Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Os atrasos, o dinheiro não gasto do Pnrr e as poucas ideias sobre novos empréstimos necessários

Os atrasos, o dinheiro não gasto do Pnrr e as poucas ideias sobre novos empréstimos necessários

Enquanto o governo ainda não concluiu as discussões internas para definir quais projetos cancelar dentro do Pnrr, já chegou um pedido de novos recursos da Itália. Até ao final de março, os países europeus que pretendessem obter outros empréstimos de entre os previstos no fundo de recuperação tiveram de enviar um pedido a Bruxelas. Aviso a ser confirmado oficialmente até o final de agosto. A Espanha preencheu os 84 mil milhões necessários (ao contrário da Itália, que em 2021 teria preferido suportar apenas os custos de apoio), bem como a Polónia (23 mil milhões) e Portugal (11 e meio).

Até a Itália, de forma um tanto surpreendente, fez um pedido, sem especificar um valor exato. A intenção é dividir o bolo de 80 bilhões de euros oferecido por outros países europeus por enquanto, se as intenções divulgadas até agora em agosto se confirmarem. O resultado não é claro: A Itália, juntamente com a Grécia e a Roménia, já atingiu o empréstimo máximo com garantia de 122 mil milhões de euros em 2021. O regulamento europeu estabelece que o limite pode ser ultrapassado “em circunstâncias excecionais”, a negociar com a Comissão Europeia.

Muito O governo de Georgia Meloni quer mais empréstimos para fornecer taxas de juros cada vez mais altas à medida que o Banco Central Europeu se move. Embora muitos votos na maioria proponham periodicamente abrir mão de parte dos fundos. O que nos falta, no entanto, são ideias sobre como esse dinheiro será gasto. Os novos empréstimos destinam-se a financiar o RepowerEu, o capítulo adicional da energia que deve ser apresentado até agosto, e para o qual a Comissão Europeia não perde tempo em lembrar que quanto mais enviar para Bruxelas, melhor. Ele é. Um apelo que apenas alguns países ouviram até agora.

READ  Em alta no mercado de carros usados. "Os preços aumentaram 33%"

Mas Roma deveria prestar atenção especial às propostas europeias. Itália espera 150 dias para transferir 19 mil milhões de euros da terceira prestação. Se a Itália não solicitar a mudança de plano antes de junho, é provável que também tenha que esperar pela quarta parcela, que pode ser solicitada em 30 de junho de acordo com o calendário. Aliás, já sabemos que vários prazos não foram cumpridos atempadamente – na produção, utilização e distribuição do hidrogénio, por exemplo – e o novo plano terá de ajustar as metas falhadas para não tornar a Itália incumpridora e, por isso, indigna dos fundos europeus. Recorde-se que por cada prazo não respeitado, a Itália pode perder mais de 350 milhões de euros, valor que pode ser ajustado em função da gravidade do atraso e da importância de não cumprir a meta. Paolo Gentiloni disse claramente: depois de junho será complicado mudar o plano e não perder muito tempo pedindo a quarta parcela. Até porque – recordam de Bruxelas – as negociações serão árduas: uma vez recebido o novo Pnrr, a Comissão terá dois meses para aprová-lo, e o Conselho da UE mais 30 dias. A menos que possíveis extensões.

E por enquanto, Enquanto novos fundos estão de fato sendo solicitados, infelizmente a Itália continua acumulando atrasos no gasto dos fundos que nos foram entregues. O novo relatório sobre a coordenação das finanças públicas do Tribunal de Contas atualiza os números impiedosos. Apenas € 1,2 bilhão foi gasto nos primeiros quatro meses do ano. O ritmo já era lento e, em 2023, diminuiu em vez de acelerar. Após o boom de gastos com construção de bônus financiados pelo Pnrr, apenas 2 milhões de euros foram gastos na transição ecológica em 2023. Para infraestruturas, mesmo zero nestes primeiros meses, não é por acaso que a ferrovia Salerno-Reggio Calabria e Roma projetos estão expostos – Pescara está agora cada vez mais ameaçada. Nos últimos dois anos, a Itália gastou apenas 73% dos recursos planejados: É por isso que 2023 era para ser o ano da recuperação, mas agora não é assim. Não é de estranhar que a Comissão coloque a Itália entre os países onde os riscos de atraso estão a “aumentar”, ao contrário do que se passa em Espanha e na Grécia (“boa execução”) e em Portugal (atrasado “alguns riscos”).

READ  Piazza Afari fica mais baixa com Generali e Mediobanca sob pressão

Não é por acaso que de Bruxelas, perante estes números deprimentes e sobretudo sem um plano de gastos credível, foram apanhados desprevenidos pela procura italiana de mais empréstimos, que mais cedo ou mais tarde – ainda que a taxas subsidiadas – terão de ser. atirar.