Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ajuda muito forte contra empresas francesas

“Novo lugar para o conflito” – Na primeira paragem da sua visita à capital norte-americana, Macron esteve na sede da NASA. “Temos no espaço atores malucos, novos estados desonestos e novos ataques híbridos”, disse o presidente francês, destacando que o espaço representa hoje “um novo lugar de conflito”. Macron estressado A importância da ação conjunta da França e dos Estados Unidos Definir normas e regras porque compartilham um compromisso com a ciência e os valores democráticos.

“A aliança com os Estados Unidos é mais forte do que qualquer outra, mas eles não nos usam para lutar contra a China” – O presidente do Eliseu alertou posteriormente para o “risco” de que “Europa e França se tornem uma espécie de variável” na rivalidade entre Estados Unidos e China. Mas Macron enfatizou que a aliança entre a França e os Estados Unidos é “mais forte que tudo”. Em um discurso à comunidade francesa na Embaixada da França em Washington, o presidente francês pediu: “Esforçar-se juntos para viver de acordo com o que a história selou entre nós, uma aliança mais forte do que qualquer outra coisa.”

“Apoio americano corre o risco de dividir o Ocidente” – Voltando aos incentivos fornecidos pela Lei Anti-Inflação dos EUA ao setor de energia renovável, os subsídios dos EUA “arriscam dividir o Ocidente”.

Nos Estados Unidos em visita oficial – Emmanuel Macron, junto com a Premier Dame Brigitte, chegou a Washington na terça-feira. O comandante-em-chefe quis manter a honra da primeira visita oficial desde que Biden tomou posse de Macron, o presidente do país que é “o mais antigo aliado dos Estados Unidos”, e também um dos “líderes mais dinâmicos do Grupo of Seven”, certamente o mais próximo e importante aliado europeu após a saída de Mario Draghi. O evento foi idealizado e projetado para destacar a amizade transatlântica entre os Estados Unidos e a França após uma visita tensa com Donald Trump em 2018.

READ  Ucrânia: Notícias de hoje ao vivo. Zelensky: 'Precisamos de um novo plano Marshall'

arquivos na agenda – Foi um dos primeiros assuntos que o presidente francês tratou no exterior A recente lei anti-inflacionária dos Estados Unidos, que com seus incentivos às renováveis ​​e prioridade “Made in USA” corre o risco de desencadear uma nova guerra comercial com a União Europeia. Entre os assuntos em pauta, que vão desde a guerra na Ucrânia até a China, outra questão espinhosa que deve ser abordada é o preço do gás que os Estados Unidos exportam para livrar a Europa da dependência da energia russa.

O porta-voz de Macron para a indignação da União Europeia – Bruxelas é contra o novo “protecionismo” de Washington e Macron é o porta-voz do descontentamento europeu. Lei de Redução da Inflação O IRA, aprovado em agosto passado, aloca US$ 360 bilhões para energia limpa, com fortes incentivos para empresas que trabalham com energia renovável ou para o número crescente de veículos elétricos, além de fortes subsídios para produtos Made in America. Um esforço semelhante está sendo feito na fabricação doméstica de microchips. Os líderes europeus temem que todas essas medidas Mude a competição Prejudica as indústrias do velho continente e ainda é castigada pelo alto custo da energia. Alguns até o consideram a personificação da Lei Smoot-Hawley, o catálogo de tarifas introduzido nos Estados Unidos na década de 1930 que os historiadores atribuem ao agravamento da Grande Depressão. Além disso, há tensões gás liquefeitovendido pelas empresas americanas A Os preços são 5-6 vezes mais altos aos do mercado interno.

Abertura da Casa Branca – Por enquanto, a Casa Branca está estendendo a mão: “Acolhemos com entusiasmo a discussão sobre a Lei de Redução da Inflação e estamos abertos para ouvir as preocupações dos europeus”, reiterou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca, John Kirby.

READ  Variante Omicron, África do Sul: "Desde os primeiros dados, doença leve, cuidado com os idosos e frágeis"