Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Para além dos “grandes investimentos”: enfrentamos o risco de um deserto na saúde

Para além dos “grandes investimentos”: enfrentamos o risco de um deserto na saúde

Longe de ser “o maior investimento da história na saúde dos italianos”, como gosta de dizer Giorgia Meloni. A crise dos serviços de saúde abalada pela pandemia não será resolvida, mas será agravada pelas políticas de saúde de direita. Isto é apoiado por 75 associações científicas de médicos hospitalares de todas as especialidades que realizaram ontem uma conferência de imprensa sobre este tema em Roma. Durante a emergência da Covid – explicou o coordenador do Fórum Empresarial, Francesco Conetti – o número de leitos caiu de 257.977 em 2020 para 225.469 em 2022. O número de 1.091 hospitais em 2012 caiu para 966 em 2022, e dois terços dos fechamentos incluía hospitais públicos. Depois há a questão do dinheiro, sobre a qual o governo muitas vezes tenta jogar um jogo falso: “Em 2024, o financiamento do Fundo Nacional de Saúde aumentou em termos absolutos em comparação com 2021”, admitem os médicos. “Mas diminuiu em relação ao PIB e foi significativamente corroído pela inflação elevada. Além disso, estes recursos têm sido largamente utilizados para conseguir pequenos aumentos contratuais no pessoal e são incapazes de conter o êxodo de médicos.” Portanto, em termos reais, há menos dinheiro para a saúde do que antes.

Este dinheiro não chega, e isso fica evidente na questão dos níveis básicos de assistência, ou seja, dos serviços básicos de saúde que as regiões devem garantir aos seus cidadãos. A nova lista LEA está pronta há anos, aumentando o número de benefícios a que cada cidadão tem direito, independentemente de onde viva. Mas também este ano a candidatura foi adiada para 2025 por falta de recursos. Agora as comunidades científicas temem o novo impulso no sentido da descentralização, com potencial para uma autonomia diferenciada.

READ  Demência Demência: Previna-se com bons hábitos simples. Aqui qualquer um deles

Também preocupante é a falta de pessoal, que hoje obriga as autoridades de saúde locais a contratar especialistas (aqueles que ainda não fugiram para o estrangeiro). “Nos próximos sete anos – explicam os médicos – haverá mais 30 mil médicos, mas os tempos são muito longos”. São, portanto, necessárias intervenções “urgentes”: acabar com o número limitado nas faculdades, aumentar os salários dos setores mais exigentes (o pronto-socorro e a sala de recuperação, onde as competições ainda estão desertas) e acabar com o teto de gastos para o pessoal, o que leva a gastar dinheiro atribuído a médicos “que pagam em moedas” que foram adquiridos ao abrigo da rubrica orçamental “bens e serviços”.

Sem estas medidas, corre-se o risco de “desertificação sanitária”, denuncia a associação “Citadinanzativa”, que há anos monitoriza os serviços à disposição dos cidadãos. Ontem, apresentou declarações por ocasião do 18.º Dia Europeu dos Direitos dos Pacientes. A “desertificação” significa que encontrar um médico em algumas áreas já é um desafio. E não é apenas um problema do Sul. A nível nacional, existe um médico num hospital ginecológico para cada quatro mil habitantes, mas em Caltanissetta existe apenas um médico para cada 40 mil habitantes. Porém, mesmo nos hospitais distritais de Bolzano, há dois cardiologistas no total, ou seja, um médico para cada 224 mil habitantes (não um para cada seis mil, que é a média italiana). Brianza tem 18 mil cidadãos sem médico de família e a província tem menos pediatras do que o número de crianças de Asti. “A falta de serviços na região, a falta de algumas figuras profissionais específicas e a distância dos centros de saúde, especialmente no interior, periferia e regiões periféricas do país, representam um elemento de desigualdade no acesso aos cuidados e serviços que devem ser abordada através de uma aliança entre instituições, profissionais de saúde e cidadãos.” Comentários Anna Lisa Mandorino, Secretária Geral da Cittadinanzattiva A Associação Médica Anaao-Asomed também se juntou ao alarme, denunciando as desigualdades regionais nos serviços sociais: “Em Bolzano são gastos 583 euros por habitante, e em Messina 53”, afirma Perrino di Silverio. “Corremos o risco de desintegração social”. “As autoridades locais de saúde – continua – não serão da responsabilidade do Ministério da Saúde, mas serão da competência das regiões. cada região pode decidir quais serviços devem ser prestados gratuitamente e quais podemos chegar ao paradoxo de que uma determinada visita pode ser gratuita na Lombardia e paga na Calábria.”

READ  Dinossauros que caçam no escuro