Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Aqui está quem desce e quem sobe

Aqui está quem desce e quem sobe

(do buldogue) O tema foi levantado por Mateus Renzi E Madeleine Morgante Nas últimas horas, e em dois momentos distintos na imprensa: a Europa tem um problema grave que não está relacionado com a véspera das próximas eleições continentais. Este é o berço vazio da velha Europa aprovada por dados Nações Unidas. Entre os grandes países europeus, com uma população de mais de 40 milhões de habitantes, apenas a Polónia está a crescer a um ritmo significativo: em 2023 a sua população era 2,93% maior do que em 2022. Com Varsóvia, a Turquia está em terreno positivo (mais 0,56%). , Reino Unido (mais 0,34) e França (mais 0,2%).

Os outros grandes países estão todos em território negativo: a Alemanha perdeu 0,09% da população, a Itália 0,28% e a Espanha 0,08%.

21 países europeus estão a assistir a um crescimento, enquanto 17 países estão a perder a sua população. A geografia de nascimento equivale à Moldávia (aumento de 4,98%); Eslováquia (aumento de 2,69%); Hungria, liderada por Orbán (aumento de 1,9%); Roménia (aumento de 1,19%) e Luxemburgo (aumento de 1,11%). Depois, há os Países Baixos, a Bélgica, a Suécia, a República Checa, a Áustria, a Suíça, a Dinamarca, a Finlândia, a Irlanda, Chipre, Malta e a Islândia.

A Europa é um berço vazio, até os estados mais pequenos estão em declínio

Países mais velhos como a Itália, a Grécia e Portugal estão em declínio, mas também – e isto é um facto interessante – há outros países jovens por idade média, por data de independência, por desenvolvimento económico: Letónia, Bósnia, Albânia, Croácia, Bulgária, Eslovénia , Sérvia, Lituânia e Estónia.

Algumas notas destes dados: O crescimento demográfico nem sempre parece estar correlacionado com a imigração: a Polónia, a Roménia, a Hungria e a Moldávia não são os destinos mais populares para contrabandistas e imigrantes ilegais. O declínio nem sempre está relacionado com a economia: os países com as dificuldades económicas mais óbvias estão a crescer, assim como aqueles onde a economia real funciona de qualquer forma. Os “novos ricos”, como as repúblicas bálticas, estão em declínio, mas o mesmo acontece com os países emergentes como a Sérvia e todas as antigas repúblicas jugoslavas que ainda não são tão ricas.

READ  Acordo de reestruturação Superbonus e Maxi: Intesa vende 1,3 bilhão de créditos e abre espaço para compras

A segunda nota: espera-se que o quadro político na Europa mude num curto período. A Turquia e o Reino Unido estão fora da união, mas é claro que o peso da Polónia crescerá cada vez mais, e isso mudará as políticas económicas (à custa dos produtores do Mediterrâneo) e as políticas sociais. O que mudará em uma geração? Se o Reino Unido regressar, e talvez a Turquia entre, é claro que a presença italiana nos locais de tomada de decisão será cada vez mais enfraquecida. E ao perder 1,5 milhões de vidas a cada década – como aconteceu connosco no período 2014-2023 – é claro que nos estamos a projectar num papel que é completamente sem importância. Política…

Depois há o luxo: os grandes países têm cada vez mais reformados e menos convidados para os substituir. Mesmo se excluirmos os países com mais recém-nascidos, os números não fazem sentido. Isto significa que a Europa – se não quiser colapsar sob a bomba demográfica oposta – terá de colocar a Segurança Social como um factor comum e, muito antes disso, lançar uma política dura a favor da taxa de natalidade europeia. Subsídios, infra-estruturas, mas acima de tudo o novo clima cultural: parece paradoxal, mas os investimentos hoje são direccionados para apoiar políticas pró-aborto (19% das políticas da OMS vão nesta direcção) em vez de promover sentimentos positivos sobre a taxa de natalidade.

É possível separar estas intervenções das contas do défice de cada Estado-Membro, ou deverá ser criado um fundo único, principalmente para os países onde a contracção da natalidade é mais grave.

O berço vazio na Europa “não é o tema” das próximas eleições

Como e quanto: O próximo parlamento e a próxima Comissão Europeia deveriam cuidar disto, afastando-se dos conflitos ideológicos e abraçando o pragmatismo “desalinhado”. E também porque a Europa sem os europeus ou com os velhos e cansados ​​europeus seria um interlocutor muito frágil no confronto global sobre a luta contra o aquecimento global e a defesa dos direitos individuais e da própria ideia de democracia.

READ  Dodge Hornet, podemos ver em breve um sósia do Alpha Tonale

Assim, as grandes batalhas ideológicas verdes ou a promoção das minorias sexuais serão em vão sob a pressão dos regimes autoritários e ditatoriais que constituem a maioria no mundo.

FacebookTwitterDigitarcom. pinterestLinkedincorrespondência