Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Queda nas vendas de automóveis, o efeito bumerangue dos incentivos estatais

Queda nas vendas de automóveis, o efeito bumerangue dos incentivos estatais

Turim — Finalmente aconteceu, depois de dezenove resultados positivos consecutivos chegou o primeiro sinal negativo. Pode ser o início de uma série. Em março – segundo dados do Ministério dos Transportes – foram matriculados 162.083 automóveis novos, ou seja, menos 3,7% que no mesmo período de 2023. As previsões já indicavam em dezembro que 2024 seria complexo, mais difícil do que 2023, quando os fabricantes de automóveis ainda conseguiam desfrutar de uma longa recuperação pós-Covid. O mercado automóvel italiano entrou no vermelho no mês passado: o seu primeiro revés desde agosto de 2022. E foram os carros movidos a bateria que pagaram o preço, no meio da mudança para a mobilidade elétrica: Em março, os registos de veículos elétricos caíram 35,2% face a 2023 e a sua quota de mercado caiu de 4,8% para 3,3%. Se você olhar o trimestre a participação é de 2,9%.

Automotivo: Mercado está no vermelho, com queda de 3,7% nas vendas em março

Por Diego Longin

Foram vendidos 451.261 carros desde janeiro, um aumento de 5,7% em relação ao primeiro trimestre do ano passado. Razões para parar? A crise geral que provocou uma desaceleração nas vendas, além do fato de quem é obrigado a trocar de carro esperar há meses pelos novos incentivos anunciados pelo Ministro dos Negócios e do Made in Italy, Adolfo Orso. Os subsídios são mais ricos que os em vigor, necessários para impulsionar as vendas de carros plug-in, mas se tudo correr bem, as contribuições estarão lá em maio, após a assinatura do Palazzo Chigi e a mudança para o Auditório.

READ  Será que o Mediterrâneo se tornará um centro de hidrogénio verde? Relatório do economista

Carros, esse é o bônus ao instalar GLP ou metano em vez de gasolina

Por Diego Longin

É neste ponto que se concentra a atenção dos representantes das diversas associações comerciais. “É necessário continuar a sublinhar a importância e urgência de activar em breve o novo sistema de incentivos – O presidente da Unrae, associação que coleta siglas de empresas estrangeiras, confirma Michel Cressy “Caso contrário, corremos o risco de perder metade do ano com impacto muito limitado em 2024.” E na mesma linha Anvia, associação que reúne empresas coligadas, com o presidente Roberto Vavasori“A desaceleração no registo de carros recarregáveis, especialmente carros eléctricos, demonstra a necessidade de implementar rapidamente o novo sistema de incentivos, e evitar o efeito de espera de continuar a pressionar a procura.” Secretário da Motus-E, Francesco NasoInsiste na “necessidade de ativar o novo sistema EcoBonus para evitar a paralisação do mercado automóvel, num período do ano caracterizado por um grande volume de vendas”.

Incentivos automotivos 2024 Os bônus não são apenas para carros elétricos: o que saber sobre sucateamento e novas contribuições

Por Diego Longin

o Grupo Stellantisda qual a Exor é acionista majoritária e que também controla República, vendeu na Itália em março – segundo cálculos da Dataforce – 52.125 carros, ou seja, 11,9% a menos que no mesmo mês de 2023. A participação de mercado caiu de 35,1% para 32,1%. No primeiro trimestre do ano, o número de registros atingiu 150.280, um aumento de 4,2% em relação a 2023, e a participação atingiu 33,3% ante 33,7%.

O futuro do carro

READ  Tudo o que você precisa saber antes de comprar um Renault (confiabilidade, problemas, preços, qualidade)

Nas saídas de Mirafiori 1500, ataque do Arcebispo: “Ducha fria de Páscoa”

Diego Longin


Ontem o Ministro Orso abriu a rodada de discussões locais sobre a situação das fábricas da Stellantis. Primeira consulta meu arquivo. O grupo liderado por Carlos Tavares confirmou os cinco novos modelos. No entanto, o verdadeiro problema são as atividades relacionadas com a fábrica em Basilicata, depois que a Stellantis trouxe de volta os vários processos para a fábrica. É por isso que os sindicatos, que também exigem um modelo híbrido, não estão satisfeitos. Hoje é a vez de Mirafiori. Os representantes dos trabalhadores e as autoridades locais vão solicitar um modelo adicional para a fábrica de Turim, onde são produzidos o 500 eléctrico e dois modelos Maserati, para reduzir os despedimentos. Os sindicatos querem respostas sobre a possível transferência da produção do Convencional 500 da Polónia para Turim e planeiam visitar o CEO Tavares em Paris se não estiverem satisfeitos.