Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O “tesouro” do nosso sul, o centro de gravidade natural entre a Europa e a África

O “tesouro” do nosso sul, o centro de gravidade natural entre a Europa e a África

Olha aquele sul, mas não pode ser mesmo este sul que exige uma autonomia diferente? Você olha pela janela para o Mar Mediterrâneo e vê a África a apenas 146 quilômetros de distância. Aluguel de localização incrível no meio do novo mundo. Apesar de ser um por cento dos mares do mundo, graças à duplicação do Canal de Suez, 20 por cento do tráfego global passa pelo Mediterrâneo, 30 por cento do tráfego de petróleo e 27 por cento do tráfego de contêineres. Vingança de Cristóvão Colombo que o mergulhou no Oceano Atlântico e descobriu a América. Então, depois de Roma, a globalização renasceu e agora está voltando aqui. Ele está localizado no centro do sul da Itália.

A África é o continente do futuro. Muitos de seus países já estão crescendo mais que a China e a Índia. E a idade média de sua população (que chegará a 2,5 bilhões em 2050) é de 21 anos. Não são apenas as pessoas desesperadas nos barcos. São jovens que querem crescer, estudar, empreender, viajar, colaborar e se tornar cidadãos do mundo. O sul da Itália os confronta com suas universidades, centros de pesquisa (Cosenza é o mais importante para a inteligência artificial), ZES (zonas econômicas especiais para incentivar o investimento), cidades acolhedoras e belezas culturais e artísticas. Sul onde há muito o que fazer para ser uma atração para quem quer fazer.

Na África, neste momento, existem muitas forças, embora com propósitos diferentes. Há chineses, há russos, há turcos e há (menos) americanos. Todos menos a Europa. É por isso que ele quer Bruxelas no Mediterrâneo. Ele quer sair do gargalo no norte da Europa e do conflito na Europa Oriental, conectar Estocolmo e Oslo ao velho Mare Nostrum e torná-lo seu também. A reparação passa pela ponte sobre o Estreito de Messina e também abre rotas para o Extremo Oriente. No sul da Itália, é um centro estratégico com um sistema portuário que acolhe movimentos sem precedentes de mercadorias, pessoas, ideias e diplomacia. Porque aqui é o ponto de encontro de quatro grandes regiões econômicas. Seus países representam 13,4% do PIB global e 16,3% da população.

READ  Coletores híbridos de energia marinha para capturar luz solar, vento e ondas

No meio está o sul. Centro de gravidade. Por onde começamos novamente, reiniciando a Itália e também a Europa. Com investimentos em andamento, registrados no segundo white paper «Verso Sud» apresentado recentemente por Ambrosetti em Sorrento. Da maior megafábrica da Europa na Sicília (painéis solares), à construção do primeiro computador quântico da Itália na Campânia, ao primeiro espaçoporto em Grottaglie. Sendo o Sul o primeiro produtor nacional de energia alternativa e o primeiro consumidor, em relação à produzida no Norte de África (que hoje viaja de um lado para o outro de navio e não apenas por caras linhas transfronteiriças).

Depois a economia do mar no sul: 47,9% do total nacional, 37,5% dos ocupados, 30,4% do valor adicionado. Um sul sem o qual não haveria 85% dos carros e caminhões da Itália, não haveria a maioria dos aviões e seus componentes, não haveria grande parte dos remédios, não haveria grande parte do moda masculina de luxo (ah, Nápoles e Puglia), telefones celulares e computadores não funciona (microchips de Catania estão na liderança). Não haverá dieta mediterrânea. E não é apenas uma maneira (herança humana) de comer, mas um modo de vida que tem bilhões de potenciais imitadores. Sem esquecer o turismo, que hoje atrai não mais que 12,7% dos estrangeiros, e ainda assim está crescendo.

Este sul é a terceira maior economia do Mediterrâneo. Sua população de 20 milhões (embora diminuída pelas baixas taxas de natalidade e imigração) é 34% italiana e ocupa o sexto lugar na Europa (depois da Alemanha, França, norte da Itália, Espanha e Polônia). Até 12 países europeus são menores do que apenas a Campânia. Seu território é mais de 40 por cento nacional. Exporta para 91% dos países do mundo e sua tesouraria agrícola é a primeira da Europa. E se o Sul fosse um país independente, seria a sétima potência manufatureira da Europa, à frente de países como Holanda e Portugal.

READ  Como funciona e quando expira?

Se for um país independente. E esta autonomia que quebra a Itália e é reivindicada pelos ricos, não é que no sul não incite as ideias a ir mais longe. ir sozinho. Sem ter que dividir dolorosamente o Pnrr ou outros fundos europeus com outros. ficando apenas com sua (bem menor) parcela da dívida pública. Procura dotar-se de tudo aquilo que até agora o caracterizou, desde os serviços públicos às comunicações e infraestruturas. movendo sua locomotiva, o que seria de grande benefício para todo o país. O Sul que só precisa de meios iguais para pulverizar e nem sempre tem que fazer tudo apesar de tudo. Você sempre tem que fazer mais com menos. A Europa entendeu isso, a suicida Itália não quer entender.