Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Taiwan e China simulam ataques à ilha – o mundo

A China simulou ataques a Taiwan no terceiro dia de exercícios militares em larga escala em toda a ilha. É o que afirma o Ministério da Defesa em Taipei, observando que vários combatentes e navios do Exército de Libertação Popular foram vistos hoje “ao redor do estreito”, com “alguns deles cruzando a linha média” no processo de um “ataque potencial”. .” As forças armadas da República da China, o nome oficial de Taiwan, usaram uma declaração que dizia: “Transmissões de alerta, aeronaves, navios de patrulha militares e sistemas de mísseis terrestres em resposta a esta situação”.

Taiwan disse que os exercícios militares chineses de hoje simularam um ataque à capital da ilha de Taipei, quando aviões e navios de guerra chineses cruzaram a linha central do estreito em uma constante demonstração de força projetada para desestabilizar. Os militares de Taiwan responderam com o seguinte protocolo: alarmes sem fio, envio de patrulhas aéreas e navios militares (já mobilizados ontem para seguir unidades chinesas como sombras) e implantação de sistemas de mísseis terrestres, disse o Ministério da Defesa em comunicado. Os exercícios chineses, que estão ocorrendo agora no terceiro dia, são uma resposta a uma visita esta semana da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, a figura institucional de mais alto escalão a visitar a ilha nos últimos 25 anos. Enquanto Pelosi e o governo de Taiwan disseram que a visita ajudou a mostrar apoio a Taiwan em meio às tensões com a China, Pequim a chamou de violação dos compromissos dos EUA com a política de uma só China e um movimento para incentivar a frente pró-independência da ilha. Por outro lado, a liderança comunista considera Taiwan uma parte inalienável do território chinês, e deve ser reunificada mesmo pela força, se necessário.

READ  Toque de recolher, útil ou não? O que significa mudá-lo para 23 horas? Isso é o que a ciência diz

A Coreia do Norte criticou a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, por sua recente visita à Zona Desmilitarizada (DMZ), a fronteira entre o Norte e o Sul, chamando-a de “a pior destruidora da paz internacional”. Pelosi, que visitou Seul no início desta semana após uma viagem a Taiwan, é a autoridade de mais alto escalão dos EUA a visitar a região intercoreana desde que o presidente Donald Trump conheceu o líder norte-coreano Kim Jong Un em 2019. Antes da visita, Pelosi discutiu “a situação perigosa e a crescente ameaça representada pelo programa de armas nucleares da Coreia do Norte com seu colega sul-coreano, o presidente da Assembleia Nacional Kim Jin-pyo. Juntos, eles pediram “dissuasão forte e ampla contra a Coreia do Norte” e prometeram apoiar os esforços de Washington e Seul para desnuclearizar Pyongyang.

Reprodução reservada © Copyright ANSA