Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Ucrânia – Rússia, War News Today: Zelensky comemora a Grande Fome

É amarelo na morte repentina de Ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makeique estava programado para encontrá-la na segunda-feira seu homólogo russo Lavrov. A reação de Moscou foi imediata: “Estamos chocados”. Mas para Kyiv, haverá uma sombra do Kremlin por trás da morte: “Ele pode ter sido envenenado. Um potencial sucessor de Lukashenko, ele foi um dos poucos que não sucumbiu à influência russa.” enquanto, Em Kyiv 130.000 pessoas sem eletricidade. A Ucrânia lembra o Holodomor, e o presidente Zelensky, que comemora o genocídio da fome causado pela União Soviética na Ucrânia há 90 anos, lembra que “uma vez eles queriam nos destruir com a fome, agora com a escuridão e o frio”. A União Européia pagará o embarque de 40 mil toneladas de grãos ucranianos por meio de dois navios.


A guerra na Ucrânia e as tensões globais: o que você precisa saber


Notícias ao vivo do conflito entre a Ucrânia e a Rússia

Papa: “Nunca nos cansemos de dizer não à guerra”

“Não nos cansemos de dizer não à guerra, não à violência, sim ao diálogo, sim à paz e, especialmente, ao martirizado povo ucraniano.” O Papa Francisco disse isso aos fiéis reunidos na Praça de São Pedro.

Papa Francisco sobre os Anjos (ANSA)

Londres: “O estupro durante a guerra é um crime tão sério quanto o uso de armas químicas”

O ministro das Relações Exteriores britânico, James Cleverly, alertou que o estupro na guerra é uma violação tão séria do direito internacional quanto o uso de armas químicas. O chefe da diplomacia falava em entrevista ao jornal The Sunday Times na véspera da conferência internacional a realizar em Londres sobre violência sexual em conflitos. Mais de 50 ministros de todo o mundo participarão da cúpula, juntamente com 50 sobreviventes de quase duas dezenas de países: entre eles está a ganhadora do Prêmio Nobel da Paz Nadia Murad, uma jovem yazidi que se tornou uma incansável ativista após ser mantida em cativeiro por terroristas. de Ísis como escrava sexual. O estupro é “um ato absolutamente abominável e, no entanto, vemos que na Ucrânia e em outras partes do mundo isso ainda é usado como arma de guerra. E precisamos garantir que os líderes militares entendam que é tão inaceitável quanto o uso de armas químicas. ou matar ou maltratar prisioneiros de guerra”.

Em Kyiv restaurou quase 100% da eletricidade

A administração militar da cidade de Kyiv disse que a eletricidade, a água, o aquecimento e as comunicações foram quase totalmente restaurados na capital e que os trabalhos para reparar a rede elétrica estão em fase final. A mesma administração escreve no Telegram. Segundo as autoridades, até esta manhã, a maioria dos residentes da cidade não só não tem eletricidade, como também não há interrupções de emergência e estabilidade: “Tudo graças ao fornecimento de eletricidade restabelecido e estável e ao baixo consumo de eletricidade dos assinantes. situação de abastecimento de água, aquecimento e comunicações: tudo funciona bem.” Normal. Apenas emergências locais são prováveis.”

Concerto no escuro da orquestra de Kyiv com smartphones e velas

Concerto na orquestra escura de Kyiv com smartphones e velas (alça)

Minsk, após a morte repentina do ministro das Relações Exteriores, adiou a visita de Lavrov

O Ministério das Relações Exteriores da Rússia anunciou que a viagem do ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, a Minsk, marcada para hoje e amanhã, foi adiada após a morte ontem do ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Vladimir Makei. O imposto é informado. Lavrov deveria se encontrar com Macky amanhã.

Kyiv: Número de feridos sobe para 851

O número de crianças feridas desde o início da guerra na Ucrânia aumentou para 851: foi anunciado pelo Gabinete do Procurador de Kyiv, acrescentando que o número de mortos de menores permaneceu inalterado em 440. Isto é relatado por Ukrinform. “Na manhã de 27 de novembro de 2022, mais de 1.291 crianças foram feridas na Ucrânia como resultado de agressão armada por parte da Federação Russa. De acordo com informações oficiais do Ministério Público Juvenil, 440 crianças foram mortas e mais de 851 ficaram feridos”, escreveu o promotor em um telegrama.

Kyiv: mísseis no sul

As forças russas dispararam dois mísseis contra a infraestrutura do setor de transporte em Kryvyi Rih, região de Dnipropetrovsk, sul da Ucrânia, informou o chefe da administração militar regional, Valentin Reznichenko, no Telegram, conforme relatado pelo Ukrinform. “Kryvyi Rih foi atingido. Dois mísseis russos atingiram a infraestrutura de transporte”, escreveu Reznichenko, falando sobre os danos.

Kyiv: Moscou está preparando uma “mobilização” secreta.

A Rússia está se preparando para a próxima “mobilização” secreta para reforçar suas forças na frente na guerra contra a Ucrânia: escreveu o Estado-Maior das Forças Armadas da Ucrânia em um post no Facebook, informa a UNIAN. A chamada “mobilização” deve ser realizada tanto na Rússia quanto nos territórios ocupados da Ucrânia. “Na Federação Russa e nos territórios ucranianos ocupados temporariamente, estão em andamento os preparativos para conduzir a próxima onda de mobilização secreta nas fileiras das forças de ocupação russas a partir de 10 de dezembro deste ano”, disse o Estado-Maior.

Rússia e Putin encontram mães de soldados: “Compartilhamos a dor de perder seus filhos”

Kyiv: bombas em Donetsk, cinco civis mortos ontem

Pelo menos cinco civis foram mortos e quatro outros ficaram feridos durante o bombardeio de ontem pelas forças russas na região de Donetsk, no leste da Ucrânia, informou o chefe da administração militar regional, Pavlo Kirilenko, no Telegram, conforme relatado pelo Ukrinform. Ele acrescentou que no momento é impossível estabelecer o número exato de vítimas em Mariupol e Volnovaca.

Kherson foi reconectado às usinas, danificando os geradores de 2 reatores

Em Kyiv, a eletricidade foi cortada por 24 horas seguidas, mas agora está de volta. editores Kherson foi reconectado às usinas. Assim, a Internet, em diferentes velocidades, voltou a estar disponível após o apagão de 12 milhões de ucranianos. Equipes de restauração de serviços básicos trabalharam incansavelmente, descobrindo ontem que os geradores de dois reatores das três usinas nucleares bombardeadas haviam sido danificados. O presidente Zelensky pediu aos residentes que “economizem energia em casa”. Os russos também bombardearam hospitais (Kherson e Kramatorsk), mas nas instalações de Lviv com geradores internos, houve nove transplantes, dois de coração. A solidariedade dos países europeus e do Canadá continua: geradores, transformadores, fogões e antenas estão a caminho.

Natal, apelo de Boris Johnson: ‘Drogas para a Ucrânia’

O ex-primeiro-ministro britânico Boris Johnson e a maior operadora de hospitais privados do Reino Unido se uniram para lançar um apelo urgente de Natal para fornecer suprimentos médicos aos hospitais ucranianos. Johnson dirigiu-se ao público britânico e à sua “generosidade moral” pedindo uma doação: “Nem um único penso ou cama que os financie será desperdiçado na árdua tarefa de reconstruir uma brava e bela Ucrânia”. A Circle Health entregou quase 300 toneladas de suprimentos médicos no valor de £ 3 milhões em 13 caminhões para hospitais em Kyiv, Kharkiv, Mykolaiv, Odessa, Lviv e Kherson. Os produtos entregues até o momento incluem centenas de cadeiras de rodas, muletas, batas, bandagens, ambulâncias, mesas de operação, camas hospitalares, ventiladores, máquinas de anestesia e próteses.

Zelensky: Moscou quer nos destruir com frio

“Uma vez eles queriam nos destruir com fome. Agora com escuridão e frio.” O alerta do presidente Zelensky ao mundo continua enquanto o inverno se torna cada vez mais rigoroso na Ucrânia. É ainda mais significativo no dia em que o país recordou o Holodomor, o genocídio da fome que causou vários milhões de mortes de 1932 a 1933, pela URSS de Stalin. O inimigo hoje é o mesmo de noventa anos atrás, mesmo que tenha um nome diferente. Seis milhões de pessoas ainda estão sendo forçadas à escuridão e a temperaturas congelantes, enquanto os esforços das autoridades para restaurar água, luz e aquecimento continuam no país após uma chuva de mísseis russos. “Porque não podemos ser derrotados. Nosso fogo não se apagará. Vamos derrotar a morte novamente”, enfatizou o chefe de Estado ucraniano.

Zelensky e sua esposa em uma cerimônia no Holodomor Victims Memorial

A misteriosa morte do ministro das Relações Exteriores da Bielorrússia, Macky

Uma história de detetive no contexto da guerra na Ucrânia ou uma coincidência interessante? No dia seguinte à hipótese levantada por um centro de estudos americano segundo a qual a Rússia poderia assassinar o presidente bielorrusso Alexander Lukashenko Ou para organizar um ataque para assustá-lo, a fim de pressionar o governo de Minsk a participar ativamente da guerra na Ucrânia, o ministro das Relações Exteriores da Bielo-Rússia morreu “de repente”, conforme anunciado pela agência de notícias oficial de seu país. (Leia)

Ucrânia lembra a grande fome

O primeiro plano quinquenal Stálin 1932 terminou com a aniquilação da fome que começou no final dos anos 1920 e durou até 1933. Os historiadores ainda discutem os números, mas ninguém duvida queholodomorA grande fome infligida pelos soviéticos nas terras negras da Ucrânia desde o final da década de 1920 ceifou milhões de vidas. Coletivização soviética, apropriação de terras e criação fazenda coletivafoi junto com a perseguição direcionada kulaks, do campesinato independente, que Stalin já havia declarado em 1929 que queria “exterminar como classe”. (Leia)

(Lidando)

Eletricidade, água e internet: cidades ucranianas correm contra o tempo para restabelecer serviços

estratégia Presidente russo Vladimir Putin Para enfraquecer o moral dos ucranianos, desta vez especialmente dos civis ucranianos, das pessoas que resistem, produziu ontem o segundo dia de escassez de água em Dnipro, a terceira maior cidade do país. A gerência explicou os problemas com os canos, e aqueles que ficaram para morar na Grande Entrada e na Porta de Fuga para Donbass tiveram que ficar na fila do supermercado para comprar água engarrafada. Os russos não param de bombardear a área. (Leia)

(Reuters)

READ  Afeganistão, uma criança desaparecida entregue aos soldados americanos. Pai: "Ajude-nos a encontrá-lo" - Corriere.it