Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Na Ucrânia, o economista Sachs apela a negociações e Giacalone explode: “Você é o porta-voz de Putin”.  Resposta: “Eu trabalho na Colômbia”.  No número 7

Na Ucrânia, o economista Sachs apela a negociações e Giacalone explode: “Você é o porta-voz de Putin”. Resposta: “Eu trabalho na Colômbia”. No número 7



brigar com Pausa para café (La7) Durante a entrevista do apresentador Andrea Pancani Para o economista Jeffrey Sachs, Professor e Diretor do Centro para o Desenvolvimento Sustentável em Universidade ColumbiaAlém de ser um dos mais destacados especialistas globais na área de desenvolvimento econômico e combate à pobreza.
Sachs traz diversas vezes à tona as negociações na Ucrânia, ataca duramente a posição norte-americana e ganha, como vem sendo norma há mais de dois anos, o apelido de “Putin” de um dos convidados do estúdio, o jornalista David Giacalone.

Faíscas voam no estúdio quando a posição da UE é assumida. Sax é Transcantar“A Europa tem um papel fundamental nas negociações de paz. Tudo o que temos de fazer é sentar-nos à mesa com Putin e dizer-lhe que não aceitamos todas as suas propostas, mas apenas aquelas relacionadas com a segurança mútua, a expansão fora da OTAN e a neutralidade da Ucrânia. Os Estados Unidos, por outro lado, só querem a guerra“.
Giacalone contesta: “A União Europeia sentou-se à mesa com Putin e o então presidente Macron Ele aceitou essa humilhação duas vezes. “Duas vezes a Rússia o jogou contra a parede.”
Sachs rebate que não houve humilhação, acrescentando que conhece Macron pessoalmente: “A questão principal é que Até agora, os Estados Unidos insistem em expandir a NATO para incluir a Ucrânia. Em março de 2022 Zelensky e Putin aceitaram a paz, mas os Estados Unidos rejeitaram as negociações“.
“Mas isso não é verdade”, levanta-se Bonetti, seguido por Giacalone, que repete em círculo agitado.Notícias falsas e falsas.”

Não, são os fatos concretos – responde o professor da Universidade de Columbia – E este é o ponto principal. Isto também foi reconhecido pelo negociador-chefe ucraniano, que disse publicamente que toda a questão é a expansão da OTAN.
“Se, então, tanto faz”, murmura Giacalone.
“Secretário Geral da OTAN”, continua Sachs Stoltenberg “Ele admitiu, mas os Estados Unidos não querem dizer a verdade e muitos líderes europeus não querem admitir a verdade.”
“Ele nunca fez isso”, comenta o jornalista, “mas o que ele sabe?”
Se a Ucrânia se tornar neutra, a guerra terminará – repete o economista, enquanto Giacalone continua a murmurar – Este é o ponto principal: Para negociar. Precisamos de nos sentar e compreender as preocupações de todas as partes e alcançar a paz, em vez de continuarmos a fazê-lo A espiral de escalada que todos os fomentadores da guerra desejam. Você tem que gastar 2-3% do PIB na guerra como se a Alemanha estivesse em guerra. Isto é bom para a Europa? Mas vamos. Precisamos parar e lidar com outros problemas, por exemplo mudanças climáticas E E todas as outras questões de desenvolvimento“.
“Isso é inaceitável”, protesta Bonetti, seguido por Giacalone, que cede a risadas quase histéricas e repete várias vezes: “É ridículo”.

READ  «Estamos horrorizados, condenados sem resposta ou reserva» - Corriere.it

deputado um ato Ele especifica “Notícias literalmente falsas” Foi o que Sachs revelou e acrescentou: “Estive no governo e o que foi dito é completamente desprovido de qualquer base real”.
“Não são notícias falsas”, responde Sachs.
“Você pode continuar dizendo que somos belicistas – responde Bonetti – mas somos um país que decidiu apoiar a defesa do povo ucraniano, que foi invadido por um ditador belicista chamado Putin, que decidiu invadir um país livre para iniciar uma guerra .” Trabalho de expansão também para a Europa.”

Quem depôs o Presidente da Ucrânia em 2014? – O economista pergunta – Você acha? Estados Unidos da América Eles desempenharam um papel essencial? Bem, é assim que é.”
Bonetti e Giacalone levantam-se e gritam: “O professor é porta-voz de Putin e trabalha no Kremlin“.
“Claro que não”, responde Sachs.
“Claro que sim”, insiste Giacalone.
“Claro que não. Como ele poderia dizer algo assim – o economista responde – “Eu trabalho na Universidade de Columbia, só digo a verdade”.
“Sua tese é a tese do Kremlin – repete o jornalista – e é uma tese ridícula que ofende as crianças da Praça Maidan que lutaram pela liberdade, a mesma liberdade que você despreza porque a tem demais”.
Sachs repete:Os Estados Unidos derrubaram o presidente ucraniano em 2014 e assim começou a guerra. Sabemos também que a Europa negociou um acordo para a realização de eleições antecipadas. “Estes são factos puros e simples, não propaganda.”
“É a tese de Putin”, grita Giacalone.

READ  Silenciou líderes militares, como Hitler e Stalin. Ameaça nuclear? É tangível