Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Putin celebrará a vitória, Kiev celebrará a Europa – o mundo

Putin celebrará a vitória, Kiev celebrará a Europa – o mundo

O conflito entre a Rússia e a Ucrânia está se movendo historicamente por ocasião do aniversário da vitória na Segunda Guerra Mundial. Vladimir Putin prepara um desfile na Praça Vermelha e declara a necessidade de combater os “atual herdeiros ideológicos” do nazismo, ou seja, os governantes de Kiev. Volodymyr Zelensky respondeu decidindo não comemorar a vitória sobre o nazismo no dia 9 de maio, como aconteceu até agora com a Rússia, mas no dia 8, como acontece no “mundo livre”.

Um contraste inicialmente devido à diferença de fusos horários, mas que se tornou um símbolo da nova divisão do mundo. A Rússia aguarda ansiosamente o desfile de amanhã após repetidos ataques de drones em seu solo, incluindo dois que explodiram sobre o Kremlin na semana passada. Um episódio interpretado pelas autoridades de Moscou como uma tentativa do serviço secreto ucraniano de matar Putin.

Tradicionais desfiles foram cancelados em mais de 20 cidades, mas uma decisão semelhante à que estava marcada para a Praça Vermelha teria sido quase uma admissão de derrota. Assim, milhares de soldados desfilarão com suas armas sob os muros do Kremlin conforme planejado, e o presidente fará seu discurso regularmente. Mas à tarde, a tradicional marcha do Regimento Imortal é cancelada por questões de segurança, ou seja, os descendentes dos combatentes contra o Terceiro Reich desfilando retratos de seus parentes. No ano passado, o próprio Putin participou, mostrando a foto de seu pai. Apenas alguns chefes de estado e de governo estrangeiros comparecerão ao desfile: os chefes de Belarus, Armênia, Cazaquistão, Quirguistão, Uzbequistão e Tadjiquistão. Algumas das ex-repúblicas soviéticas às quais Putin enviou uma mensagem pedindo uma luta conjunta contra Hitler como membros da União Soviética. “É nosso dever moral preservar as tradições sagradas de amizade e assistência mútua que herdamos de nossos pais e avós, não permitir a distorção da verdade histórica sobre a Grande Guerra Patriótica e não permitir que as justificativas dos nazistas e seus cúmplices “, disse Putin, em uma aparente referência ao governo em Kiev. Zelensky respondeu, traçando uma analogia entre o líder russo e Hitler. : A Rússia será derrotada “da mesma forma” em que o nazismo foi derrotado em 1945, afirmou ele, antes de declarar que a Ucrânia passaria a comemorar a vitória sobre os nazistas um dia antes de Moscou, 8 de maio.

Em vez disso, o nono dia foi declarado o Dia da Europa, como na União Europeia, à qual Kiev aspira aderir. De fato, ele já se sente parte de sua herança cultural, disse Zelensky, postando uma mensagem no Telegram acompanhada de uma bandeira ucraniana e outra da União Europeia. Não é por acaso que amanhã a Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, chegará à capital ucraniana em visita para mostrar o “apoio inabalável” da UE ao governo ucraniano. Com a mudança da data do feriado, Zelensky pretende enviar um sinal sutil: a Ucrânia, ele deixou claro, já faz parte desse partido europeu que, assim como o nazismo destruiu (omitido o papel de Moscou), derrotará o presidente ucraniano. Conhecido como “rusquismo”, é um novo termo inventado em Kiev para se referir ao “fascismo russo”. Moscou certamente não pode lidar bem com isso. A decisão de Zelensky mostra que ele é um “traidor”. De fato, “a nova encarnação de Judas no século 21”, ou mesmo “o colaborador fascista depois de 80 anos”, escreveu a porta-voz do Ministério das Relações Exteriores Maria Zakharova no Telegram.

Farnesina, os italianos devem deixar a Ucrânia imediatamente – “Ataques de mísseis cada vez mais pesados ​​ainda estão sendo registrados em Kiev e em todo o território ucraniano. Recomenda-se a máxima cautela. Viagens para a Ucrânia, em qualquer capacidade, não são absolutamente recomendadas. Para cidadãos ainda presentes na Ucrânia, é altamente recomendável usar os meios ainda disponíveis, incluindo os comboios, para deixar o país de imediato, em horários em que não esteja em vigor o toque de recolher. É o que lemos no site Viaggiare Sicuri, administrado pela Unidade de Crise do Ministério das Relações Exteriores, em atualização também publicada hoje na homepage da Embaixada da Itália em Kiev.

READ  100 quilos de narcóticos apreendidos