Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Principais Fãs do Scudetto”

Milão – Técnico Milan Stefano Pioli Fale no centro, na luxuosa casa da BMW inaugurada em dezembro passado. Neste evento também esteve presente um treinadorArmani MilãoE a Ettore Messina: Dois italianos na mesma sala. Ele não está falando sobre o mercado ou os favoritos no próximo torneio: Os dois falaram sobre métodos de trabalho e contaram como gerenciar grupos vencedores. Foi uma conversa fora da caixa entre os verdadeiros vencedores.

Veja a galeria

Ziyech e Origi, as novas estrelas da Pioli Milan

Reda Bewley

A BMW é parceira de Milão há dois anos e a Pioli está associada à marca alemã. Ele falou sobre sua profissão e sua forma de formação: “Você tem que entender que tipo de viagem você quer fazer. Sempre levante a barra. O mais importante é colocar em prática o caminho que você está considerando e deve fazê-lo com coragem para tentar crescer a cada dia. Para obter um resultado importante, você deve dar tudo de si e incentivar seus jogadores a subir de nível. Começa a ser melhor desde o primeiro dia em que a temporada começou. Ser o melhor do Milan é emocionante porque em Milanello, por exemplo, temos fotos de grandes times do passado do Milan. Foi um catalisador para chegar a esse rosto em Milanello… não uma pressão, mas um impulso. Número do treinador no futebol moderno? Antes eu delegava muito menos e fazia tudo sozinho. Agora utilizo mais a equipe, mesmo conversando muito com o médico, gerente de equipe, gerente de viagens… Foco nas minhas prioridades e depois decido o que é melhor para a equipe. É essencial que você se compare com seus funcionários. comunicação? Estar preparado para as perguntas dos repórteres é importante sem se trair. As características mais importantes são a eficiência e consistência que devem ser demonstradas com o grupo de jogadores, mas também com aqueles que trabalham com você. Cada vez mais grupos multiétnicos? Ver jovens no vestiário vindos de diferentes países ficando juntos, trabalhando e dando o seu melhor apesar de culturas diferentes é lindo. Dá a sensação de um grupo unificado que cresce dia a dia. Procuro conhecer suas religiões e culturas porque quanto mais conheço as crianças, mais posso enfrentar as situações que existem durante a temporada. Vejo homens que permanecem juntos apesar das diferenças e lutam juntos por um objetivo importante. Quando entro no vestiário no pré-jogo e há silêncio, fico preocupado porque geralmente há música de bola ‘inaudível’ antes mesmo de eu entrar no estádio. Não teria acontecido no passado. as regras? Compartilhar é importante. Alguns anos atrás eu tinha 3 páginas de regras internas, enquanto agora tenho 5 regras. Desde que nunca lhes falte profissionalismo e respeito pelos companheiros. Insatisfeito no grupo? Quem joga um pouco com o seu profissionalismo, o seu empenho durante a semana e a sua dedicação à causa exigem que outros mantenham o seu nível de formação elevado. Devemos fazer com que todos se sintam envolvidos e campeões porque cada detalhe pode ser essencial no torneio que está sendo conquistado: uma defesa, uma jogada, um gol em uma partida. Semelhanças e diferenças com o basquete? O esporte de alto nível me fascina. Basquetebol e futebol são completamente diferentes, mas sigo treinadores de um certo nível, como se posicionam, como falam… Messina é um deles. A tecnologia é usada para avaliar o desempenho dos jogadores, mas quando estou em dúvida entre um jogador e outro, escolho com base nos meus sentimentos, como os vejo e sinto. aos meus instintos. Retorno das massas? Eles foram ótimos conosco. No início da temporada não estávamos começando os favoritos, tínhamos um time jovem, mas uma ótima jogabilidade: arrastamos até o fim, eles vieram atrás de nós, nos ajudaram muito. A sensação de estar sendo observada é normal e não me incomoda: jogamos todos os dias e todos os dias tem exame. Sinto-me confortável na busca de um objetivo específico. Eu não me preocupo muito com o que eles dizem porque acho que às vezes há um pouco de equilíbrio nos julgamentos. Tenho um equilíbrio interno que me permite avaliar bem as prioridades“.

Messina explica

O técnico da Armani, clube associado à BMW há 10 anos, também falou: “Quem é o vencedor? Queremos tentar ser a melhor versão possível de nós mesmos nas dificuldades. Tudo em linha reta nunca vai. Quem estiver melhor no momento crucial vence e você não pode se preocupar se não o fizer. Vencer significa elevar a fasquia. Todos os dias, antes do treino, passamos por uma galeria de fotos dos heróis que vieram antes de nós e isso é um incentivo. Jogando em uma cidade com Milan e Inter e onde está o La Scala, sabemos que temos que ganhar muitos jogos para trazer as pessoas para a arena. Fizemos isso com três vendidos na série final, mas também em massa na série anterior. Pagamos ao público. minha tripulação? Não tenho dez assistentes como Bewley, mas quatro assistentes mais dois analistas de vídeo, enquanto em 1990 eu tinha um e meio. Agora o treinador está coordenando especialistas de alto nível e você precisa saber alguma coisa sobre preparação e recuperação de lesão… levei três horas. Popovic para mim Santo António Ele tem medo de ver muitas vezes com os caras: ele diz que é melhor ter menos treino, um jantar, uma reunião. Devemos nos adaptar à “heterogeneidade” de comportamento para criar grupos: nem todos precisam assistir ao mesmo filme, ouvir a mesma música ou fazer a mesma coisa depois do jantar. Futebol e basquete? Sigo outras disciplinas e Pioli em particular. Parece-me que é muito difícil treinar 27-28 equipas como é no futebol. O que eu invejo? O gráfico…“.

READ  Campeão Ronaldo empolgado após o recorde: 'Eu sabia que ia marcar'