Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

A mãe de 22 anos é sugada por um rolo

Ele trabalhou por cerca de um ano em uma empresa têxtil na província de Prado no Oste de Montermuro. Morreu esta manhã, aos 22 anos, acabando dentro da máquina de tecidos, o que permite fazer uma estrutura vertical da tela com a trama do tecido. Ele foi convidado Luana de Oracio, Uma jovem trabalhadora e jovem mãe de uma criança de 5 anos. Ele morava em Pistoia com seus pais e irmão. De acordo com a reconstrução inicial, o jovem de 22 anos ficou preso na montanha-russa das máquinas em que estava trabalhando e foi arrastado para longe. Ao lado dela estava um colega, que se virou por trás: viu o que havia acontecido quando voltou, mas declarou que “não ouviu o grito de socorro”.

Ajuda oportuna – O alarme disparou imediatamente, assim como tropas, mosquetões e agentes de saúde chegaram ao local, mas o resgate foi em vão. Os técnicos da ASL também intervieram Toscana Centro: apreenderam o maquinário e a área ao redor para verificação dos dispositivos de segurança. O judiciário ordenou uma autópsia. Entre Grama e Pistoia Segundo ferimento fatal em uma empresa têxtil este ano: em 2 de fevereiro, Sabri Jaballa, de 23 anos, morreu após ser esmagada por um jornal em Montreal. Os sindicatos de Prato CGIL, CISL e UIL também lembram disso, organizando uma “forte mobilização” na sexta-feira. Quanto aos motivos de espera por inquéritos judiciais, mas entretanto, sublinham: “É inevitável que as pessoas morram hoje pelos mesmos motivos de há cinquenta anos: por terem sido esmagados numa máquina, caindo de um telhado. avanço das máquinas e sistemas de segurança, nada mudou. É como ficar na porta Fábricas E quartos grandes. Onde, quando e onde as pessoas continuam morrendo, a segurança costuma ser considerada uma despesa. A prefeita de Montemurlo, Simone Kalamai, diz que é “surpreendente”: “O risco do coito e da epidemia nos faz perder de vista o problema da morte no trabalho”.

READ  Mercado de câmbio transferência da Juventus para Ronaldo

Palavras do prefeito – Pisto fala com grande sentimento de injustiça, raiva e muita dor. “Não se pode morrer no trabalho em nenhuma idade”, disse o governador Eugenio Gianni, acrescentando que a tragédia “exige que todos sejam responsáveis”. “É inaceitável morrer assim”, disse Yul Pierre Polo, secretário-geral de Pompéia.

Última atualização: 22:38


© Revisado