Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Sindicatos europeus: salários caem 9% nos setores com maior escassez de pessoal

Sindicatos europeus: salários caem 9% nos setores com maior escassez de pessoal


Milão – Para enfrentar a escassez de mão de obra que aflige alguns setores da manufatura na Europa, a solução é bastante simples: aumentar os salários. Isso é destacado por uma pesquisa publicada hoje pela Confederação Europeia de Sindicatos (CES).

Calcule seu salário correto

Uma análise das taxas de vacância e salários em 22 países europeus mostra que as regiões com maior escassez de mão de obra pagam em média 9% menos do que os setores em que é mais fácil contratar.

Na empresa que procura encontrar “inrastreáveis” no mundo do trabalho: “eles ditam as regras do mercado”

por Flávio Beni

Em 13 dos 22 estados membros da UE para os quais há dados disponíveis, os setores que sentiram escassez de mão de obra entre 2019 e 2022 também oferecem os salários mais baixos. As maiores diferenças salariais entre os setores com os maiores e menores aumentos na escassez de mão de obra são encontradas na Itália (€ 4,17 por hora), Luxemburgo (€ 4,16), Alemanha (€ 3,26), Holanda (€ 2,49) e Grécia (€ 1,51). .

Dois em cada três trabalhadores na Itália estão prestes a mudar de emprego ou gostariam de mudar de emprego

por Rosária Amato

“Um salário decente é bom para os trabalhadores, para os empregadores e para a Europa. Os baixos salários estão alimentando a crise do custo de vida, enquanto a escassez de mão de obra está prejudicando o desempenho econômico e os serviços públicos na Europa. Fica claro a partir desses dados que os baixos salários são um dos principais fatores que impulsionam os desafios do emprego na Europa”, comentou. Secretário-Geral da União Esther Lynch. “A Europa deve ser um lugar ideal para trabalhar. Já nos anos 1980, Delors prometeu aos trabalhadores europeus o direito de aprender para toda a vida. É hora de cumprir essa promessa que é fundamental para uma Europa social. Isso significa investir em empregos de qualidade, em licença remunerada para formar trabalhadores, numa transição justa, em condições sociais que assegurem que as empresas invistam numa economia de mercado.”

READ  As Nações Unidas "descarregam" a bomba da natalidade na África - Corriere.it