Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Poemas sobre Gênova | Antonio Tabucci “A Ameaça do Horizonte” |

Antonio Tabucci Nasceu em Pisa em 1943 e desde cedo se apaixonou pelos livros, graças à rica biblioteca de seu tio materno. Durante os anos universitários viajou muito, e quando visitou Paris, deparou-se pela primeira vez numa banca com um livro do escritor Fernando Pessoa que iria mudar a sua vida, do qual Tabucci foi o primeiro. Especialista. Em 1973 ele começou a ensinar língua portuguesa e literatura em Bolonha e começou a escrever ensaios e romances (Indian Night em 1984 foi um grande sucesso). Ao longo de sua vida, Tabucci foi escritor, mas também desempenhou diversas funções, como crítico literário, tradutor e lucista italiano. Faleceu em Lisboa em 2012 após uma longa doença.

Seu romance mais famoso Pereira dizRendeu-lhe os prémios Campiello e Viareggio, mas há outro romance, menos conhecido, que merece destaque, cujo título linha do horizonte. Ambientado em Gênova, foi escrito pelo autor durante sua estada de 12 anos na cidade, quando parou para dar aulas de literatura portuguesa. Gênova influenciou muito sua obra literária, de fato o próprio Tabucci escreve: “Este livro deve-se a uma cidadeInvernos especialmente frios e uma janela”.

É um livro de tom noir em que o protagonista Spino, com a intenção de dar um nome ao cadáver de um estranho, é na verdade um personagem genérico sobre si mesmo. Aqui está ela Conspiração. “Uma cidade litorânea que lembra Gênova, a verdade ambígua do sangue, um cadáver anônimo, um homem que parte em sua própria investigação para revelar sua identidade. Mas o processo de ficção policial de Spino não segue uma lógica de causa/efeito. Em vez de aparências visíveis , ele busca significados nessas aparições, e sua Pesquisa corre por um fio ambíguo que separa o espetáculo do espectador, de modo que sua investigação se torna ‘louca’ e de uma investigação de uma morte resvala para o plano das causas secretas que norteiam uma existência, transformando-se numa espécie de queda livre, vertiginosa e constrangedora ao mesmo tempo: a busca ofegante de uma meta, como o horizonte, parece mover-se com seus seguidores.

READ  Treinador diz que Portugal não pode se qualificar para o Mundial | Notícias de futebol

Aqui está uma das passagens que descreve encantadoramente um passeio imaginário em um elevador, ou talvez um funicular.

[…] Ele foi além da moldura de palácios que compõem os palácios da cidade, até os elevadores que levam até as montanhas. Naquela época, não havia ninguém nos elevadores e eles estariam cheios à tarde voltando do trabalho. O operador era um velho com um uniforme negro de carbono e uma mão de madeira […]. Junto às janelas da cabana, no primeiro troço do caminho, corre sobre carris como um funicular, passando pelas paredes principais das casas, pequenos espaços abertos escuros onde vivem gatos, os portões do quintal, onde se avistam uma bacia, uma bicicleta enferrujada, gerânios e manjericão plantados em latas de atum. Então, de repente, as paredes se abrem: é como se o elevador rompesse os telhados e fosse direto para o céu, por um momento parece suspenso no vazio, os cabos de tração deslizam silenciosamente, o porto e os edifícios correm baixo. Quase se tem a impressão de que a subida não para nunca, que a gravidade parece uma lei absurda e a cidade um brinquedo, um alívio a se acostumar.”.

(Antonio Tabucci, A Ameaça do Harrison, 1986)