Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Reabra Kaliningrado.” Chuva de mísseis sobre Odessa

Um novo capítulo de tensões entre Ele voa O Ocidente se abriu em torno de Kaliningrado, um enclave russo entre a Polônia e Lituânia, e assim confinado entre o território da OTAN. As autoridades de Vilnius decidiram proibir a entrada no território de trens russos que transportam certos tipos de mercadorias. e a Kremlin Ele gritou alto, chamando a decisão de “hostil” e “provocativa”, declarando que se a medida não fosse cancelada, a Rússia tomaria “medidas destinadas a defender seus interesses”. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia emitiu este aviso e convocou o Encarregado de Negócios da Embaixada da Lituânia.
Agora, com algum exagero devido à propaganda, o roteiro parece prestar-se a evocar o trágico cerco que marcou a história soviética (de Leningrado a Stalingrado), alimentando o complexo de cerco e o espírito nacionalista dos russos. O chefe da diplomacia em Vilnius, Gabrielius Landsbergis, deixou claro que seu governo não estava fazendo nada além de implementar as sanções decididas pela União Européia para a invasão da Ucrânia. O Alto Representante da UE, Josep Borrell, confirmou uma explicação.

Sólido

As medidas restritivas devem afetar cerca de 50% dos produtos transportados da Rússia para Kaliningrado, começando pelo aço. No entanto, os esclarecimentos lituanos não foram suficientes para reprimir a raiva russa. O porta-voz do Kremlin, Dmitry, disse que a decisão em Vilnius PeskovÉ “sem precedentes” e, acima de tudo, “ilegal” porque viola o acordo de 2022 entre a Rússia e a União Europeia. Portanto, a situação é “extremamente perigosa” e Moscou estudará as contramedidas em profundidade. Atualmente, a Frota Russa do Báltico – com sede em Kaliningrado – anunciou que realizará novos exercícios militares na região, usando os sistemas de lançamento múltiplo Grad e Uragan.
A Ucrânia expressou seu total apoio à Iniciativa de Vilnius. “A Rússia não tem o direito de ameaçar a Lituânia, e somente Moscou é responsável pelas consequências da invasão injustificada da Ucrânia”, disse o ministro das Relações Exteriores, Dmytro Kuleba. A região, após a dissolução da União Soviética em 1991, permaneceu sob o controle da Rússia.
A Lituânia, com a aprovação da União Européia, decidiu “fazer refém a província de Kaliningrado”, denunciou o chefe da Comissão de Assuntos Internacionais da Duma, Leonid Slutsky. E embora Moscou ainda não tenha determinado a natureza da retaliação, o governador da região, Anton Alikhanov, alertou que pode retaliar bloqueando o transporte de mercadorias lituanas para o Mar Báltico. “Se você olhar para o mapa – disse ele – verá que os estados bálticos, seus portos e seu sistema de transporte não podem prescindir da Rússia.”

READ  Alemanha, Baviera introduz o semáforo para interromper a quarta onda: com "vermelho" vem o compromisso com o tráfego verde no local de trabalho

14 mísseis

Enquanto isso, o bombardeio continua. Parece que os russos chamaram a atenção de volta para isso Odessa Que teve como alvo, ontem, vários ataques destruíram um armazém de géneros alimentícios. As forças de Moscou dispararam 14 mísseis, muitos dos quais foram repelidos pelos ucranianos. De acordo com a análise do Ministério da Defesa em Kyiv, a Rússia planeja capturar Lugansk até domingo. Os pró-russos reivindicaram a captura de Toshkivka, na margem oeste do rio Seversky Donets. A partir daí, eles podem tentar romper as linhas de defesa e lançar um ataque decisivo em Lysekhansk, já que o presidente Volodymyr Zelensky fez uma visita secreta ontem “para ver por si mesmo como a situação está se desenvolvendo” e encorajar as tropas na frente. Por outro lado, Severodonetsk está agora de fato nas mãos de Moscou, embora o impasse armado permaneça com os defensores da fábrica de produtos químicos Azot, escondidos em bunkers junto com mais de 500 civis, incluindo cerca de quarenta crianças.

mercenários

Ontem, o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, confirmou o que se temia há dias: os americanos capturados na Ucrânia são “mercenários” – ele congelou os Estados Unidos -. Eles têm que pagar por seus “crimes” e “não podem contar com a proteção da Convenção de Genebra” sobre os prisioneiros de guerra.

© Reprodução reservada