Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

“Os terroristas ganharam 900 milhões.”  Relatório de trauma

“Os terroristas ganharam 900 milhões.” Relatório de trauma

Sessenta e seis páginas. O documento é extremamente longo, detalhado e chocante, relatando uma série de especulações milionárias no mercado de ações imediatamente antes e depois do massacre do Hamas em 7 de outubro. O estudo, publicado pela revista “Ssrn” e assinado por Robert J. Jackson Jr. da Faculdade de Direito da Universidade de Nova York e Joshua Metts da Faculdade de Direito de Columbia, afirma que alguns comerciantes, ligados a terroristas, ganharam milhões de dólares sabendo pelo primeiras semanas o que aconteceria com Israel. como? Ao vender, sem possuir (ou seja, “shorting”), ações de empresas israelenses. “Os comerciantes conheciam o plano do Hamas e previram eventos futuros dias antes do ataque”, afirmam os dois investigadores no relatório que cita o índice de fundos negociados em bolsa (ETF), que atingiu o pico em 2 de outubro com base em dados da autoridade do setor israelita. Até agora, a Bolsa de Valores de Tel Aviv negou esta questão, mas a Reuters confirmou que “o assunto é do conhecimento da Autoridade de Valores Mobiliários de Israel (ISA), que é responsável pela regulação do mercado financeiro, e está sob investigação”.

O Hamas e os verdadeiros despojos de guerra

O relatório publicado pelos dois professores em Nova Iorque documenta como um trader anónimo vendeu 4,43 milhões de ações do Bank Leumi, o maior banco israelita, a descoberto entre 15 de setembro e 5 de outubro, apostando que o preço das ações cairia.

Após o ataque, o preço das ações de Leumi desabou e obteve um lucro de quase US$ 900 milhões. As vendas a descoberto superaram as que ocorreram durante outros períodos de crise, como a recessão de 2008, a guerra sectorial de 2014 e depois a pandemia. “As nossas descobertas sugerem que os comerciantes que sabiam de ataques iminentes lucraram com estes eventos trágicos e, de acordo com a literatura anterior, mostramos que negociações deste tipo ocorrem em lacunas nos EUA e na implementação internacional de proibições legais à negociação informada”, escrevem os especialistas. Outro trader realizou até 227 mil vendas a descoberto em 2 de outubro contra o EIS (Plano de Investimento Empresarial), um título negociado na Bolsa de Valores de Nova York. “O valor do EIS – lemos no relatório – diminuiu 7,1% no dia 11 de outubro, primeiro dia em que o mercado americano abriu após o ataque, e no primeiro mês perdeu 17,5% do seu valor, o que significa que este O trader obteve bons lucros com as negociações de 2 de outubro.” De acordo com os pesquisadores, houve um aumento forte e incomum na negociação de opções de curto prazo sobre empresas israelenses pouco antes dos ataques. “É altamente improvável que o volume de vendas a descoberto em O dia 2 de outubro ocorreu por acaso”, destacaram os dois professores.

READ  Tanque russo capturado por ucranianos não funciona, oficial de Kiev pede apoio técnico ao inimigo. Objeções

A rede de financiamento (cripto) que alimenta terroristas

“O Hamas, que os Estados Unidos declararam uma organização terrorista desde 1997, não pode realizar transacções no mercado livre”, escreveu o Daily Mail britânico. “Qualquer figura do Hamas que tente fazê-lo corre o risco de ter os seus activos congelados pelo Tesouro dos EUA.” Por esta razão, a organização tem aproveitado sistemas de financiamento inovadores, como as criptomoedas. Do exterior, a milícia recebe o apoio necessário para desafiar a segurança do Estado judeu. Uma reportagem do Wall Street Journal destacou que entre agosto de 2021 e junho de 2023, três grupos terroristas (Hamas, Jihad Islâmica Palestina e seu aliado libanês Hezbollah) receberam coletivamente mais de US$ 134 milhões em criptomoedas. Segundo o jornal, “o Hamas obteve aproximadamente US$ 41 milhões em moedas digitais durante um período de aproximadamente dois anos”. O movimento Jihad Islâmica recebeu US$ 93 milhões. Duran contorna sanções e complica a destruição da máquina de guerra do Hamas.

© Todos os direitos reservados