Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Schwatzer termina sua frase com “luz após a escuridão da injustiça” – notícias

Schwatzer termina sua frase com “luz após a escuridão da injustiça” – notícias

Fim da sentença em 7 de julho de 2024. Alex Schwatzer também retorna como atleta livre: após oito anos de escuridão, um leve vislumbre de esperança e uma batalha legal sem limites desde então, às vésperas dos Jogos Rio 2026, após teste positivo por doping, ele efetivamente encerrou sua carreira competitiva, vê o caminhante olímpico de Pequim 2008 A luz está de volta. “Hoje chega ao fim o período de desclassificação injusta que tive que cumprir – afirmou o sul-tirolês, que completará 40 anos em dezembro – em comunicado à agência de notícias italiana ANSA – espero que nenhum atleta jamais receba o tratamento que recebi. Sofrer durante estes oito anos de “Para defender e proteger minha honra e dignidade, provar minha inocência e tentar obter justiça e revelar a verdade”.

A justiça foi obtida pelo ex-jogador italiano junto ao Tribunal Criminal, com o caso arquivado e os juízes de Bolzano admitindo que houve adulteração do tubo de ensaio. A tese em que baseou todo o processo para provar a sua inocência, e que não foi reconhecida no meio desportivo: mesmo as últimas candidaturas, aquelas que pediam um adversário na esperança de se qualificarem para os Jogos Olímpicos de Paris (a partir de 26 de julho ) foram rejeitados. Para Schwazer, o teste de testosterona de 2016 foi o segundo teste positivo: o primeiro há três anos e seis meses e remonta a 23 de abril de 2013. Foi EPO e aí o pedestre se declarou culpado. Depois dessa parada, retorne aos patamares mais altos e opte por contar com Sandro Donati, técnico do campeão antidoping.
Depois, em 2016, a positividade (desta vez para a testosterona) esteve sempre em dúvida por parte do italiano que tentou até ao fim comprovar que as amostras tinham sido alteradas. Uma história que viajou muito além das pistas do atletismo, virando livros, série da Netflix e documentários quase sempre ao lado de Alex. Há quem escreva que “retirar Alex dos Jogos é uma afronta à humanidade e à beleza”, mas Schwatzer teve que desistir das Olimpíadas (a última recusa foi da TASS). Treinando todos os dias, quilômetros e quilômetros, alimentando a esperança frustrada de ir aos Jogos de Paris, é possível e certamente humano que o sonho agora seja voltar a competir como atleta.

READ  Campeonato Europeu de Voleibol de 2023: A França venceu primeiro a Romênia e a Eslovênia. Sérvia persegue Itália, ok Holanda

“Agradeço a todos aqueles (poucos) que estiveram perto de mim nesta jornada dolorosa (e infernal) – diz o ex-jogador italiano -, aqueles que nunca me abandonaram, quando teria sido fácil fazê-lo, aqueles que lutaram comigo e sofri comigo pela injustiça que tive que suportar E pelo tratamento que recebi, e por fim agradeço àqueles (muitos) que, depois de compreenderem a minha inocência e não envolvimento nos incidentes de que fui acusado, me fizeram sentir. (ainda que de longe) o seu carinho e proximidade, obrigado, as trevas e as trevas causadas pela injustiça que sofri vão agora dar lugar É um novo dia em que poderei acompanhar os meus filhos a competir numa piscina ou num pista de atletismo sem sofrer quaisquer consequências em casos de exclusão (o que teria acontecido até ontem).” Assinatura: “Alex”. Sim, as crianças, os pequenos Ida e Noah, a primeira luz na segunda vida de Schwatzer.

Reprodução © Direitos Autorais ANSA