Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A economia está em crise, mas as bolsas oscilam … “Cuidando do futuro”

Lugano – Estamos em um período de crise econômica muito forte, por conta da pandemia, mas mesmo assim as bolsas globais estão batendo recordes, com cada vez mais gente decidindo investir.

Portanto, é importante nos perguntarmos se esse otimismo nos mercados financeiros é realmente justificado, especialmente diante de uma crise pandêmica sem fim que pode deixar rastros indeléveis.

Ele foi discutido hoje em mesa redonda virtual organizada pela Ticino Banking Association (ABT) sobre o tema da euforia das bolsas de valores.

As bolsas de valores olham para o futuro

Segundo Stefano Ambrogi, Head of Investment Advisory da Julius Bär & Co Lugano, é importante frisar que as bolsas não olham para o presente, mas para “prever o amanhã”, uma vez que ele lidera as bolsas. É por isso que observamos “uma desconexão entre a economia real (que está tendo dificuldades) e o desempenho das bolsas de valores, que percorreram um caminho muito forte após as quedas de março de 2020”.

Além disso, as bolsas de valores “odeiam a incerteza” e, quando governos e bancos centrais falaram explicitamente em apoiar a economia, isso deu mais confiança ao mercado de ações, fazendo com que as bolsas explodissem e, portanto, o apetite dos investidores.

Assim, segundo o especialista, espera-se uma recuperação perceptível no futuro: “Vemos alguns catalisadores que nos mostram que a economia vai bem”.

Cuidando do futuro

Antonio Meli, professor de finanças da USI e pesquisador do Swiss Financial Institute, é mais cético. Dada a importância das intervenções globais, é “natural” que os mercados financeiros reajam. É claro que uma intervenção estatal tão massiva (como no caso dos EUA) está deixando o mercado de ações superaquecido, e é difícil imaginar uma retração antecipando tais taxas de crescimento.

READ  Invasão chinesa de tomate. Até o final do ano representarão 15% da produção nacional

Por outro lado, “vamos lembrar que o apoio do Estado pode durar alguns anos, mas então a economia terá que encontrar seu próprio caminho” e, portanto, “precisamos analisar o que os bancos estão fazendo agora, se avisar Millie, quem está preocupado com a divisão na Europa Neste momento, entre as periferias (Portugal, Espanha, Itália) e o centro (Alemanha e França), estão a conceder empréstimos.

É sabido que “a política certamente terá um papel importante em influenciar os rumos da estabilidade financeira”.

A importância do contexto geográfico

Segundo Fabio Bossi, delegado do Banco Nacional Suíço (SNB) à Itália Suíça, não é possível especular se o otimismo se justifica.

Primeiro, Bossi explicou: “Em crises financeiras, o choque é muito mais forte e no longo prazo do que o causado por uma pandemia. A pandemia não vem do setor financeiro e, com a chegada das facilidades, a economia volta a funcionar com consequências que podem variar “positiva e negativamente”.

De acordo com o macroeconomista, então, “a relação entre a economia real e os mercados financeiros deve ser contextualizada”, uma vez que as diferentes realidades “não são todas idênticas”. Quanto à Suíça, o contexto é particular: “algumas empresas suíças estão listadas na Bolsa de Valores da Suíça em Zurique”, especialmente grandes empresas e alguns setores em particular (por exemplo, farmacêutico), “portanto, não é fácil relacionar a direção do economia e isso do mercado de ações ».

Toda a discussão, lembramos você, pode ser consultada (a partir de amanhã) em ABT. Site oficial.