Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Save the Duck, a marca “sem animais” cresce com novos parceiros franceses: meta de 200 milhões – Corriere.it

Save the Duck, a marca “sem animais” cresce com novos parceiros franceses: meta de 200 milhões – Corriere.it

Nicolas Bargi fundou a Save The Duck, empresa “assobiando o pato”, em 2012. Ele assobia porque se salvou: nada produzido, há onze anos, pela marca de roupas esportivas da cidade milanesa, conhecida por suas colchas de pato laranja como símbolo, é de origem animal. “A sustentabilidade está no nosso DNA”, diz Barji, “sempre fomos livres de crueldade, mas quando nascemos não era um conceito difundido, talvez apenas Stella McCartney falasse sobre isso na moda, no luxo, na Patagônia». Hoje o mundo é completamente diferente: a moda luta pela sustentabilidade (com dificuldade) e a Bargi, com um volume de negócios superior a 60 milhões de euros, 90 colaboradores em Itália e no estrangeiro e 60% das suas receitas provenientes do estrangeiro, celebra a renovação da sua B Corp certificação, que significa reconhecimento como empresa comprometida com o sucesso ao causar impacto positivo no meio ambiente e na sociedade. A Save The Duck foi a primeira grife a adquiri-la na Itália, em 2019.

Leia também outros artigos sobre moda e sustentabilidade

Tecnologia e cadeia de suprimentos

“Tudo começa com uma ideia tecnológica”, explica Bargi, terceira geração de empreendedores do setor têxtil através da empresa familiar Forest. Ela aplicou na moda o que já era usado no esporte: fios sintéticos e reciclados. Aí acrescentei um valor ético, que na época atendia a um pequeno segmento de usuários, por exemplo os vegetarianos.” Mas isso não foi suficiente. “Não existe empresa com impacto zero – repete o empresário – e é por isso que nos comprometemos imediatamente a estabelecer metas para nós mesmos ao longo de toda a cadeia de abastecimento”. Desde 2021, a empresa compensa todas as suas emissões, regulamenta o uso de produtos químicos específicos em toda a cadeia produtiva, controla o uso da água, seleciona matérias-primas e participa de projetos de reciclagem e de segunda mão. “Obter a certificação do que estávamos fazendo e do que fazemos foi um passo natural. Há poucos dias recebemos uma reavaliação da B Corp, que analisa a empresa a cada três anos para ver se ainda mantém os critérios certos: passamos de 95 para 108,4, somos o primeiro na Itália em vestuário, o sexto na Europa, mas primeiro em “O campo da moda esportiva”, Bargi se orgulha. ruaave The Duck utiliza Plumtech©, um enchimento com tecnologia de isolamento térmico, capaz de recriar a suavidade da penugem real e reter os benefícios do enchimento térmico. Sempre foi produzido na China, Portugal e Turquia. Bargi não tem medo de dizer: “Não é feito na Itália”.». A confiança na sua cadeia de abastecimento é forte: são oito fábricas dedicadas a colchas, três a camisas e moda praia, e as fábricas cumprem os objetivos de sustentabilidade da empresa. “Tenho uma relação direta com todos eles, desde o início. sustentabilidade? Nos primeiros anos, recebi respostas de varejistas como “É um bom produto, vou comprar cem para você, vamos ver se esgota”. Ninguém se importava com o aspecto moral. Na verdade, disseram-me: Este pato pesado, não podemos retirá-lo? Barji lembra com um sorriso. Mas para mim a marca era a mensagem e as marcas eram os professores. Tínhamos que ser empáticos, porque a empatia constrói a lealdade do consumidor. Depois de algum tempo, até os comerciantes o reconheceram.”

READ  Contas 2023, Eletricidade -20%, Gás também está baixo. Uma vantagem de 287 euros por ano em eletricidade e 121 em metano
mercado e novos parceiros

Depois de “salvar” mais de quarenta milhões de gansos, Save The Duck entra agora numa nova fase. O mercado está favorável e Barji está otimista: a empresa encerrou 2022 com receitas de 62 milhões de euros (um aumento de 30% em relação a 2021) e um EBITDA de 15% em linha com o ano anterior. Em 2023, a meta é de 72 milhões em receitas e 120 milhões em 2026. Estes novos números e a nova estratégia são também um reflexo da mudança de governação. Um novo caminho Há um ano, 80% do capital passou para dois gestores de negócios, Reinhold Geiger e André Hoffmann, CEO e CEO da multinacional francesa de cosméticos L’Occitane. Bargi, que permaneceu à frente da empresa, manteve os restantes 20%, enquanto a Progressio Investimenti III e outros acionistas deixaram a estrutura acionária. “Fechamos recentemente o novo plano industrial – explica Barji – e a ideia é fazer da Save The Duck uma marca global. O novo modelo movimenta lojas próprias, enquanto hoje 88% da receita vem dos 220 varejistas onde estamos distribuídos mundialmente. Vamos nos concentrar em vendas diretas e comércio eletrônico.”
A marca parece madura para a aposta no retalho: em 2022 a Save The Duck chega a sete lojas monomarca, com a abertura da primeira em Nova Iorque, que se junta às de Milão e às de Veneza, Bolonha, Hong Kong e São Petersburgo . .moritz. Em setembro, foi inaugurado outro em Milão, e depois também em Roma e Florença. O comércio eletrônico paralelo também será promovido. “Hoje estamos engajados na reorganização da empresa, justamente para acompanhar esse crescimento”, explica Barji. É necessário encontrar o formato de loja “certo” para que possamos então empurrar os nossos maiores ativos de crescimento para o estrangeiro, por exemplo, nos EUA.” A diversificação da moda praia e do que Bargi chama de lazer inteligente já começou. “Estamos expandindo categorias, mas permanecendo únicos, produzindo com tecidos inovadores, técnicos e reciclados”. A Save The Duck beneficiará da rede comercial, jurídica e fiscal dos parceiros: a L’Occitane en Provence, constituída em Hong Kong, é um gigante empresarial global com um volume de negócios superior a 2 mil milhões de euros. Um grande impulso para atingir a ambiciosa meta de receitas de 200 milhões de dólares em cinco anos, que Bargi define como um projeto de longo prazo para o desenvolvimento da marca. Tudo sem trair o espírito e ainda assim salvar muitos patos. “Um dos investidores, Hoffman, já era membro do conselho de administração”, conclui Bargi. Após ouvir a história e missão da marca, ele mudou sua visão e agora a L’OCCITANE também adotou a B Corp como uma de suas marcas, a Elemis. A própria Progressio foi transformada em uma B Corp. A beleza disto é que o compromisso com a sustentabilidade é um dominó positivo: influenciamos uns aos outros e é assim que isso realmente muda a forma como projetamos e fazemos.”

READ  Ouro: é o fim da corrida?