Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Variável delta – medo de escolas da China ao Japão. Na Indonésia, falar em sala de aula (e em cantinas fechadas) é proibido.

É um dos maiores desafios que os governos ao redor do mundo enfrentam: a reabertura escolas ausência de segurança. Com a Itália se aproximando da data do retorno das crianças no desconhecido pista verde Para professores, em Ásia Diferentes países estão implementando estratégias diferentes para permitir que todos retornem aos bancos sem deixar o vírus (em particular variável delta) a ser publicado. Aqueles que decidiram reabrir instituições partem de medidas completamente diferentes: há quem seja obrigado a vestir mascarar Até proibir o falar na classe, mesmo entre crianças, para reduzir a infecção.

Pandemia, classificação dos países mais bem administrados: primeiro a Noruega, mas a Itália melhorando

Novas vacinas e restrições na China

Delta chegou China no final de julho, e agora não dá trégua às principais cidades do país, de Nanjing a PequimDistribuição: Atualmente, com pontos de interrupção em diferentes áreas e testes, a propagação foi limitada a milhões de residentes. Algumas escolas reabriram e reabriram em setembro: escolas de ensino fundamental e médio em áreas de alto risco em Nanjing atrasarão o início do semestre em duas semanas. As escolas em Pequim, Xangai e Sichuan devem reabrir normalmente neste mês, de acordo com a mídia estatal, mas pode haver algum restrições.

Por exemplo, em áreas de baixo risco em Pequim, professores e alunos precisarão aparecer teste negativo e um ícone verde no passe de saúde para voltar às aulas. Em Shenzhen, os alunos voltarão à escola, mas com exames obrigatórios para temperaturamáscaras, distanciamento social e medidas constantes de lavagem das mãos. Eles estão pensando em ajudar a China Vacinas: O Departamento de Educação exortou as autoridades locais a aumentar a vacinação dos alunos depois que várias províncias deram luz verde para uma vacina para crianças de 3 a 17 anos. Algumas regiões, como a província de Guangxi, agora exigem que os alunos sejam vacinados. Outros vão além, explicando que toda a família precisará ser vacinada para voltar à escola.

READ  A sombra entre a América e o Vaticano: o "caso Biden" explode

Japão, pedido governamental

o Japão Ele está lutando contra uma quinta onda de infecção, impulsionada quase inteiramente pela fórmula delta, com um aumento acentuado de casos entre adultos jovens. Mas a situação é muito diversa nas diferentes regiões do país, cabendo aos governos locais decidir se voltam a estudar: há quem prolongou as férias e quem, em vez disso, dividiu os alunos entre a manhã e a tarde. . “Nós, como governo central, não exigimos um fechamento geral porque esperamos tomar decisões flexíveis de acordo com as condições regionais”, disse o ministro da Educação, Koichi Hagiuda, no mês passado. Nas cidades de Yokohama e Kawasaki, o início do semestre foi adiado por vários dias até 3 de setembro. Na primeira semana, as aulas serão ministradas apenas pela manhã.

Variável Delta, aviso da China: “É como Wuhan.” Biden: $ 100 por não ser vacinado

Coreia do Sul: os benefícios da escola superam os riscos

Os casos na Coreia do Sul aumentaram nas últimas semanas, mas as autoridades decidiram que Os benefícios associados às aulas presenciais superam os riscos Covid para crianças. Por esse motivo, as restrições serão elevadas ao nível 3, o nível máximo de segurança, para permitir que todos os 6 milhões de alunos voltem para a sala de aula: isso significa controle de temperatura, ventilação da sala, protocolos de saneamento e distância mínima de um metro. . Máscaras devem ser usadas sempre, exceto durante as refeições que devem ser feitas em silêncio.

No início de setembro, todos os professores deveriam estar totalmente vacinados. Os alunos do ensino médio também receberão duas doses da prova mais importante de suas vidas: o Exame de Admissão à Universidade Nacional, no dia 18 de novembro.

READ  Israel, nenhum líder do Partido Comunista Hai Shaolian morreu com o vírus Corona. Mesmo do hospital encorajou o protesto - Corriere.it

Indonésia: não fale

muitos condados em Indonésia Fale com o pai porque os casos de COVID ainda são muito altos. Em Jacarta, onde o número de infecções caiu, 610 portas foram reabertas na segunda-feira, quase 18 meses desde a ordem de bloqueio. Mas trabalharão com 50%: metade dos alunos ficará em casa e estudará online. Na aula é proibido falarMesmo entre os meninos, o uso de máscara é obrigatório. Cada um deverá trazer seu próprio almoço, pois as cantinas estão fechadas. Os professores foram vacinados obrigatoriamente. Mas a campanha continua inabalável: mais de 90% dos jovens de 12 a 18 anos já receberam duas doses, enquanto a proporção entre os professores é de 85%.

Índia, volta às aulas após 18 meses

em um Índia Quase 250 milhões de crianças não voltaram à escola por mais de 18 meses. Aulas online foram feitas em algumas áreas, mas existem milhões de crianças que vivem na pobreza e não podem contatar seus pais. As escolas em alguns estados indianos começaram a reabrir no início de 2021, mas logo fecharam novamente em abril, quando a devastadora segunda onda, liderada pela variante delta, caiu.

Mas desde o final de julho, escolas em estados como Gujarat, Bihar, Uttarakhand, Madhya Pradesh e Bihar começaram a reabrir gradualmente suas portas. Delhi, que sofreu o impacto da segunda onda de Covid, anunciou a reabertura de escolas a partir de setembro. A vacinação para crianças de 12 anos ou mais está prevista para começar em outubro.