Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Novo Jornal Nacional – SCHLEIN, VOLTE À ESQUERDA.  E quanto ao socialismo?

Novo Jornal Nacional – SCHLEIN, VOLTE À ESQUERDA. E quanto ao socialismo?

por Maurizio Ballesterieri

A manifestação em Florença em defesa da escola, da constituição e contra o fascismo aponta para a possibilidade de aliança das forças de oposição, Partido Democrata, Sinkisteel, Aliança Esquerda-Verde e CGIL, ao mesmo tempo em que constrói uma plataforma para protestar contra as escolhas do atual governo , tanto social quanto baseada em valores.

Parece que o Partido Democrata de Elle Schlein se distancia daquela contradição que caracterizou sua experiência: o “reformismo moderado”, pois se a esquerda pratica políticas econômicas e sociais de tipo liberal, em conformidade com a doutrina da austeridade, perde seu eleitorado tradicional, que se deixa atrair pelas traças do populismo nacionalista capaz de expulsar eficazmente a carência da Segurança Social, e não apoderar-se dos votos da direita popular e conservadora, que, em todo o caso, votam no original, não na imitação!

Assim, o modelo dos “direitistas” na Itália, fundado em uma dialética entre uma direita popular e um mercado e um tecnocrata vestido de centro-esquerda blairista, deve diminuir.

Por um lado, um direitista defensor da soberania nacional e da identidade regional, com a consequência oposta de uma autonomia diferenciada; a outra direita com os tecnocratas da “oposição política” que encontram de vez em quando o apoio da esquerda ex-comunista e dos chamados “católicos democráticos”, aliados ao “lounge” capitalista italiano (ou o que resta de uma “forte força” que se organizou em torno do Mediobanca criado por Enrico Cuccia, hoje está principalmente no sistema financeiro), e a grande indústria editorial está quase extinta, com o advento das redes sociais.

Os governos de Amato, Ciampi e Dini (1992-1996) e o breve executivo de Prodi para o período 2006-2008 com o ministro da Economia Pádua-Schioppa são, em alguns aspectos, os antecessores de Monti e do “governo dos técnicos” cujo arquétipo encontra-se na proposta formulada no início dos anos 1980 pelo Antes Republicano Bruno Visentini, que foi democratas paladino.

READ  O objetivo das cartas é arrecadar três bilhões

Privatização de empresas públicas, aumentos de impostos ocultos e alguns conselhos eleitorais, mudanças para pior no sistema de bem-estar público com maior vida útil e pensões mais baixas e direitos trabalhistas reduzidos, esse paradigma liberal do “Consenso de Washington”, o dogma econômico americano imposto a nível mundial pelas políticas das agências de rating do Fundo Monetário Internacional e na Europa pelas críticas de Frau Merkel e do Banco Central Europeu, hoje por Christine Lagarde, com os riscos de recessão e desemprego derivados, e formou uma experiência pessoal do Partido Democrático.
O Partido Democrata deve dar um passo em frente e olhar para a esquerda, para a esquerda autêntica da Europa, que historicamente foi encarnada pelos partidos socialista, social-democrata e trabalhista. Vejam-se as políticas económicas e sociais dos governos liderados pelos socialistas, em Portugal com António Costa e em Espanha com Pedro Sánchez, no próprio Partido Social Democrata na Alemanha e nas experiências actuais na Escandinávia, com aumento do salário mínimo, redução a idade da reforma e o aumento dos investimentos públicos, sobretudo na área da saúde, no âmbito do relançamento do Estado-Providência e da afirmação de políticas de justiça fiscal a favor das classes mais desfavorecidas.

Em suma, o socialismo é necessário na Itália se quisermos reconstruir uma esquerda capaz de representar as demandas democráticas e populares.