Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A ciência explica como isso acontece

A ciência explica como isso acontece

A habilidade de Sonhar AcordadoÉ um fenómeno complexo e fascinante que caracteriza a experiência humana, permitindo-nos separar-nos da realidade imediata e explorar mundos imaginários e cenários futuros através das nossas mentes. Este processo envolve um processamento cognitivo avançado que combina memória, imaginação e criatividade, criando um espaço mental no qual podemos reviver experiências passadas, antecipar eventos futuros e criar narrativas inteiramente novas sem qualquer estimulação externa direta.

O hipocampo e as ondulações

para’Hipocampo É uma estrutura cerebral profundamente enraizada que desempenha um papel crucial em muitas funções cognitivas, especialmente na formação, organização e restauração das capacidades mentais. recordações. As ondulações acentuadas, as oscilações transitórias de alta frequência que se originam nesta região, têm sido estudadas há muito tempo por seu papel na codificação da memória. Estas ondulações foram observadas em vários estudos com animais, onde foi demonstrado que facilitam a consolidação de memórias durante o sono e reproduzem sequências de atividade neural associadas a experiências anteriores.

O estudo realizado pela Universidade de Osaka, que explorou técnicas avançadas de monitorização cerebral, permitiu que estas observações fossem alargadas para incluir humanos, revelando que Os SWRs estão envolvidos não apenas na memória, mas também em processos cognitivos que levam à geração de ideias independentes da experiência sensorial direta.. Esta descoberta tem implicações profundas, sugerindo que o hipocampo, através de ondulações de pontas, pode ser o centro de uma rede neural maior que apoia a nossa capacidade de sonhar acordado e imaginar cenários alternativos.

Eu estudo

Para explorar a complexa relação entre ondas agudas e pensamentos autogerados, pesquisadores da Universidade de Osaka usaram uma abordagem inovadora e precisa. Eles recrutaram pacientes com epilepsia resistente a medicamentos que precisavam de cirurgia para remover áreas epilépticas do cérebro.

READ  Fantastic Science in Spotorno, tema do concurso literário "Crônicas do futuro profundo" - Savonanews.it

Esses pacientes já eram submetidos a monitoramento cerebral contínuo por meio de eletrodos intracranianos implantados no hipocampo para determinar com precisão quais áreas seriam tratadas cirurgicamente. Durante esse período de monitoramento, que durou até 15 dias, Os pacientes foram solicitados a preencher um questionário detalhado a cada hora sobre seus pensamentos e emoções.

Esta recolha sistemática de dados permitiu aos investigadores correlacionar padrões específicos de actividade cerebral com as experiências cognitivas e emocionais dos pacientes. O rigor metodológico desta abordagem garantiu que os dados recolhidos eram de elevada qualidade e que as conclusões tiradas se baseavam em observações robustas e replicáveis. A utilização de pacientes com epilepsia permitiu uma ampla gama de dados cerebrais, enquanto o cuidado de excluir dados diretamente afetados pela epilepsia garantiu que os resultados também se aplicassem a populações saudáveis.

Sono, memória e sonhos

A análise detalhada dos dados recolhidos revelou descobertas fascinantes e complexas. Os picos agudos foram significativamente mais frequentes durante o sono, período em que o cérebro é conhecido por ser mais ativo na consolidação da memória e na geração de sonhos vívidos.. No entanto, os investigadores notaram que estas ondas não se limitavam ao sono; Também ocorreram durante períodos de vigília em que os pacientes relataram ter pensamentos particularmente vívidos e imaginativos que não estavam relacionados com tarefas específicas.

Esta descoberta sugere que os cabos de aço podem facilitar o surgimento de pensamentos autogerados em diferentes estados de consciência. Além disso, o aumento da atividade das ondas agudas foi associado a pensamentos que os pacientes descreveram como menos desejáveis ​​e menos relacionados a tarefas externas, mas com características de fantasia elevadas. Isto sugere que os SWR não só apoiam a consolidação da memória e da informação, mas também desempenham um papel crucial na modulação da qualidade e do conteúdo dos pensamentos autogerados. Esta relação complexa entre a atividade das ondas de pico e os pensamentos sugere que o hipocampo pode estar envolvido na gestão de uma ampla gama de experiências cognitivas, desde a memória até à criação de novas ideias e cenários imaginativos.

READ  Bonetti: "A ciência hoje precisa de mulheres e um tema central no G20"

Compreendendo os estados psicológicos

As implicações desta descoberta são profundas e vão além da simples compreensão do sonho acordado. Estados cerebrais autogerados, que incluem pensamentos intrusivos e divagantes, têm sido associados a uma variedade de condições mentais, incluindo inteligência, autismo, transtorno de déficit de atenção e hiperatividade (TDAH) e saúde mental geral.

A capacidade de sonhar acordado e de ter ideias vívidas e criativas é frequentemente considerada uma característica positiva da cognição humana e está associada à criatividade e à resolução de problemas. No entanto, quando estes pensamentos se tornam excessivos ou intrusivos, podem contribuir para distúrbios psicológicos debilitantes. A descoberta de que picos no hipocampo estão envolvidos nestes processos oferece novas possibilidades para uma melhor compreensão e tratamento destas condições. Por exemplo, pode ser possível desenvolver intervenções direcionadas que modulem a atividade das ondas de pico para melhorar o controle cognitivo e reduzir pensamentos intrusivos em indivíduos com transtornos mentais. Além disso, esta investigação pode conduzir a novas estratégias para aumentar a criatividade e a imaginação em contextos educativos e de trabalho, melhorando o bem-estar e a produtividade das pessoas.

O hipocampo e os pensamentos autogerados

A importância destas descobertas reside na sua capacidade de fornecer uma base neurocientífica sólida para fenómenos cognitivos complexos que têm sido difíceis de explicar até agora. A relação entre a atividade do hipocampo e os pensamentos autogerados destaca o papel crítico desta região do cérebro não apenas na memória, mas também na geração de pensamentos independentes do ambiente externo.

Esta descoberta abre novas fronteiras para a investigação em neurociências, sugerindo que o hipocampo pode ser um nó central numa rede maior que suporta várias formas de pensamento autogerado, incluindo devaneio, introspecção e criatividade. Além disso, o facto de os resultados deste estudo terem sido obtidos através de uma análise rigorosa e reprodutível dos dados recolhidos em doentes com epilepsia, mas cuidadosamente corrigidos para serem também aplicáveis ​​à população saudável, confirma a fiabilidade e relevância das conclusões.

READ  Ciência nutricional para perda de peso

As semelhanças entre estas descobertas e as de estudos anteriores, que utilizaram outros tipos ou métodos, reforçam ainda mais a validade da abordagem adotada pelos investigadores da Universidade de Osaka. Em última análise, esta investigação não só enriquece a nossa compreensão da dinâmica cerebral subjacente aos pensamentos autogerados, mas também fornece novas perspectivas para o desenvolvimento de intervenções terapêuticas e para a melhoria da qualidade de vida de pessoas com condições mentais complexas.

Continue lendo no MeteoWeb