Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Rússia e Ucrânia, como o conflito mudou após a anexação de Moscou

Portanto, este é o perímetro da “Novorússia”, dos 18% (incluindo a Crimeia) da Ucrânia com os quais Putin estava satisfeito. Voltando ao fim da União Soviética, o presidente russo disse que a “tragédia” agora faz parte do passado e “não é o que almejamos”. Só agora é a decisão dos “milhões de pessoas que se consideram parte da Rússia pela fé, cultura, valores e idioma: não há nada mais forte do que a decisão de retornar à sua pátria histórica”.

Mas longe da forma como os chamados referendos aconteceram, a celebração no Kremlin e depois o concerto na Praça Vermelha no final do dia esconde uma situação completamente diferente no campo de batalha. Na região de Zaporizhia, um ataque com mísseis russos atingiu um comboio de carros civis a caminho de Kherson. O número de mortos foi de 25 mortos e 74 feridos. E na região de Donetsk, os russos continuam perdendo suas terras. A guarnição de Lyman, no norte, está meio cercada, com os russos fugindo das aldeias vizinhas de Drubishev e Yampel.

Putin não indicou o verdadeiro rumo das operações militares, assim como não mencionou o caos em que está ocorrendo o recrutamento de reforços para serem enviados à Ucrânia: uma mobilização parcial que saiu do controle, em muitos casos, com a Kremlin. Admitir a confusão e os erros cometidos por funcionários zelosos que, para atingir as cotas indicadas, não levaram em conta os limites de idade, formação ou saúde. Chegar a paradoxos como o distrito de Tuva onde a administração local premia as famílias dos que aceitam o alistamento com carneiros, sacos de farinha e carvão.

O Ministério da Defesa anunciou a chegada dos primeiros reforços ao Donbass: sua tarefa será defender as terras “libertadas”, onde a anexação à Rússia permitirá, entre outras coisas, a mobilização forçada de cidadãos ucranianos, bem como a extensão do “guarda-chuva nuclear”. Esta é a pergunta mais preocupante à frente: como Moscou responderá ao contínuo ataque ucraniano ao que de repente se tornou o território nacional dos russos? Ao advertir o Ocidente, Putin não repetiu as ameaças nucleares, mas apontou o precedente estabelecido pelos Estados Unidos, “o único país do mundo que usou armas nucleares na guerra”, contra Hiroshima e Nagasaki.

READ  Previsão do tempo. A Europa está dividida entre temperaturas recordes, tempestades violentas, granizo e furacões. muito dano

Há pouco, o porta-voz Dmitry Peskov enfatizou que um ataque às quatro regiões agora seria considerado uma agressão contra a Rússia, e a principal preocupação, é claro, diz respeito ao possível uso de armas nucleares táticas, adequadas para um teatro de guerra mais limitado do que mísseis estratégicos. Movimentos para os quais os americanos ainda não registraram preparativos, confirmou ontem o secretário de Estado Anthony Blinken. De acordo com a doutrina nuclear russa revisada por Putin em 2020, na ausência de agressão nuclear direta, uma resposta nuclear ainda é permitida no caso de um ataque convencional à infraestrutura crítica do arsenal nuclear, ou no caso de um ataque qualquer situação que ameaça a sobrevivência do Estado russo.