccioso, instituições de caridade ocupadas no Algarve destroem turismo português

Faraó, Portugal (Reuters) – Carla Lazerta ganhava um bom salário vendendo itens não tributários durante as férias no Aeroporto do Algarve, no sul de Portugal, mas perdeu o emprego em agosto passado devido à epidemia de Covit-19 e rapidamente ficou sem dinheiro para alimentá-la dois filhos.

O homem de 40 anos agora recebe cerca de 500 euros (US $ 587) por mês em seguro-desemprego, sem escolha a não ser fazer fila para doações de alimentos.

“Nunca pensei que estaria nesta situação”, disse Lazerta enquanto esperava por leite, legumes e outros produtos essenciais na instituição de caridade Refut do Faraó, capital do Algarve. “Lamento ter chegado a este ponto, mas não tenho vergonha.”

Lazerta foi uma das milhares de pessoas que viraram de cabeça para baixo pela epidemia, que devastou o turismo na área ensolarada de Alcarve e deixou muitas de suas famosas praias e campos de golfe desertos.

O banco alimentar do Algarve, que conta com dois armazéns na zona, serve agora 29 mil pessoas, mais do que o dobro do número pré-epidemia.

“É a primeira vez desde o lançamento do Banco Alimentar em Alcarve”, disse o seu presidente, Nuno Alves, que os voluntários distribuíram alimentos a motoristas de várias instituições de solidariedade social que aguardavam nos seus carros.

Alves disse que a pobreza está se espalhando por toda a classe média, com os principais setores do turismo sendo os mais atingidos. Muitos negócios precisam ser fechados, alguns não reabertos.

Em fevereiro, o número de pessoas inscritas como desempregadas no Algarve era 74% superior ao do ano anterior, mais do que em qualquer outra região portuguesa.

‘Going Hungry’

Na agência Fore da Reputo, que recolhe alimentos indesejados em restaurantes e supermercados e os distribui aos necessitados, 172 famílias fazem fila semanal para abastecimento, um aumento de 160% desde o início do surto.

READ  Hellas Verona-Roma, outra novidade do mercado

“Ajudamos um arquiteto, um professor, uma enfermeira, uma assistente social”, disse a coordenadora Paula Mathias. “Simplesmente veio ao nosso conhecimento então. Eu sou mãe, não consigo imaginar o que é não ter um prato de comida para dar aos seus filhos. ”

Um homem não identificado na casa dos trinta disse à Reuters que havia perdido seu emprego como personal trainer para estrangeiros ricos devido à epidemia de Covit-19, que também ceifou a vida de seu irmão e sobrinho.

Para pagar as contas, vendeu de tudo, desde seu menor carro até um aquário, mas em janeiro teve que pedir ajuda à organização social MAPS, que agora o alimenta, e recebeu apoio psicológico após tentar levar o seu. vida.

“Tentei ser forte, mas não consegui”, disse ele. “O apoio do governo nunca veio. Eu não conseguia sair da situação.”

A vice-presidente da MAPS, Elsa Cardoso, disse que a demanda por ajuda continua crescendo e que alguns dos que trabalharam na indústria do turismo estão agora sem teto.

“A cada dia há mais e mais pessoas que não conseguem se sustentar e estão sendo despejadas”, disse Cardoso, acrescentando que as coisas podem demorar um pouco para melhorar.

Portugal está sob um segundo forte bloqueio desde janeiro e agora está abrandando gradualmente.

Denise Doll, uma aposentada britânica, disse que sua própria organização, a East Algorithm Families in Need, estava distribuindo comida às vítimas que a ajudaram no trágico processo após perder seu marido, Derjee, para o Covit-19 em dezembro.

“Não sei o que teria acontecido se não fosse por mim”, disse Doll, que vive em Tuaregue, acrescentando que a situação no Alcarve continua a piorar.

READ  O (traiçoeiro) sorriso de poder. Que "coisas" da TV são minhas

“Sem turistas este ano, esperamos que mais famílias passem fome.”

($ 1 = 0,8522 euros)

Relatório Caterina Demini; Reportagem Adicional de Miguel Pereira e Point Nunes; Compilado por Andre Khalif e Gareth Jones