Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Protesto contínuo contra reforma previdenciária na França e guerra de gangues em Paris – Europa

Protesto contínuo contra reforma previdenciária na França e guerra de gangues em Paris – Europa

Na França, o nono dia de manifestações contra uma reforma previdenciária que aumentaria a idade mínima para deixar o trabalho de 62 para 64 anos. Paris passou por uma gigantesca procissão, e confrontos e prisões aconteceram em outras cidades. A manifestação parisiense começou pacificamente desde a Bastilha, mas a caminho da Opéra Garnier, uma centena de massas negras atacaram um restaurante fast food, quebrando as vitrines de um banco e uma loja de conveniência, destruindo bancos e abrigos.

Agora é uma guerra de guerrilha em Paris, quando grupos de jovens mascarados invadem a área da Bastilha e as ruas do Marais esta noite, após o fim oficial da manifestação, incendiando caixas e detonando grandes bombinhas. Numa correria geral, a polícia e os gendarmes deslocaram-se ao local, atacaram os jovens – que já tinham fugido – e lançaram várias bombas de gás lacrimogéneo na praça. As sirenes e o cheiro de gás lacrimogêneo assustaram as pessoas sentadas nas mesas dos bares e os transeuntes.

líder de La France Insoumise, Jean-Luc Mélenchonele twittou: “Estamos escrevendo uma grande página na história social da França. Não estaríamos lá se não fosse por um tópico como Dois anos de vida livre ou Shackle em jogo.”

Em Bordeaux, onde os acidentes são particularmente graves, o grande portão de madeira na entrada da prefeitura pegou fogo. O ministro do Interior, Gérald Darmanin, que esta noite se instalou nos corredores da Prefeitura de Paris, elogiou o trabalho da polícia e dos gendarmes “alvo de ataques inaceitáveis” por parte das pessoas que abandonaram as manifestações. O ministro atualizou os números Inc., que subiu hoje para 172 na França, incluindo 77 em Paris.

READ  Filas de gasolina no Reino Unido

As forças policiais tentaram intervir, mas foram alvejadas com objetos, pedras e coquetéis molotov. Os bombeiros intervieram várias vezes para extinguir as chamas. 123 policiais e gendarmes ficaram feridos. O número de detidos subiu para 80.

Reforma previdenciária na França, tensa no Grand Boulevard em Paris


Como sempre, o número de pessoas que participaram das manifestações foi muito diferente entre a versão dos sindicatos e a versão da polícia. Mas de qualquer forma, hoje esses recordes são igualados ou quebrados. Se havia 800.000 na CGT em Paris, a polícia contava com 119.000, em ambos os casos o maior número desde o início do protesto, há dois meses. Quanto ao número de manifestantes na França, foi de 3,6 milhões (igual recorde) para a Confederação Geral dos Trabalhadores e 1 milhão e 89.000 para a polícia.

Reforma previdenciária na França, os trilhos da ferrovia são ocupados na Gare de Lyon em Paris


Durante os acontecimentos do Black Bloc, um policial foi atingido na cabeça por um “paralelepípedo” que se desprendeu da pista e foi levado com urgência ao hospital. Também houve incidentes em Le Havre, no norte, onde 8 pessoas foram presas por danificar móveis urbanos e incendiar caixas e itens públicos. Oito também foram presos em Rouen, na Normandia, onde outras 11 pessoas estavam sendo tratadas por ferimentos sofridos durante os confrontos. Entre eles está uma mulher que reclama que seu polegar foi amputado.

França: Reforma do sistema de pensões, a chegada da procissão de Paris à Place de la Republique

Após a entrevista do presidente na televisão, que atraiu críticas venenosas de sindicatos e opositores, os franceses continuam o nono dia de greves nacionais e mobilizações contra a reforma previdenciária de Emmanuel Macron. Em entrevista ao vivo no TF1 e no France 2 após semanas de tensões sociais, Macron foi direto ao assunto, anunciando que a reforma – a mais importante de seus cinco anos no Eliseu – seria implementada “até o final do ano” e ele disse que estava pronto para suportar toda a impopularidade necessária em nome do maior interesse da nação.

READ  Ucrânia: 'Três meses sem luz', moradores de Odessa pediram para sair - O Mundo

“Esta reforma não é um prazer, não é um luxo, é uma necessidade”, chocou o chefe de Estado na entrevista e foi seguido por 10 milhões de telespectadores, segundo dados do MediaMetri, convicto da importância do seu projeto, que prevê um aumento gradual da idade de aposentadoria de 62 para 64 anos. Um nível que, de qualquer forma, permanecerá inferior ao oferecido anos atrás por todos os outros grandes parceiros europeus, incluindo Itália e Alemanha.