Barcelos na NET

Lista de jornais e sites de notícias portugueses sobre esportes, política, negócios, saúde, empregos, viagens e educação.

Moscou avança em direção a Kharkiv.  Kiev “confrontos violentos na fronteira” – Notícias

Moscou avança em direção a Kharkiv. Kiev “confrontos violentos na fronteira” – Notícias

A resistência ucraniana enfrenta um problema no confronto com a nova ofensiva russa no norte de Kharkiv, onde as forças de Moscovo estão a ganhar terreno ao atacarem incansavelmente ao longo de toda a fronteira. As próprias forças de Kiev admitem isto, com o Comandante das Forças Armadas Alexander Sirsky a dizer: “A situação deteriorou-se muito, mas a defesa mantém as suas posições”.

O Ministério da Defesa russo tem uma opinião completamente diferente, pois afirma ter capturado mais quatro aldeias ucranianas – Gaticy, Krasnoye, Morokhovets e Olenkovo ​​– depois das que ocorreram nos últimos dias. Em resposta, as forças ucranianas bombardearam incansavelmente a região russa de Belgorod, com fragmentos de um míssil ucraniano “fornecido pela NATO” atingindo um edifício de 10 andares na capital com o mesmo nome, provocando o seu colapso, com pelo menos 9 vítimas. Um morto e 20 feridos, incluindo duas crianças.

Volodymyr Zelensky explicou que “as batalhas defensivas continuam e batalhas ferozes estão ocorrendo em grande parte da nossa faixa fronteiriça” em Kharkiv, acrescentando que “algumas aldeias passaram de uma ‘zona cinzenta’ para uma zona de guerra” e “os ocupantes estão tentando controlá-los.” “Alguns deles, enquanto outros são usados ​​para avanço.”

Palavras que surgiram no final de um dia em que se espalharam notícias preocupantes nos meios de comunicação social, como aquela em que uma unidade da Guarda Nacional Ucraniana foi obrigada a abandonar algumas das suas posições defensivas. “A situação nos arredores de Vovchansk é muito difícil: a cidade está constantemente sob fogo russo e o nosso exército está a lançar um contra-ataque com a ajuda dos residentes locais”, sublinhou Zelensky.

Com efeito, as evacuações de civis continuam – pelo menos 4.000 desde o início da nova ofensiva – mas o cenário, descrito pelos analistas como “complexo”, parece actualmente excluir um ataque russo à cidade de Kharkiv: segundo o pensamento americano. As operações dos invasores continuam relativamente limitadas ao longo da fronteira e, apesar dos avanços “táticos significativos” em áreas “possivelmente menos defendidas pelos ucranianos”, as forças russas não estão a realizar uma operação em grande escala para cercar ou ocupar a capital. Enquanto isso, eles continuam a atacar os ataques aéreos de Moscou.

READ  Dois pilotos adormecem durante o voo e perdem o pouso em seu destino: o alarme os acorda

Para saber mais ANSA Moscou esmaga Kharkiv e “a Ucrânia caminha para o colapso” – Notícias – Ansa.it “6 aldeias capturadas.” Zelensky: “Resistimos, mas precisamos de armas” (ANSA)

As batalhas não se concentraram apenas em Kharkiv: no último dia o exército do Kremlin atacou ao longo de toda a linha da frente, confirmou o Estado-Maior de Kiev, e Donetsk afirmou-se como um dos pontos de combate mais importantes.

Enquanto o governo de Zelensky continua a exigir entregas rápidas de fornecimentos de armas ocidentais, os parceiros monitorizam cautelosamente os últimos desenvolvimentos no terreno, que são prejudiciais para Kiev. “É um momento muito perigoso” para a Ucrânia, segundo o secretário dos Negócios Estrangeiros britânico, David Cameron. O ministro das Relações Exteriores, Antonio Tajani, disse: “Não vou subestimar a situação, mas também não vou exagerar a situação”, acrescentando que “os movimentos de Moscou devem ser acompanhados com a máxima atenção. Mas não há perigo de ataques à OTAN, e eu governo. isso fora.” Fora”.

Com o exército enfrentando dificuldades na frente, a retaliação de Kiev tenta funcionar através da fronteira, atacando instalações industriais e petrolíferas na Rússia: a inteligência militar ucraniana afirmou ter atacado com drones uma refinaria de petróleo em Volgogrado, uma fábrica de petróleo na região de Kaluga e a Usina Metalúrgica Novolipetsk em Lipetsk.

Mas na região de Belgorod as sirenes soaram o dia todo. O governador da região, Vyacheslav Gladkov, disse que a região e a capital de mesmo nome “foram submetidas a intenso bombardeio pelas forças armadas ucranianas”. Nos ataques, “estilhaços de um dos mísseis Tochka U que foi abatido atingiram um edifício residencial”, reduzindo-o a escombros.

A missão russa junto da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa, que exigiu a condenação internacional do ataque, acusou que “o ataque terrorista brutal lançado hoje pelo regime de Kiev contra bairros pacíficos de Belgorod causou dezenas de vítimas, e foi realizado com recurso a armas”. fornecidos pelos países da OTAN.” Não houve comentários das autoridades de Kiev.

READ  O jovem ativista de Cabul, eles são o Taleban de todos os tempos, mas estamos resistindo

A porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da Rússia, Maria Zakharova, disse: “O ataque terrorista em Belgorod é outro elo sangrento na série de crimes do regime de Kiev”, acrescentando que “os bombardeios contra civis tornaram-se a assinatura do grupo criminoso de Zelensky”. Com o apoio de patrocinadores ocidentais.”

Reprodução © Direitos Autorais ANSA