Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O trabalho médico está entre “ciência e consciência”, burocracia e conhecimento nunca perfeito

O trabalho médico está entre “ciência e consciência”, burocracia e conhecimento nunca perfeito

O trabalho médico é a atividade humana mais traiçoeira de todas. O médico navega entre o conhecimento científico mais atualizado possível, a prática clínica, a experiência e as diretrizes, nunca um conhecimento perfeito. “Ars longa, vita brevis, experienceum difficile, iudicium difficile.”

Este velho ditado ainda hoje explica bem quão cheio de armadilhas o trabalho humano pode ser no campo. Contudo, o médico continua a ser a pessoa que, com a sua bagagem de dúvidas, o seu conhecimento incompleto, se preocupa não só com a doença, mas também com a fragilidade humana, que a doença muitas vezes traz consigo, a precede em alguns casos ou é uma consequência direta disso. .

No quadro deste método, a actividade do médico pressupõe uma actualização constante, uma disponibilidade para ouvir o paciente, sacrificada, sobretudo nos últimos tempos, pelo machado dos tempos e pela necessidade de abolir as listas de espera. Com esta desculpa, as empresas muitas vezes incitam os médicos a limitar cada vez mais o espaço e o tempo destinados à consulta.

Há casos em que o tempo máximo de visita é de 20 minutos: tendo em conta que um idoso, ou seja, a maioria dos utentes, demora cerca de 10 minutos a despir-se e vestir-se, significa que os restantes 10 deverão ser aproveitados para o fazer. Obter o histórico médico mínimo do paciente, compreender eventuais patologias, investigar o problema, visitar o paciente e realizar o diagnóstico automatizado necessário para aquela visita, preparar o tratamento, solicitar novos exames especializados e, quando necessário, desenvolver também planos de tratamento específicos.

Tudo isso, repetimos, em 10 minutos reais. Nessa visão, a atividade do médico passa a fazer parte de uma linha de montagem em que o objetivo prioritário é a obtenção de números. Os pacientes que conseguem pesquisar em privado procuram respostas que o público já não está disposto a fornecer. Aqueles que não conseguem navegar numa dimensão onde são vistos como elos funcionais numa cadeia que deve evoluir com o tempo, independentemente das suas necessidades reais.

READ  Ciência diz que veganos são mais produtivos no trabalho

A nível central, a Itália é um dos países com os gastos mais baixos em saúde em relação ao PIB, apenas 6%, o que é claramente inferior a outros países europeus onde a média ronda os 9%. Se somarmos a tudo isto o constante êxodo do público por parte do pessoal médico, cada vez menos atraído por um sistema que exige cada vez mais e recompensa este nível para baixo, o quadro que surge é muito perturbador.

A curto e médio prazo, este quadro pode traduzir-se numa incapacidade do sistema para lidar com as exigências de uma população cada vez mais envelhecida e que necessita cada vez mais de assistência.

Continuamos convencidos de que o tratamento e a prevenção de muitas doenças devem necessariamente passar por uma análise cuidadosa de cada paciente, das suas necessidades, das suas exigências, da sua necessidade de ser ouvido e tranquilizado nos seus medos, alguns dos quais podem ser reais, outros nem tanto. mas em qualquer caso, tudo digno de atenção.

Olhar para a gestão de negócios médicos em termos de uma linha de montagem é um grande erro. Substituir o paciente, com a sua humanidade e fragilidade, por um produto, ou pior, por um número, degrada a actividade do próprio médico, ao privá-lo daquela componente humana, e ao mesmo tempo mata o paciente, cuja mercantilização levaria à negligência daquele componente humano que ele representa. Tão útil quanto a terapia medicamentosa.

Compreendemos muito bem que estamos a falar de problemas que em alguns casos, como o de Akri, parecem um luxo dado o estado em que a prestação de cuidados de saúde e assistência diminuiu. Porém, só há um caminho, que é valorizar a apresentação e a necessidade de ver o paciente na sua complexidade, humanidade e fragilidade. Tudo isto contradiz fortemente a mentalidade empreendedora em que os números são reis.

READ  Prêmio Mascagni 2021, Vence a Opocrin de Modena - Nossas Iniciativas

Massimo Conocchia