Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Um catálogo de portugueses na América

Um catálogo de portugueses na América

Através de seu programa de TV, Maria ganhou sete Telly Awards, um Taste Award e um prêmio de Melhor Série de Viagens. Maria Laton, que tem sangue “vermelho e verde”, orgulha-se das suas raízes e quer mostrar o quão grandiosa é a cultura portuguesa.

Notícias de Portugal (TPN): Por que você se mudou para a América?

Maria Lawton (ML): Nasci nos Açores. Nasci na ilha de São Miguel, mas posso traçar os meus antepassados ​​maternos até Trás-os-Montes e depois de Trás-os-Montes até ao Algarve. Os meus avós foram para Santa Maria e de Santa Maria foram para São Miguel.

Nasci lá e viemos para a América na década de 1960, quando as coisas eram muito difíceis para as pessoas que viviam em Portugal porque estávamos sob uma ditadura. Mais tarde, a família da mãe começou lentamente a vir para a América.

TPN: Ainda fala português e sente-se ligado a Portugal?

ML: Cresci assim, graças aos meus avós e aos meus pais, muito orgulhosos das suas raízes. Meu avô sempre lia livros de história. Era sobre história, especificamente história portuguesa, então eu voltava da escola e tinha aulas de história sobre Portugal.

Fui criado assim e meus pais sempre me disseram: “Você nunca esquece quem você é e de onde veio”. Então, em casa, quando a porta fechou, eu estava nos Açores, estava em Portugal. Mas quando abri a porta e saí, estava na América.

TPN: A sua origem familiar influenciou o seu interesse pela culinária?

ML: Morávamos em uma casa de três famílias. Meus pais e eu estávamos no primeiro andar. No segundo andar estavam meus avós e os pais da minha mãe. A irmã da minha mãe e o cunhado dela ficavam no terceiro andar, então minha mãe e meu pai tinham horários diferentes na fábrica porque meu pai também tinha que trabalhar na fábrica.

Meu pai trabalhava até tarde da noite e minha mãe trabalhava de manhã, então sempre tinha alguém em casa. Mas quando eu chegava da escola eu subia e ia na minha matrinha (mãe), minha matrina era uma boa padeira, ela fazia pão, bolo, etc. Minha mãe é uma cozinheira incrível.

READ  Estudante italiano preso em Miami, Matteo Falcinelli: ‘Foi uma tortura, mas sobrevivi’ – Notícias

Aí me casei e percebi que não cozinhava com minha mãe. Eu era a mais nova de três filhas, então as duas mais velhas ajudavam minha mãe na cozinha. Eu nunca fiz isso. Então foi um pouco diferente.

Agora comecei a cozinhar e o prato preferido do meu marido é o Idli. Assim aprendi a cozinhar italiano para o meu marido, enquanto a minha mãe sempre preparava os seus pratos portugueses. Achamos que sempre temos eles, e não é assim, sabe? Então, com quase trinta anos, minha mãe foi diagnosticada com câncer de mama e ela já estava morta há dois anos, mas nesses dois anos você não sentava e pedia receitas à sua mãe.

Ela morreu, e então nós sofremos, você sabe, e então, naqueles momentos, minha avó morreu, quatro dos meus entes queridos morreram, e então meu pai morreu, todos com quatro anos de diferença.

Perdi meus pais, meus avós e meus cunhados e então percebi que a comida da minha mãe não existia mais. Não consigo reproduzi-los. Nós a perdemos! Conversei com minhas irmãs mais velhas que tinham algumas receitas aqui e ali. Foi ótimo, mas comecei a procurar todas as receitas que queria e não encontrei nenhuma aqui.

Fui para São Miguel porque a minha família é originária de lá. Peguei um caderno e anotei todas as receitas que precisava.

TPN: Quando tudo isso virou livro?

ML: Eu tinha um amigo que tinha uma gráfica, mas ele imprimia cartazes para empresas, não imprimia livros. Entrei em contato com ele e disse-lhe para imprimir alguns livros. Eles imprimiram livros suficientes para dar à minha família e amigos, mas enquanto estavam imprimindo, recebi um telefonema dizendo que os impressores precisavam de exemplares. De repente recebi um telefonema de uma pequena loja que queria vender o livro.

READ  Governo, começa o Dia da Independência: pare as restrições no Reino Unido - última hora

TPN: Quando é que este livro se tornou o programa de televisão A Mesa Portuguesa da Maria?

ML: Um dos discursos que fiz no final das apresentações do livro dizia: “Como é que a cozinha portuguesa não está representada na PBS ou na Food Network?”.

Um dia, uma das pessoas sentadas à mesa me disse que conhecia alguém que trabalhava para a PBS em Rhode Island. Liguei para a PBS e perguntei o nome da pessoa que me indicaram, expliquei minha ideia e disse que me encontraria pessoalmente. Eu esperava falar com apenas uma pessoa e cheguei lá e encontrei pessoas. Então fiz o meu discurso sobre a cultura portuguesa e eles aceitaram.

TPN: O que aconteceu depois daquele momento?

ML: Eles precisavam de um piloto, e sou amigo dos miúdos portugueses há muito tempo, e eles faziam muitas filmagens e anúncios para as pessoas. Entrei em contato com Derek e Brian e disse a eles que isso aconteceu e que eles queriam um episódio piloto. Eles filmaram o episódio piloto para mim e eu os presenteei com um bom jantar.

Apresentei o episódio piloto para a PBS e liguei para Derek e Brian para dizer que queriam mais 13 episódios, e não queriam fazer 13 episódios, mas tinham um amigo na Califórnia. Foi quando conheci Dean, que foi meu produtor na primeira e na segunda temporada.

TPN: Eu vi o episódio em que você estava em São Jorge. Você ficou muito emocionado no final do episódio, pode explicar o que aconteceu?

ML: Agora vou começar a chorar. Sempre fui muito próximo dos meus pais. Sempre fui muito próximo dos meus avós. Ah, tão perto deles.

Dedicamos a primeira temporada às nossas mães [la mamma di Maria e Dean].

Então, eu queria dedicar a segunda temporada aos nossos pais. Quando vamos à Terceira há a Party Island e têm sempre sopas de espírito santo. Quando fomos lá, tive vontade de fazer porque era um dos pratos preferidos do meu pai. Mas quando cheguei à ilha, ninguém fazia sopas.

READ  Drake apela a Zhelensky: Três diretrizes para a paz na Ucrânia

Dirigimos da Terceira até São Jorge e esperamos que todo o nosso equipamento fosse recolhido quando pousamos. Vi meu marido conversando com alguém e alguém veio até ele perguntando o que estava acontecendo. A senhora me procurou e perguntou: eu sou Green Bean e que filme devo fazer? E então me disseram que eles fazem sofás.

Filmamos no Café Nunes, descemos as escadas e vimos as mesmas pessoas que vimos no aeroporto, e todos sabiam que vínhamos com câmaras. Houve alguns que se mudaram do Canadá. Então, eles falam inglês perfeitamente.

Caminhamos todo o caminho e ela me disse que tem fígado por cima da sopa, coisa que eu nunca tinha visto antes, mas adoro fígado. Meu pai também adorava fígado. Sentamo-nos com todos que estavam lá antes de partirmos, com caminhada e tudo. E eu queria sentar com todos que cozinhavam e faziam o trabalho duro. Comecei a comê-lo e de repente foi como ser transportado para comê-lo com meu pai. Foi o meu pai quem apareceu e eu comecei a chorar porque havia uma razão que ninguém na Terceira podia fazer por mim. Foi o destino que eu cheguei lá.

Para além de querer publicar o seu livro em Portugal e transmitir o seu programa na televisão portuguesa, Maria lutou para o fazer. Porém, ele ainda acredita que um dia isso será possível.


Com um profundo amor pela música e com a consciência pesada em casos criminais, Bruno G. Santos decidiu estudar jornalismo e comunicação, na esperança de unir as duas paixões na escrita. O jornalista é um viajante ávido que adora escrever sobre outras culturas e descobrir várias jóias escondidas em Portugal e no mundo. Cartão de Imprensa: 8463.

Bruno G. Santos