Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Vitórias de Portugal na luta contra o COVID-19

Pela sexta semana consecutiva, Portugal é o país com o menor número de casos COVID-19 por 100.000 cidadãos na União Europeia. Nenhuma morte foi relatada por vários dias devido ao vírus corona, relatado pela última vez em agosto. Os médicos Sputnik explicaram que esta decisão poderia ser alcançada por quaisquer medidas tomadas.

De acordo com os dadosÚltimo relatório O Centro Europeu de Controle e Prevenção de Doenças (ECTC), Portugal, registrou 75 novos registros positivos para o vírus SARS-CoV-2 por 100.000 pessoas nos últimos 14 dias. A Finlândia está em segundo lugar com 82 casos por 100.000 habitantes, seguida pela Irlanda com 108 novos casos por 100.000 habitantes. Malta (145) e Dinamarca (164) são os seguintes.

Da análise dos dados, a incidência de COVID-19 em Portugal nos últimos 14 dias foi mais elevada entre os 25-49 anos: 93 casos por 100.000 pessoas. Em outras idades, os seguintes casos foram relatados: 86 em 15 a 24 anos, 83 em crianças menores de 15 anos, 62 em 50 a 64 anos, 33 em 65 a 79 anos e 32 em aqueles com mais de 80 anos.

Em fevereiro, Portugal registrou 1.190 casos por 100.000 habitantes em 14 dias, o maior número de infecções na Europa, pior do que Chipre, com seus 962 novos casos no último lugar da classificação hoje. Mas o que mudou em dois meses além do bloqueio imposto às pessoas em caso de emergência.

Marcelo Dixera Matos, médico carioca que trabalha em dois hospitais da região metropolitana de Lisboa, concedeu uma entrevista ao Sputnik na qual destacou os fatores determinantes que partem da retirada gradativa das fechaduras que agora descobriu. Esta é a terceira fase em 278 municípios portugueses.

“Eu acompanho esses números com muito cuidado. Eu entendi que o plano do governo estava organizado da melhor forma possível, ou seja, gradativamente. As pessoas são incentivadas a cuidar de si mesmas, pois qualquer município deseja aumentar o número de casos, de modo que os estágios iniciais voltam ao bloqueio. Definitivamente, esse sistema causou impacto ”, afirma Matos.

Outro fator relevante é a qualidade da vacina Pfizer, amplamente utilizada em Portugal com mais de 1,45 milhões de doses. Seguindo a magnitude da propagação, encontramos AstraZeneca (417.000 dose) e Moderna (157.000 dose). Como evidência de um resumo das infecções, Matos destaca que a Pfizer confirmou boa imunidade, enquanto a vacina estrogênica foi questionada pela farmacêutica europeia devido a supostos casos de trombose.

“A vacina da Pfizer já foi elogiada por meus colegas. Pelo menos aqui em Portugal nunca vi uma segunda infecção depois de ter sido vacinado. Existem também algumas infecções no setor COVID-19 ”, explica Matos.

Por exemplo, durante a semana de 15 a 21 de março, de acordo com dados da Direcção-Geral da Saúde de Portugal, existiam 848 serviços COVID-19 em hospitais, 194 dos quais necessitavam de respiradores. Durante a semana de 19 a 25 de abril, esse número caiu pela metade: 400 internações hospitalares, 106 indivíduos conectados a um respirador.

READ  A Ordem Real nomeia o Embaixador da Arábia Saudita em Portugal

A vacinação de idosos garante que a disciplina dos lares de idosos seja reduzida

Matos afirma que a vacina atinge os segmentos mais idosos e vulneráveis ​​da população. Mais de 3 milhões de medicamentos já foram vacinados em Portugal. 21,75% das pessoas receberam a primeira dose mínima e 8,10% ambas. 91,37% dos portugueses com mais de 80 anos receberam a primeira dose e 58,32% a segunda.

Isso é garantido para reduzir a incidência de infecções entre essas idades. Por exemplo, em 2020, mais de 80.4.476 pessoas morreram de COVID-19. No entanto, esse número subiu para 6.138 nos primeiros dois meses deste ano. Houve uma queda acentuada em março (298), com apenas 48 mortes nessa idade, de 1 a 22 de abril. O número de aposentados foi 2.435 em janeiro-fevereiro, ante 166 em março, e apenas 5 mortes foram registradas nos primeiros 22 dias de abril.

© Sputnik. Laro Neto

Esta placa indica o Centro de Vacinas COVID-19 em Lisboa

Na UE, Portugal é o segundo país com mais de um milhão de mortes nos últimos 14 dias (5,92), atrás da Dinamarca (com 4,98), segundo dados do ECTC. Em terceiro lugar estão a Noruega (6,15), Finlândia (8,14) e Suécia (12,39).

“Não temos nenhum caso grave. Na maioria dos casos eles se preocupam com os jovens porque os idosos estão sendo vacinados. A campanha de vacinação está funcionando muito bem e o número de óbitos após a vacinação em asilos não está em prática”, finaliza Matos.

A Dra. Nair Amaral, que trabalha nas áreas do COVID-19 em Portugal, apontou outros fatores que garantem o sucesso do país nesta área. O médico lembra que para além da melhoria das condições meteorológicas com temperaturas já 20 graus desde o final de fevereiro, este é o país que introduziu este ano as fechaduras de precisão, porque Portugal tem o maior número de casos a nível mundial. Milhões de população no início de 2021.

“Não se registam picos em todos os países ao mesmo tempo. Quando ocorre uma onda num país, não ocorre noutros. Este fenómeno tem hábitos diferentes em países vizinhos como Portugal e Espanha. Aqui apareceu pela primeira vez a variação inglesa, em a meio da onda, causando grandes dificuldades. Depois de décadas de fuga, isolamento, alienação e trancamento severo, Portugal já fez a sua parte e agora merece alguma paz de espírito. ”

O estudo mostra que 15,5% da população possui anticorpos

Além disso, o médico destacou que um dos fatores que contribuíram para o sucesso da saúde de Portugal foi a aquisição da imunidade. A imunidade é adquirida após a vacinação e redução da doença. Conforme declarado nele Dados iniciais da segunda fase De acordo com um estudo serológico nacional dos Institutos Estatais de Saúde de Portugal com o nome de Ricardo Jorge, 15,5% da população portuguesa com idades compreendidas entre 1 e 80 anos já possui anticorpos contra o novo vírus corona, 13,5% dos quais são provocados por infecção.

READ  Europa - Conselho da UE aprova programa espacial de 0,8 14,8 bilhões

Entre os vacinadores, a proporção de indivíduos com anticorpos foi de 74,9%. Esse percentual sobe para 98,5% considerando apenas o número de sujeitos que fizeram os dois níveis há pelo menos uma semana. Na primeira fase do estudo, realizado entre maio e julho de 2020, na ausência de vacinas, os anticorpos eram de apenas 2,9%.

“Estou muito otimista com a imunidade que vem com a vacina ou naturalmente. Isso ajuda a reduzir a propagação do vírus. O clima também desempenha seu papel: quanto mais seco e menos quente, melhor. Portugal tem boas hipóteses de estar aberto no verão, que é a melhor altura para sair de casa ”, explica o médico.

No entanto, sendo Portugal um dos países com menos estatuto positivo para a SARS-CoV-2, existem reservas para os médicos quanto à redução dos casos. Entre os países da UE, Portugal ocupa a 19ª posição, com apenas 2,32 tecidos por 100.000 habitantes por dia, de acordo com dados do ECTC. Chipre, por outro lado, apresenta o maior número de novas infecções nos últimos 14 dias. Em média, ele testa 57 indivíduos por 100.000 pessoas a cada dia.

“Há muito mais infecções do que podemos imaginar. Se alguém espera que os casos diminuam ou parem, é uma ilusão. Eles continuarão a crescer até que toda a população entre em contato com o vírus. Mas estou esperançoso. Apesar da alta ondas, não serão tão fortes quanto a última onda. O importante é se vacinar rapidamente ”, compartilha o médico.

A partir de maio, o governo português quer vacinar cerca de 100 mil pessoas por dia, por um período de 4 meses. Espera-se que as pessoas com mais de 60 anos sejam vacinadas até o final do próximo mês. 96% das mortes por COVID-19 concentram-se nesta faixa etária.

READ  Notícias da UE: Sega Like Trump ajuda o progresso da coalizão Portugal 2024 | Mundo | Notícias