Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

O grande salto de Portugal: Moody’s eleva-o para “A3”

O grande salto de Portugal: Moody’s eleva-o para “A3”

Já passaram quase 13 anos desde que Portugal decidiu fazê-lo, em plena crise económica Peça ajuda à União Europeia E o FMI. Estávamos em Abril de 2011 e as palavras do Primeiro-Ministro interino José Sócratesque se demitiu depois de o Parlamento ter rejeitado o plano de austeridade preparado pelo governo, ainda está claramente gravado na mente dos cidadãos portugueses: “Tentei de tudo, mas francamente chegamos a um ponto em que não tomar esta decisão acarreta riscos que o país não deveria correr.“.

Depois de 12 anos e alguns meses, depois de uma série de… Importantes reformas económicas e financeirasA situação em Portugal mudou radicalmente. Na verdade, no fim de semana que acabou de terminar, Nova classificação da Moody’s para o paísmuito acima das expectativas: a agência de rating duplicou a promoção de Portugal, trazendo-o de BA 2+ (Risco médio de insolvência a longo prazo) Anúncio A3 (Qualidade acima da média e baixo risco de inadimplência no longo prazo).

O salto duplo de Portugal em frente foi bom Moody se explicou: A sustentabilidade da dívida aumentou a médio prazo graças a “uma série de reformas económicas e financeiras, à redução da dívida do sector privado e ao fortalecimento contínuo do sistema bancário” e apoiada por “investimentos públicos e privados significativos e pela implementação de novas reformas estruturais, ambas ligadas ao Pnrr”.

Novamente de acordo com a agência de classificação oficial que o fez na mesma ocasião Classificação Baa3 para Itália confirmadaÉ possível que Portugal veja “um forte crescimento e orçamentos largamente equilibrados” antes disso, mesmo que tenha havido alguma incerteza a nível político nas últimas semanas, o que no futuro poderá levar a algumas mudanças que não são necessariamente positivas.

READ  Exportações da Prefeitura de Siena nos primeiros nove meses de 2021

Na verdade, Portugal terá de voltar a votar nos primeiros meses de 2024 depois de Demissão repentina do primeiro-ministro António CostaFoi reeleito em 2022, após o seu alegado envolvimento numa investigação de corrupção ligada a alguns projetos de transformação verde e digital no país. Costa declarou imediatamente a sua inocência, mas disse aos cidadãos portugueses que não poderia permanecer no cargo devido às graves acusações.

Confrontado com a demissão de António Costa, o Presidente de Portugal, Marcelo Rebelo de Sousa, decidiu assim Dissolver o Parlamento e chamar os eleitores às urnas No início do próximo ano. Mas, poucos dias depois, houve um desenvolvimento: o nome António Costa, que aparecia na cópia de contestação dos documentos de investigação, não era o do primeiro-ministro português, mas sim o do ministro da Economia. António Costa Silva.

O reconhecimento do erro de cópia surgiu no dia 12 de Novembro pelo Ministério Público, mas o estrago já foi feito, e agora milhões de cidadãos portugueses terão de voltar a votar no próximo ano, certamente no dia 10 de Março. Daí os “sinais finais de risco político” que a Moody’s teme.