Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O perigo de uma revolução contra o regime está aumentando

O perigo de uma revolução contra o regime está aumentando

Cuba

Cuba: “Não descarto uma revolução contra o regime cubano”

Assim o disse ontem em Madrid o padre Reyes que, à semelhança de outros padres e religiosas da ilha como José Castor ou Nadesca Almeida, denunciou as violações da ordem nos últimos anos. O padre católico de Camaguey, Alberto Reyes, fala de Cuba como uma ilha antiga. Ele resume “não há presente nem futuro”, mas sim a letargia da continuidade. O sintoma mais evidente: a reeleição de Miguel Díaz-Canel, uma aposta definitiva na estagnação e na retórica ultrapassada.

Mas a vida real vai ao contrário: repressão, medo, fome e muitos outros motivos de emigração, conta Reyes, uma das vozes mais críticas do regime na Igreja Católica, em conversa com Yoanni Sánchez. O ambiente opressor ganhou status, não apenas ações. Cada vez mais pessoas são convocadas pela Segurança do Estado e muitos alertas. Quaisquer manifestações contra o governo são rapidamente verificadas. “As pessoas têm muito medo”, diz ela.

A Igreja assume a responsabilidade por 40 anos de ditadura na Argentina

“A verdade vos libertará” é o título da investigação da Universidade Católica Argentina (UCA) sobre as ações da Igreja Católica diante dos crimes de Videla contra a humanidade.

70 bilhões de euros “presente” chavista para apoiar as potências aliadas

Nada é gratuito. Graças ao seu populismo regional, Chávez e Maduro esbanjaram as fortunas do estado dando petróleo a amigos. No total, este montante está estimado em 70 mil milhões de euros, que foram distribuídos sob patrocínio com o objetivo de ganhar influência na arena internacional para consolidar o seu poder ao longo dos últimos 24 anos. Isso foi revelado por 146 casos de corrupção abertos em 26 jurisdições ao redor do mundo que investigam o dinheiro do petróleo venezuelano, segundo a ONG venezuelana Transparency. Para espalhar o “socialismo do século 21”, 26 nações aliadas foram financiadas enquanto suas populações mergulhavam na miséria (82% de pobreza com 7,5 milhões de venezuelanos deslocados), segundo dados da ONU. Sobretudo Cuba, que recebeu o maior volume de ajuda do governo venezuelano (cerca de 23 mil milhões de euros), seguida da Argentina (8 mil milhões), Equador e Brasil (6 mil milhões) e Nicarágua (5 mil milhões). É seguido por Belarus, Bolívia, República Dominicana, Haiti, Belize, São Vicente e Granadinas, Antígua e Barbuda, El Salvador, Jamaica e Uruguai.

READ  A guerra entre a Rússia e a Ucrânia, "a usina nuclear de Zaporizhzhia não transmite mais dados": ultimato da AIEA. Chernobyl desconectada da rede elétrica

Venezuela: regime de Maduro realiza 226 ataques contra defensores de direitos humanos no primeiro trimestre de 2023

A ONG Centro de Advogados e Justiça observou que é 131% a mais do que no mesmo período de 2022. “Durante o primeiro trimestre de 2023, o fechamento do espaço cívico e democrático se aprofundou. O estado venezuelano continuou”, disse a organização disse em seu último relatório, atacando aqueles que estão na linha de frente da ação, em resposta a uma crise de direitos humanos.” O relatório continua afirmando que os principais perpetradores são funcionários públicos em 51% dos casos, seguidos pela mídia do regime (25% ), pessoas ou grupos afetados por interesses políticos do Estado (17%) e instituições públicas (5%) e agentes de segurança (2%). O Tribunal Penal Internacional informou na sexta-feira que 8.900 vítimas apoiaram o andamento das investigações sobre crimes contra a humanidade na Venezuela.

Paolo Manzo, 24 de abril de 2023

Gostou deste artigo? Leia também