Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A ira da China com o acordo EUA-Reino Unido-Austrália: ‘totalmente irresponsável’

Pacto de segurança (mas obviamente contra a China) – Austrália, Reino Unido e Estados Unidos anunciaram a criação de uma nova aliança de segurança, que ajudaria a equipar Canberra com submarinos nucleares. O acordo, chamado Aukus, afetará as relações na região Indo-Pacífico e além. Ao anunciar o acordo, nenhum dos líderes dos três países mencionou a China, mas a aliança é amplamente vista como um movimento anti-China.

A Austrália terá submarinos nucleares graças aos Estados Unidos – Pelo acordo, a Austrália construirá pelo menos oito submarinos nucleares usando tecnologia dos EUA e cancelará um contrato com a França para submarinos elétricos a diesel. De acordo com especialistas, os futuros submarinos permitirão que a Austrália conduza patrulhas mais longas e dará à coalizão uma maior presença militar na região. O primeiro-ministro Scott Morrison disse que ligou para os líderes do Japão e da Índia para explicar o acordo. Já existe um diálogo estratégico entre Japão, Índia, Austrália e Estados Unidos, o Diálogo Quadrilateral de Segurança conhecido como “Quarteto”.

Os Estados Unidos estão expandindo sua presença na região Indo-Pacífico Há dez anos, durante a gestão do presidente Barack Obama, os Estados Unidos começaram a discutir a necessidade de dar mais atenção à região do Indo-Pacífico à medida que ela se distanciava dos conflitos no Oriente Médio. Sob a presidência de Biden, o país retirou suas tropas do Afeganistão e experimentou tensões crescentes com Pequim. No Pacífico, os Estados Unidos e outros países estão preocupados com as ações agressivas da China no Mar da China Meridional e as tensões com o Japão, Taiwan e Austrália. Anteriormente, os Estados Unidos só compartilhavam tecnologia de propulsão nuclear com Londres. O que está em jogo é manter a paz e a estabilidade de longo prazo na região do Indo-Pacífico, disse Biden.

READ  Biden e Trump entregam documentos sobre o ataque ao edifício do Capitólio

Londres deixa a UE e abraça a política externa dos EUA Sair da União Europeia com o Brexit significa que o Reino Unido precisa reafirmar sua posição global. Neste contexto, o foco crescente no Indo-Pacífico está incluído. O primeiro-ministro Boris Johnson disse que a nova aliança permitirá que os três países se concentrem em uma região cada vez mais complexa do mundo. Acrescentou que tem mais probabilidade de ligar os três países do que nunca, falando de um “pilar estratégico”.

A França chama a decisão de Biden de ‘brutal’ A Austrália disse a Paris que rescindiu o contrato com o grupo de fuzileiros navais DCNS para construir 12 dos maiores submarinos convencionais do mundo. Os contratos valem dezenas de bilhões de dólares. A França reagiu com raiva, pedindo explicações a todos os atores envolvidos: “Foi uma punhalada nas costas. Construímos uma relação de confiança com a Austrália, que foi traída”, disse o ministro das Relações Exteriores, Jean-Yves Le Drian, em declarações à França Em formação. “Esta decisão unilateral, brutal e imprevisível é muito semelhante ao que Trump fez”, continuou Le Drian, falando de Biden, uma “facada nas costas” contra um aliado da OTAN. “Fomos avisados ​​antes do anúncio”, confirmou a Casa Branca, mas Paris negou. A mão estendida de Joe Biden e Boris Johnson é inútil, assim como a justificativa da Austrália, segundo a qual foi uma escolha necessária porque os submarinos de propulsão nuclear (mas sem armas atômicas) têm maior autonomia e velocidade, e portanto uma maior e menor gama detectável de ações por radar.

Profundamente insatisfeito com Bruxelas, a União Europeia fala sobre um exército conjunto novamente – Bruxelas também ficou chocada com a nova aliança, que provavelmente será um tópico de discussão no próximo Conselho Externo da UE. O Alto Representante da União Europeia, Josep Borrell, apresentou à imprensa a nova estratégia europeia para a região Indo-Pacífico, incluindo a hipótese de “reforço” do destacamento de forças navais na região pelos estados membros da UE.

READ  Organização não governamental, barco de migrantes perdido que chegou à Tunísia - Altima Ora

Pequim avisa a Austrália: ‘Determine se somos parceiros ou inimigos’ – De acordo com Pequim, a aliança AUKUS prejudicará seriamente a paz e a estabilidade regionais e prejudicará os esforços para impedir a disseminação de armas nucleares. Para a China, os EUA e o Reino Unido exportam tecnologia nuclear e culpam a Austrália pela crise nas relações bilaterais é “extremamente irresponsável”. O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, disse que “o objetivo mais urgente é que a Austrália reconheça adequadamente as razões da desaceleração nas relações” e “reflita cuidadosamente se a China deve ser tratada como parceira ou como uma ameaça”. As tensões com os Estados Unidos já aumentaram devido às críticas aos abusos dos direitos humanos da população uigur em Xinjing, à repressão aos dissidentes em Hong Kong e aos abusos de computador. Biden falou ao telefone na semana passada com seu homólogo, Xi Jinping. Mais tarde, a Agência de Notícias Xinhua informou que Xi expressou preocupação com o fato de as políticas de Washington em relação à China terem causado “sérias dificuldades” nas relações.