Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O Mar Mediterrâneo nunca é quente, 3 graus mais claro que o espaço

O Mar Mediterrâneo nunca é quente, 3 graus mais claro que o espaço

O Mediterrâneo e o Atlântico Este nunca estiveram tão quentes, um registo claramente visível até do espaço: imagens fornecidas pelos satélites europeus Copernicus, graças ao Serviço de Monitorização do Ambiente Marinho (Cmems), mostram que as temperaturas relativas à superfície estão a subir o nível do mar 3 graus dos valores normais de referência para a data de 10 de abril. Esses dados confirmam os dados preliminares fornecidos pela Agência Nacional Oceânica e Atmosférica dos EUA (NOAA), que revelaram que a temperatura média global da superfície do mar atingiu um recorde histórico desde o início do monitoramento por satélite. Notavelmente, a superfície do oceano atingiu uma temperatura de 21,1 graus no início de abril, superando a alta anterior de 21 graus em 2016.

Conforme noticiado pelo jornal britânico The Guardian, nos últimos três anos, o fenômeno oceânico e atmosférico conhecido como La Niña ajudou a baixar as temperaturas e reduzir o impacto do aumento das emissões de gases de efeito estufa. La Niña é, na verdade, a contraparte fria do El Niño e reduz as temperaturas da superfície do Oceano Pacífico em 3 a 5 graus, com efeitos em cascata no clima global. No entanto, parece que este fenômeno já passou e que até o final do ano será substituído pelo El Niño, com o correspondente aumento do risco de mau tempo.

“La Niña chegou ao fim”, diz Mike McFadden da NOAA. “Esta onda de frio prolongada baixou as temperaturas médias da superfície dos mares e oceanos. Agora que acabou – acrescenta Macfadyen – provavelmente veremos o sinal da mudança climática chegar alto e claro.” Os dados da NOAA, que não incluem as regiões polares, vêm principalmente de satélites, mas também de medições feitas por navios e bóias.

READ  viale della Scienza, o trabalho de asfalto foi concluído na metade do tempo

© Reprodução Reservada