Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Aukus, como funciona o eixo anti-China nos EUA, Reino Unido e Austrália

Submarinos com propulsão nuclear para a Austrália, para fortalecer significativamente a presença dos EUA e do Ocidente na Ásia e conter os objetivos da China. Joe Biden revelou uma nova aliança militar no Pacífico, apelidada de Aukus, que verá os Estados Unidos e a Grã-Bretanha equiparem Canberra com a tecnologia exata necessária para se equipar com uma frota de submarinos atômicos, embora armados com mísseis de cruzeiro com ogivas convencionais.

A dura resposta de Pequim não demorou a chegar. Ela atacou a Guerra Fria e a mentalidade “irresponsável” e questionou o compromisso da Austrália com a não proliferação nuclear, da qual é signatária.

download…

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores, Zhao Lijian, disse que a China vai “monitorar a situação” e pediu aos três países que abandonem “conceitos ultrapassados ​​e respeitem as aspirações dos povos da região” ou “isso prejudicará seus interesses”. No acordo tripartido, mas o objetivo de Biden é claro.

Washington x Pequim e Ásia como teatro de confronto

Em seu anúncio de Aukus da Casa Branca, junto com o líder britânico Boris Johnson e o primeiro-ministro australiano Scott Morrison, ele enfatizou que queria preservar um “Indo-Pacífico livre e aberto” e lidar com o atual “clima estratégico”. Washington condena com preocupação crescente a agressão de Pequim, desde a Rota da Seda na economia até suas reivindicações agressivas às ilhas disputadas no Mar da China Meridional e ameaças a Taiwan.

Há muito que começou a se deslocar em direção à Ásia, que agora acelerou a retirada do Afeganistão, como o centro das prioridades geopolíticas, nomeando a China como o principal adversário estratégico. Nos dias seguintes, Biden também realizou o Quadruple Forum, o fórum que inclui os Estados Unidos, Japão, Índia e Austrália, na Casa Branca, e o recém-nascido Okus reflete esse ponto de inflexão. Os novos submarinos terão alcance ilimitado, serão capazes de penetrar no Mar da China Meridional e em Taiwan, operar em silêncio absoluto e ser difíceis de interceptar, com potencial para os Aliados conduzirem manobras navais na região que mudam fundamentalmente o equilíbrio militar no região.

READ  A França está cada vez mais irritada: "Ocos afetará o futuro da OTAN, Biden é como Trump"