Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Pescado italiano, causa da crise do setor

A mudança climática, a importação de peixes do exterior e uma burocracia cada vez mais sufocante estão colocando em crise um importante setor agroalimentar italiano, à medida que a epidemia lidava com a turbulência. A segurança do consumidor também é prejudicada

Foto via Fotos grátis a partir de Pixabay

(Rinnovabili.it) – Perda de 500 milhões de euros entre a não venda da produção, a queda dos preços e o encerramento de restaurantes. Somente O fechamento do setor HoReCa reduziu as vendas de pescado em 30% italiano Desde o início da epidemia. Garantir o cumprimento das medidas de distância e segurança dos navios também envolvia custos, mas os pescadores faziam tudo o que podiam para garantir o abastecimento dos consumidores.

A queda nas vendas de restaurantes não foi correspondida Compras internas, que também cresceram 6,7% em 2020 (Análise Coldrite nos dados Audição) Houve diferença significativa nas vendas de pescado congelado (+ 17,6%) em relação ao pescado fresco (+ 2,3%), mesmo superado por peixes em conserva, como atum em lata (+ 5,8%), seco ou defumado (+ 11%). Deve-se notar que A venda de pescado congelado nada tem a ver com o mercado italiano porque 90% vem do exteriorMuitas vezes não está claro de onde veio.

Leia também Hipocrisia e neocolonialismo: as acusações contra a caça sustentável em Bruxelas

A situação crítica no setor das pescas demorou algum tempo: Nos últimos 35 anos, perdeu quase 40% de seus barcos, com um impacto devastador na economia e no emprego, Como dados retirados de uma análise Coldiretti Impressesa Distribuído por ocasião do Dia do Mar.

Todos os anos, os italianos consomem cerca de 28 kg de peixe por pessoa, um valor total superior à média europeia. No entanto, outros países europeus com uma faixa costeira semelhante, como Portugal, têm um consumo quase o dobro que chega a 60 kg per capita por ano.

READ  Os mercados de hoje aguardam o Fed: o que acontece?

Mudança climática altera o equilíbrio das espécies

A epidemia não é o único problema que afeta o setor pesqueiro na Itália. Regulamentações europeias e nacionais impuseram uma queda acentuada na atividade pesqueira (Uma restrição também relacionada à proteção do meio ambiente e das espécies de peixes). Essas medidas reduziram os dias de trabalho reais no mar a uma média de pouco menos de 140 dias por ano. Se somarmos a falta de amortecedores e políticas de mercado capazes de compensar as rupturas, fica claro que a pesca deixou de ser sustentável para grande parte da frota nacional.

A última dificuldade, mas não menos importante, Disponibilidade de peixes que mudaram devido a mudanças climáticas que causam uma reversão no equilíbrio das espécies. No mar Mediterrâneo, espécies incomuns apareceram em nossas latitudes e se tornaram dominantes às custas das nativas, que se tornaram raras. Entre as espécies que estão passando por mudanças climáticas estão as anchovas e sardinhas, que aquecem.

Leia também La Prud’homie, Presidência do Slow Food para a Pesca Sustentável

A mudança climática, a importação de peixes estrangeiros e uma burocracia cada vez mais sufocante reduziram o número de barcos de pesca italianos a apenas 12.000 unidades: o empobrecimento põe em risco o futuro de um importante setor agroalimentar italiano. Quem sofre os efeitos finais dessas dificuldades complexas é o último elo da cadeia, o consumidor, Que não oferece o pescado italiano – que oferece garantias de qualidade e segurança – mas o que vem do exterior e está sujeito a menos controles.