Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O bloqueio da Lituânia e Kaliningrado renova a tensão entre a Europa e a Rússia

O castelo sitiado abre uma nova frente de tensão. KaliningradoPreso no meio dos países da OTAN e um reduto estratégico no Mar Báltico, o pedaço de terra russo há três dias volta ao centro do confronto entre o Kremlin e o Ocidente. Com efeito, a Lituânia decidiu proibir o transporte ferroviário de uma longa lista de mercadorias sujeitas a sanções europeias. Desde sexta-feira, as autoridades de Vilnius proibiram a importação e exportação de metais, materiais de construção, carvão e dispositivos tecnológicos. Segundo rumores, metade dos trens de carga para Kaliningrado poderiam ter sido parados e isso poderia ter causado uma corrida aos estoques, forçando meio milhão de moradores a invadir supermercados.

massa lituana

conservador Anton Alikhanov E ele tentou tranquilizar a população, e anunciou que a frota russa de balsas garantiria suprimentos: “Há dois navios em serviço e em breve serão sete”. Mas Moscou já contestou o caso. Presidente do Comitê de Proteção à Soberania no Conselho da Federação. Andrey KlimovEle afirmou que ou Bruxelas “corrigirá a situação em relação ao bloqueio de Kaliningrado, ou a Rússia estará livre para resolver a questão do trânsito por qualquer meio”. E ele ameaçou: “Este é um ataque direto à Rússia” que pode forçar Moscou a “recorrer à autodefesa”. Ele então acusou a OTAN de ser a inspiração para a decisão da Lituânia. Na mesma linha, um porta-voz do Kremlin disse Dmitri Peskov: “É um ato ilegal. A situação é realmente grave e requer uma análise minuciosa para preparar uma resposta.”

Ministro de relações exteriores Gabrielius Landsbergis Chegando à cúpula da UE nesta manhã, ele reiterou a disposição de seu país de impor sanções e agir após consulta à Comissão de Bruxelas. “A Rússia quer mostrar o nível de pressão que pode exercer sobre a Europa. Este é o momento de testemunhar nossa determinação”. Landsbergis repetiu o que seu país havia dito: “Se dermos à Ucrânia 90% da assistência militar solicitada, e não 10%, a guerra será encerrada rapidamente. O bloqueio dos portos do Mar Negro precisamos de dissuasão, se fornecermos enviar armas para Kyiv, e isso. Nós garantimos que os russos não podem impedir a transferência de grãos”.

READ  Toque de recolher, útil ou não? O que significa mudá-lo para 23 horas? Isso é o que a ciência diz

Uma história marcada pelo cerco

História do Kaliningrado Sempre se caracterizou pelo cerco. Anterior Königsberg, o palácio dos Cavaleiros Teutônicos e depois a capital da Prússia, a última viveu em 1945: após a ocupação do Exército Vermelho houve a anexação de Moscou e a “russianização” da população, que resistiu ao colapso da União Soviética. União e todas as mudanças nos mapas do mundo. Na última década, Putin transformou o enclave em uma base de mísseis, que domina o acesso às rotas do Mar Báltico e pode atingir Berlim, Estocolmo, Helsinque, Varsóvia, Copenhague, Riga e Vilnius com ogivas nucleares. Antes da invasão da Ucrânia, a guarnição foi reforçada por um esquadrão de caças armados com bombas hipersônicas Kinzhal e outros submarinos de ataque. O Kremlin pretende tornar seu exército um fardo para o Ocidente.

provocação russa

Na sexta-feira passada, no Mar Báltico, dois navios militares russos entraram nas águas territoriais da Dinamarca e apareceram em frente a uma ilha dinamarquesa. Alguns analistas leram esta iniciativa como uma retaliação pela implantação na Ucrânia de mísseis antinavio Harpoon doados a Kyiv por Copenhague, que supostamente afundou uma grande locomotiva russa na Ilha Serpente. Poucas horas depois, dois barcos de patrulha da Frota do Mar Negro se aproximaram de uma plataforma de petróleo romana e ficaram ao alcance de suas armas por horas.

READ  Sem entender o sinal durante o bungee jumping, a garota pula da ponte sem cordas e morre

Entre os muitos pontos de atrito entre a OTAN e Moscou, Kaliningrado é um dos mais preocupantes. De fato, é território russo: uma situação que, aos olhos de falcões de Moscou como Andrei Klimov – senador do partido de Putin e diretor legislativo da anexação da Crimeia – justifica o uso da “autodefesa”: uma ameaça que pode incluem o uso de armas nucleares.