Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A Itália é produtiva e resiliente porque é menos dependente das cadeias de valor globais • PRESSKIT

A Itália é produtiva e resiliente porque é menos dependente das cadeias de valor globais • PRESSKIT

“A resiliência da Itália é resultado de uma estrutura produtiva menos dependente das cadeias globais de valor, em particular as mais afetadas nos últimos dois anos, mas também da reconstrução do sistema produtivo moldado pelas crises dos últimos quinze anos, a partir da finanças internacionais de 2008, que permitiram a sobrevivência das empresas mais sólidas. Não considerá-las o suficiente poderia levar instituições internacionais e agências de classificação a subestimar a capacidade da Itália e, portanto, entrar em conflito com os dados reais da economia real.”
Isto foi afirmado pelo Secretário-Geral da Competere.EU (www.competere.eu) Ao apresentar o documento de posição do Centro de Pensamento emitido hoje. Race também é um dos representantes italianos do B20, o fórum empresarial da “Confindustrie” do G20.

Rees explica: “Nas últimas semanas, muito se discutiu sobre a avaliação do rating soberano pelas principais agências internacionais, avaliação que tem impacto decisivo na credibilidade do país e no interesse que pode gerar entre os investidores internacionais. Este momento crucial costumava ser muito temido, mas desta vez é diferente porque a situação econômica da Itália está melhor do que no passado.
Com efeito, na fase de recuperação pós-pandemia, o nosso país apresenta uma boa capacidade de recuperação, apresentando também uma maior resiliência face ao que se observa em outros grandes concorrentes europeus (principalmente França e Alemanha).
Os principais analistas internacionais tiveram de rever frequentemente as estimativas de crescimento para a Itália, que conseguiu gerir dificuldades num contexto internacional de grande incerteza, e importantes estrangulamentos nas cadeias de valor globais, devido a problemas relacionados com o abastecimento de gás (a Itália é um dos países mais dependentes da Rússia gás), bem como as questões geopolíticas mais difíceis no rescaldo do conflito Rússia-Ucrânia.
Nas últimas semanas, tanto o Fundo Monetário Internacional quanto a Comissão Européia, que não foram iguais ao nosso país, corrigiram suas avaliações anteriores sobre o crescimento do PIB italiano, elevando-as. Em particular, a Comissão Europeia estimou uma variação do PIB de 1,2% para 2023 – superando inclusive a previsão do governo publicada no DEF de abril – e melhorando de 0,6% em fevereiro e até 0,3% projetado no outono.
Os números das Contas Nacionais – e estão escritos no position paper – dão conta de um facto incontestável: um crescimento nos últimos dois anos que mais do que compensou a quebra de 2020, e um forte apoio aos investimentos, não só na construção. Para melhor interpretar essas tendências, é necessária uma leitura integrada que combine fatores de natureza cíclica com elementos mais estruturais”.

READ  O G20 na Índia e o “mal sombrio” que Saviano adora, mas a máfia indiana não é a italiana. É por isso - Mao

Essencial para minar os falsos mitos que tendem a desacreditar a Itália aos olhos de muitos investidores internacionais e limitar a atração de investimentos ao pintar uma imagem distorcida da Itália.
“A liderança industrial e as características únicas de nossa economia – explica Race – exigem que trabalhemos juntos como um ‘sistema de país’ para minar alguns dos falsos mitos que tendem a desacreditar a Itália aos olhos de muitos investidores internacionais.
Uma estratégia de comunicação eficaz, precisa e ampla, destinada a tornar a Itália mais conhecida além das fronteiras nacionais, ajudaria a melhorar a reputação e a fazer justiça ao nosso país.
Uma campanha que destaca os pontos fortes e também motiva a Invitalia a fazer mais do que tem feito nos últimos anos.
Algo além dos clássicos road shows do Tesouro do MEF feitos ao longo dos anos para vender nossa dívida pública.
Pode ser implementado pelo governo, em colaboração com entidades de classe como ABI, Confindustria, Ance, Confcommercio, Coldiretti, Confagricoltura e as principais instituições financeiras, a começar por Intesa Sanpaolo, Unicredit e Generali.
Por fim, uma iniciativa desse tipo ajudaria – conclui Reis – a trazer para a Itália novos investidores estrangeiros que são um recurso importante, capaz de melhorar a qualidade do tecido produtivo e posicionar nossa indústria nas cadeias de abastecimento globais internacionais.

A Itália estava no auge
“A manufatura italiana – explica Reis – ainda ocupa o sétimo lugar no mundo em termos de valor agregado, uma posição particularmente alta, considerando o tamanho (em termos de área e população) em comparação com as maiores economias do mundo. E a Confindustria tem razão em reivindicá-la.
Além disso, poucos sabem que nosso sistema de produção ocupa o terceiro lugar no mundo em termos de diversificação da produção: a Confindustria sempre calculou que exportamos 4.728 produtos, como a Alemanha, e estamos um pouco atrás do Reino Unido. A maior diversificação produtiva é reflexo da capacidade dos nossos empresários para responder a uma procura global em rápida diversificação, para explorar as oportunidades em termos de capital humano e de competências artesanais, para investir em fábricas e máquinas que permitam produzir ainda mais. bens diferentes entre eles.
De fato, a Itália fabrica produtos acabados e componentes que vão desde a mais alta tecnologia (aeroespacial, microeletrônica) até o tradicional Made in Italy (alimentos, têxteis, roupas, móveis, etc.). Nas exportações, outro ponto forte do país, a Itália está entre os maiores exportadores mundiais (com uma participação de exportação de 30% do PIB), em segundo lugar em competitividade exportadora, com excelência em diversas produções e liderança mundial em mercados de escoamento. A nossa indústria apresenta uma taxa de investimento superior à dos nossos principais concorrentes europeus, incluindo a Alemanha. Isso possibilita a produção de bens de maior qualidade e até mesmo com alto conteúdo tecnológico.
De fato, a Itália não exporta apenas produtos “tradicionais”, como muitos observadores internacionais acreditam. Por exemplo, é o quinto país do mundo em valor de exportações no setor de aviação.
Em um mundo que caminha para uma transformação ambiental – a corrida continua – onde os sistemas econômicos devem ser cada vez mais sustentáveis ​​do ponto de vista ambiental, a Itália mostra uma posição de liderança: de fato, nosso país é aquele com a maior taxa de reciclagem total de resíduos urbanos (79,4%), com um valor muito acima da média europeia (48,6%), Alemanha (69,1%), França (66,2%) e Espanha (48,7%). Segundo a Fundação Symbola, isso permite reduzir as emissões anuais em cerca de 23 milhões de toneladas equivalentes de petróleo e 63 milhões de toneladas equivalentes de dióxido de carbono. A indústria manufatureira italiana, graças à contribuição dos materiais secundários da recuperação nacional aos quais se somam os materiais secundários importados e os da recuperação interna, atinge uma taxa circular (ou seja, a razão entre os materiais secundários reciclados e os materiais totais – primeiro e segundo empregados) equivalem a cerca de 50%.
Se olharmos para o aspecto cultural, nosso país é o primeiro do mundo em número de sítios “Patrimônio da Humanidade”: de 1.154 sítios reconhecidos pela UNESCO em 167 países do mundo, 58 deles estão na Itália, seguidos pela China (com 56) e Alemanha (51), França e Espanha (49).
A Itália ocupa o primeiro lugar na Europa em termos de produtos agroalimentares e vitivinícolas registrados e protegidos: com 842 classes, 581 DOP, 257 IGP, 4 TSG. Segue-se a França (696), Espanha (344), Grécia (260) e Portugal (182). Os produtos DOP e IGP contribuem com 21% das exportações do setor agroalimentar italiano, que em 2021 alcançou o recorde histórico de exportações com um valor próximo a 52 bilhões (+11%).
Por último, mas não menos importante, Istat – explica Race no documento de posição do think tank – calculou o patrimônio líquido das famílias italianas e afirmou que em 2021 era de cerca de dez trilhões de euros, mais de cinco vezes o valor do PIB nacional e quase nove vezes o valor disponível renda. De facto, é esta última que coloca as famílias italianas entre as mais económicas do mundo: o rácio entre riqueza líquida e rendimento disponível é superior ao observado em França, Canadá, Alemanha, Reino Unido e Estados Unidos e representa um ativo que pode ser utilizado em momentos de crise e perda de poder de compra, como a crise atual devido à inflação alta.

READ  Adeus ao paraíso fiscal e acabe com as deduções fiscais para estrangeiros

Leia as últimas notícias em www.presskit.it

Você também pode estar interessado em: Aumento do volume de vendas, mas não da receita, devido aos preços insanos da energia. A indústria ainda está em crise

Siga-nos no Facebook https://www.facebook.com/presskit.it

Siga-nos no Sphero: https://sfero.me/users/presskit-quotidiano-on-line

Siga-nos no Telegram https://t.me/presskit